ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Universidade do ABC investe em supercomputador

sgi_altix_4700.jpgA Universidade Federal do ABC (UFABC) anunciou ontem a aquisição de um supercomputador Altix 4700 da SGI equipado com 68 processadores Intel Itanium 2 (dual-core) e 272 GB de memória RAM auxiliado por um um sistema InfiniteStorage de 30 TB também da SGI.

O equipamento – que pode crescer até 512 CPUs ou 1.024 núcleos (cores) de processamento – será usado em pesquisas cientí­ficas que demandem computação de alto desempenho, nas áreas de fí­sica, quí­mica, engenharia de materiais e nanotecnologia.

Num mercado dominado pela microarquitetura x86, me chamou muito a atenção o fato de uma instituição de ensino optar por um sistema baseado em Itanium 2. Para entender esses motivos, conversei com Marcel Saraiva, Gerente de Produto para Servidores para América Latina da Intel.

O executivo me explicou que, ao contrário de outras soluções de supercomputação baseadas em clusters (grupos de PCs interconectados por rede) que compartilham tarefas e processam dados de maneira colaborativa, a solução da SGI funciona como um sistema monolí­tico, capaz de colocar todos os seus recursos de processamento e de memória sob o controle de um único sistema operacional – que nesse caso, é o bom e velho Linux.

Assim, de acordo com a demanda, é possí­vel alocar todos os seus núcleos de processamento (68 x 2 = 136 cores) para devorar um complexo modelo matemático ou tornar disponí­veis todos os seus 272 GB de memória e apenas um ou dois núcleos para aplicações que trabalhem mais com manipulação de dados do que cálculos propriamente ditos.

Para tocar todo esse potencial, junto com o supercomputador a UFABC irá receber um pacote completo de compiladores, bibliotecas e várias ferramentas de programação, análise de desempenho e otimização desenvolvido pela Intel. Para administrar o tempo de uso e a carga de trabalho do supercomputador, a UFABC utilizará o sistema PBS Professional da Altair Engineering.

Saraiva explicou que a combinação de um um SO bastante popular no meio acadêmico como o Linux com o suporte de programação da Intel facilitará em muito a vida dos pesquisadores que, geralmente, escrevem suas próprias aplicações. E caso seja necessário o uso de softwares mais comerciais, ele recorda que o ecossistema do Itanium já conta com mais de 12 mil aplicações já portadas para sua plataforma.

No geral, o executivo da Intel está muito entusiasmado com essa iniciativa, já que ele cria um novo pólo de pesquisa em supercomputação, saindo um pouco do eixo USP – Unicamp aqui no estado de São Paulo.

Resumo da obra – Supercomputador da UFABC

Fabricante: Silicon Graphics, Inc (SGI) – EUA
Modelo: Altix 4700
Memória: 272 GB
Processadores Duplos: 68 Intel Itanium 2 Dual-Core
Sistemas Operacionais: Linux (SUSE) e Enterprise Server 10
Capacidade de Disco: 30TB, combinados em dois núcleos (InfiniteStorage 350 e InfiniteStorage 120)
Custo: R$ 2 milhões

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.