FCC e o Wi-Fi turbinado a caminho (o Google ganha com isso)

F

Com todo o foco do universo na eleição de Barack Obama (yay!), ontem uma outra votação nos EUA definiu algo importante para o mundo da tecnologia. A FCC (a Anatel deles) aprovou, por 5 votos a zero, a abertura do espectro dos “espaços brancos” (em resumo, as ondas não utilizadas entre os canais de TV).

Isso pode significar mudanças (para melhor) em tecnologias de transmissão sem fio, já que os sinais desse espectro “branco” têm mais alcance que o Wi-Fi atual. Do comunicado oficial da FCC:

“As regras adotadas a partir de hoje vão permitir o uso de novos e inovadores tipos de dispositivos ainda sem licença no espectro sem uso para fornecer dados em banda larga e outros serviços para consumidores e empresas“.

Quem ganha com isso? O Google, um dos principais defensores do uso dos “white spaces” para novas tecnologias. HP e Microsoft, entre outros gigantes do Silicon Valley, também ficam felizes com a aprovação da FCC. Claro que o uso de novos dispositivos precisa passar pela homologação da FCC, então não vamos ver um super-Wi-Fi amanhã (e nem tenho idéia de como a Anatel lida com essa questão aqui no Brasil). Veremos por aí novos serviços do Google relacionados ao wireless (olha o Android aí, gente)?

Quem perde com isso? O pessoal da Broadway, artistas de teatro em geral e até a cantora Dolly Parton, que dizem que o uso de novas tecnologias sem fio vai interferir nos microfones sem fio usados nos espetáculos. A FCC disse que “os microfones sem fio serão protegidos de diversas maneiras”, meio que acalmando o povo da arte.

Nagano comenta: Além de explorar novas frequências do espectro disponível, uma iniciativa muito interessante que anda meio na moita é o uso das estações de ondas médias de rádio (AM) para transmitir programas de rádio no formato digital (DAB). Com isso seria possível transmitir músicas em estéreo com qualidade de MP3, sem interferências e com um alcance bem maior que o FM. Mais detalhes aqui.

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos