ZTOP+ZUMO

Um Power 7 para chamar de seu

Anunciado no início desse ano, a IBM Brasil expande sua linha de produtos baseados no processador RISC Power 7 que agora vai do imponente IBM Power 795 capaz de abrigar até 256 núcleos de processamento até modelos realmente compactos como o IBM Power 720 Express (acima), equipado com apenas um soquete para até oito núcleos de processamento.

Esse conceito difere um pouco do que estamos acostumados a ver nos processadores x86, já que o módulo do processador Power 7 (que vai no soquete) pode receber 2, 4 ou 8 núcleos de processamento de 3 GHz, cada um com 256 KB de cache L2 e 4 MB de cache L3.

O sistema ainda anda pode vir com 8 GB a 128 GB de SDRAM RDIMM DDR3 e até oito discos SFF (small form factor) SAS convencionais de 2,4 TB cada ou oito até discos SSD (uia!!!). Ele estará disponível tanto no formato rack de 4U ou no imponente formato torre bem no estilo “Bite me!” da IBM.

De fato, a empresa conta com um modelo ainda menor — o Power 710 Express — disponível apenas na versão rack de 2U mas com capacidade menor de memória (até 64 GB) e disco (73,4 TB).

Completa essa linha os modelos Power 730 Express e Power 740 Express equipados com até dois soquetes dependendo da configuração.

A empresa explicou que a nova linha de servidores Express são voltadas para clientes de empresas de médio porte ou mesmo filiais de empresas maiores que precisem de capacidade local de processamento. Eles são compatíveis com mais de 15.000 aplicativos baseados nos sistemas operacionais AIX (esta por sinal dispondo de uma novíssima versão AIX 7.1), IBM i e Linux com opção de uso do software PowerVM permitindo assim que os clientes consolidem múltiplas cargas em um ou mais servidores.

Esses novos produtos poderão ser adquiridos diretamente da IBM ou dos Parceiros de Negócio da IBM.  Mais informações aqui.

Para os entendedores do idioma bretão segue abaixo uma interessante explicação sobre os recursos do Power 7:

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • rubens 09/09/2010, 13:36

    Parece que os termos RISC e CISC são mais anacrônicos que a própria palavra anacrônico. 🙂
    (Nem a IBM ou a Power.org usam o termo na maioria dos documentos sobre a arquitetura)
    Do tempo que existia Alpha (e DEC), PA-RISC, i960, quando tinha gente que acreditava que x86 seria substituído por i64/EPIC…
    Virei uma velha ranzinza viúva das fitas k7. :p

    resmungos à parte…
    O sistema de resfriamento do processador nas versões mais rápidas deve ser tão interessante quanto as especificações técnicas.

    mas… será que vai rodar crysis 2 em MV?

    • timmerman 10/09/2010, 11:48

      E o que é mais legal é que não tem Windows nessa máquina, pois provavelmente a Microsoft teria minado a plataforma como foi feito com o Itanium. 🙂

      • rubens 11/09/2010, 12:10

        Alguém realmente acredita que foi a Microsoft que minou o Itanium?
        Se fosse assim, acho que não chamariam a arquitetura de Itanic…

        Depois que a AMD (e depois a Intel) resolveu expandir o mercado dos x86, a Microsoft simplesmente deve ter visto nisso a chance de diminuir custos (em conversões) e aumentar faturamento (com o mercado que verdes e azuis ampliavam).

        De lembrar que o mercado de workstations teve MIPS, Power, Alpha, tudo com winNT…

        Mas talvez não seja impossível converter um winCE ou a versão do xbox360 pra ele :p

  • @matosfabiano 10/09/2010, 15:18

    Economia de energia, performance, menos custos com licenças de SW!

  • Fernando Costa 10/09/2010, 15:34

    Realmente estes servidores irão revolucionar o mercado, pois de acordo com as informações postadas os pequenos servidores POWER7 LE (low-entry) entrarão em briga direta com os servidores da plataforma x86, agregando grandes funcionalidades da familia, como por exemplo virtualização nativa via hardware e features de RAS (Reliability, Availability and Serviceability).
    Outro grande diferencial e a drástica redução de espaço físico e consumo de energia/geração de calor das famílias POWER7 onde os novos servidores atingem uma redução de até 90% comparados com sua familia anterior POWER5/POWER6.

  • Bicas 10/09/2010, 15:47

    E essa máquina roda 3 sistemas operacionais distintos: AIX, Linux (Red Hat ou Suse) e i. Azar do Windows que cada vez mais só será utilizado se e somente se a aplicação não oferecer outra opção. Hoje em dia quem manda na escolha do Sistema Operacional é o aplicativo e não mais o HW.

    A grande sacada da IBM é a escalabilidade da plataforma e a virtualização integrada ao hardware !

    As pessoas podem começar com um ambiente pequeno que pode crescer muito (de 4 até 256 cores) sem se preocupar com migrar o ambiente de plataforma ou com limites da ferramenta de virtualização. Pequenas emrpesas, sem um grande orçamento podem se beneficiar de começar pequeno e ir crescendo a infraestrutura conforme o negócio cresce sem os riscos de migrações complexas ou apostar em outras tencologias.

    Outro ponto é a virtualização. A tecnologia que veio do mainframe trouxe para o mundo open a capacidade de criar VMs com até 10% de um core e que podem ter alterados seus principais recursos (CPU, RAM e adaptadores) à quente. Como a virtualização é feita pelo hardware (e não através de softwares que irão esconder o hardware dos sistemas operacionais) não há overhead e o controle/estabilidade/segurança é infinitamente superior.

    Não é à toa que a Microsoft e a Red Hat não irão mais suportar o Itanium, que vive atrasando e decepcionando em termos de performance…

  • Wilson Azeredo 10/09/2010, 15:53

    Tenho oportunidade ter a arquitetura POWER7 em minha infra-estrutura onde consolidei vários servidores da arquitetura x86 com VMWare e a economia foi significativa, devido a várias funcionalidades que a tecnologia POWER7 possui. Realmente vale a pena validar.

  • PowerPunkForLife 10/09/2010, 16:36

    Paulada de Performance !!!! Escalabilidade quase linear !!

  • Antonio N. 11/09/2010, 13:36

    E o melhor de tudo nesta linha POWER7 são os preços. Inacreditaveis para uma plataforma de qualidade tão superior ao x86.