ZTOP+ZUMO 10 anos!

Macro: Lojinha da Thanko em Akihabara

A Thanko Rare Mono Shop é um bom exemplo de comércio de rua japonês: Pequeno, denso, chamativo e entupido de novidades!

Durante nossa (breve) passagem pela cidade de Tóquio depois do evento de 25 anos do lançamento do ThinkPad, reservamos uma hora para fazer nossa peregrinação sagrada à meca da cultura geek — o distrito de Akihabara — que fica no bairro de Chiyoda em Tóquio, local que ganhou notoriedade após a segunda grande guerra, primeiro como um grande mercadão de componentes eletrônicos onde centenas de pequenos comerciantes especializados vendiam todo tipo de ferramenta, componente, traquitana e cacareco eletrônico para técnicos e hobbistas em geral…

… sendo que com o passar do tempo vieram as lojas de eletrodomésticos e eletrônicos de consumo, seguidos pelos computadores/games que, por sua vez, atraíram um novo público — os chamados otakus, nerds e geeks — que transformaram o local em um polo ligado à cultura pop nipônica — em especial anime e manga:

Como aqui neste ztop+zumo falamos muito da empresa fabricante de qualquer coisa com porta USB Thanko (ou Sanko para os locais), resolvemos ir conhecer uma das duas lojinhas localizadas na região — conhecidas como Rare Mono Shop — sendo que optamos pela filial nº 2 que fica na avenida principal (Chuo Dori) do distrito…

… que fica a uns 7~10 minutos a pé da estação de trem de Akihabara ou praticamente do lado da estação de metrô de Suehirocho:

Como esse trajeto é praticamente uma linha reta não tem como errar, apesar de que quando chegamos, a loja não se parecia muito com o que vimos no Google Maps (acima), mas bate com a imagem divulgada no site da empresa.

O que dá para entender é que a loja manteve-se no mesmo prédio/endereço porém mudou-se para o salão mais à esquerda…

… ganhando assim mais uma entrada lateral e até uma vitrine, o que é muito interessante para esse tipo de comércio que vive essencialmente de apresentar e vender novidades:

Um detalhe que nos chamou muito a atenção (pelo menos para nós brazucas) é a quantidade de mercadoria literalmente largada na frente da loja, o que é algo comum de se ver em pequenos comércio do Japão já que a idéia — é claro — é de chamar a atenção dos transeuntes que passam pela rua, por mais apinhada de gente que ela esteja e a única funcionária da loja ficava no fundo da loja junto com o caixa:

Isso de um certo modo também não deixa de ser um reflexo do nível de civilidade uma sociedade rica e com baixíssimos indices de criminalidade, apesar de que — como o seguro morreu de velho —  notamos algumas câmeras de segurança, tanto dentro quanto fora da loja:

E cá entre nós, colocar um pouco da mercadoria pra fora da loja até ajuda quem circula dentro da loja, já que o estabelecimento em si é apertadíssimo, formado apenas por dois pequenos corredores onde só passa uma pessoa por vez e olha lá!

E apesar da empresa ser conhecida pela sua linha de gadgets e invenções malucas com porta USB…

… ela também tem ampliado o seu catálogo para outras áreas como acessórios de áudio, vídeo e foto, itens pessoais como malas, cadeiras, guarda-chuvas etc..

… e até utensílios domésticos — o que pode incluir até produtos de terceiros…

… desde que eles se encaixem no espírito de “Professor Pardal” da empresa, que é de apresentar uma solução bacana para uma necessidade do dia a dia, por mais banal ou inusitada que ela possam parecer:

Segundo o pouco que conversamos com a única atendente da loja (que mal falava inglês e entendia menos ainda o meu japonês monosilábico de pé quebrado) essa lojinha está mais para um showroom da empresa, já que o grosso das vendas são feitas online, fora os acordos de distribuição com redes de lojas pequenas e grandes como a Amazon.co.jp, Yodobashi Camera, Tokyu Hands, entre outras.

E no fim das contas vale a visita? — Eu diria que sim, especialmente para os turistas de fora que não têm familiaridade com o comércio online nipônico, de modo que você pode passar na lojinha, se divertir com a proposta dos produtos e — se achar algo que interesse — é só passar no caixa, pagar e sair de lá todo pimpão com seu novo cacareco com porta USB ou não.

Mais informações aqui.

Disclaimer: Mario Nagano viajou para o Japão a convite da Lenovo Brasil. As fotos bacanas, observações inteligentes e programas de índio são dele mesmo.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Que bela reportagem para os amantes do USB!!!!
    o Japão definitivamente está na minha lista de viagens.