ZTOP+ZUMO

Virtualização em smartphones: rode qualquer Phone OS sobre Android

 

Da série “como é que ninguém nunca pensou nisso antes?”, pesquisadores da Nippon Telegraph and Telephone Corp (NTT) trabalham numa tecnologia de virtualização que permite, por exemplo, emular o iOS do iPhone dentro de um aparelho com Android.

Batizado de Virtual Smartphone Over IP, a idéia por trás dessa tecnologia é que criar máquinas virtuais rodando SO de smartphone na nuvem que acessá-los remotamente de qualquer lugar e a qualquer hora por meio de um cliente instalado no seu aparelho. A grande sacada nesse caso é que esses smartphones virtuais têm a sua disposição toda a capacidade de armazenamento, segurança e processamento de um data center, transcendendo assim algumas limitações do próprio smartphone como capacidade de processamento ou autonomia da bateria.

A grande sacada nesse caso é fazer a mesma coisa que os thin clients fazem com os PCs: realizar todo o processamento na nuvem e fazer com que o cliente/smartphone só receba as informações que são apresentadas na tela. E para otimizar ainda mais o tráfego de dados, apenas as partes da tela que diferissem da tela anterior seriam enviadas para o cliente. Desse modo, apesar do tráfego na rede ser mais frequente, a quantidade de informação recebida pode ser bem menor.

A NTT explica que seus smartphones virtuais teriam acesso aos diversos recursos presentes no aparelho real como GPS, acelerômetros, câmera etc. tornando assim a experiência de uso ainda mais real.

Durante o NTT R&D Forum 2011, que aconteceu no início desta semana em Tóquio no Japão, a NTT fez uma demonstração dessa tecnologia mostrando um smartphone com Android rodando iOS no modo virtualizado, inclusive chaveando os ambientes operacionais em tempo real.  Um subproduto dessa tecnologia batizada de “Virtual SD”  (um disco na nuvem que se comporta como um cartão SD local)  também foi demonstrado.

Na minha opinião, essa idéia é muito interessante já que ela abraça o velho conceito (saudades da Sun Microsystems) de que o “computador é a rede”, ao mesmo tempo que resolve alguns problemas que atormentam os consumidores (em especial aqui no Brasil) que seria a rápida obsolescência de seus smartphones — muitas vezes contadas em meses. Adotando esse modelo de smartphone cliente, o usuário não precisaria mais de um super processador e imensas quantidades em seus aparelhos de memória para satisfazer as suas necessidades (incluindo o ego) nem precisaria mais se preocupar quando vai sair a nova versão de seu SO e se ele vai ser compatível com seu equipamento.

Em contrapartida esse modelo depende muito numa infraestrutura de comunicação sem fio de excelente cobertura e desempenho para atender a maior demanda de tráfego, o que até pode ser realidade lá na Ásia (e de muito interesse para a NTT) mas não necessariamente em outros locais como Brasil. Fora isso, é preciso ver o que os fabricantes de hardware pensam disso, já que ela pode reduzir a demanda por novos modelos já que os antigos poderiam ser usados por muito mais tempo e cá entre nós, ninguém gosta que alguém acabe com seu negócio, né?

Mais informações sobre essa tecnologia aqui.

Henrique comenta: a Citrix demonstrou faz um tempinho uma solução parecida, só que ela leva o desktop pra dentro do smartphone.

 

 

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • dflopes 23/02/2011, 08:47

    Se depender das fabricantes, isso não vai levar a nada! A obsolescencia programada está cada vez mais rápida!

    Me lembra os aparelhos de dois chips, que as operadoras odeiam a qualquer custo e as fabricantes só lançaram modelos pra concorrer com os xing-lings.

    A grande questão é, PQ virtualizar pela rede?
    Pq não deixar tudo embarcado num Hyper-mega-cartão mSD para carregar os diversos SO de acordo com a necessidade (e o ego)?! Exceto pra casos de suporte ou treinamento, não vejo pq ter TANTOS SO num aparelho.

    Já é dificil acompanhar os lançamentos e ter uma curva de aprendizado para cada um deles eles (se vc tiver grana e coragem pra acompanhar tudo).

    Hoje, são dois os aparelhos que podem fazer isso, tem a possibilidade de escolher vários SO: N900 e HD2.
    MAs, como vc falou, é apenas pro ego, pois é mais racional escolher apenas um e fazer uso corriqueiro dele.

    • mnagano 23/02/2011, 09:02

      Acho q mesmo que seja para usar um SO virtualizado o conceito em si seria muito interessante, já que o usuário poderia adquirir um smartphone "genérico" equipado somente com o cliente e algumas funções básicas como telefonia (duh!) assinar com uma operadora o plano de dados e SO de sua preferência e correr para a galera.

      Fora isso pelo que entendi, esse conceito de smartphone virtualizado pode conviver sem problemas num smartphone convencional já que ele só precisa de um cliente para funcionar, abrindo assim um caminho para diversas aplicações baseadas no conceito de software como serviço. O detalhe é que com o passar do tempo e esse conceito se mostre prático e viável, ele pode mudar nossa percepção de que precisamos ter tudo instalado localmente e que seria melhor passar tudo pra rede.

      Pela minha experiência nesse mercado o usuário comum (excluindo os fanboys) é meio agnóstico em relação à este ou aquele SO. O que eles querem é algo que seja fácil de usar e que atenda a todas as suas necessidades e expectativas como trocar mensagens ou jogar Angry Birds. Prova cabal disso é o sucesso de sistemas como o iOS e o Android que surgiram do nada e hoje dominam o mercado.

      O problema como eu disse está na infra de rede celular, já que imagina como é que um smartphone virtualizado desses iria funcionar aqui no Brasil em locais como Quiprocó das Couves, Interior da PQP, um pouco depois de onde Judas perdeu as botas.

      Mas ai é só entrar em contato com a NNT e comprar uma infraestrutura de comunicação tinindo de nova e super balatinha né?

  • Wesley 25/02/2011, 10:40

    Falando em obsolência…. comprei meu Galaxy S em setembro e em fevereiro já anunciaram o Galaxy S II.