TV digital: a força do pensamento positivo

T

Um simples logo faz a diferença?

Uma constatação deste Zumo, que creio ser generalizada entre a maioria da população leiga em assuntos de tecnologia e, principalmente, de TV digital. Nossas mães (minha e do Nagano) não são high-tech. Já explicamos a elas antes de estrear a DTV que é necessário ter um conversor para receber os novos sinais (ou uma TV nova, que absurdo!).

Só bastou estrear a nova programação, aparecer um selinho na tela de “alta definição” e, pronto, a imagem do televisor ficou milagrosamente melhor – principalmente a da Globo, claro – de uma hora para outra, sem receptor, sem nenhum ajuste. Se elas, que têm filhos que editam este Zumo, pensam assim, imagine o resto da população. É a força do pensamento positivo aplicada na prática. Já que a emissora diz estar melhor a imagem, assim será.

Rigues diz: Presenciei isso na segunda-feira pela manhã, após a primeira transmissão de um filme em HD (Piratas do Caribe) pela Rede Globo. Nos corredores de um hospital, duas funcionárias da limpeza comentavam: “Cê viu os pirata do caribe ontem? Ficou lindão, né não?”. E tenho a impressão de que elas não assistiram em uma TV LCD de 40 polegadas com conversor digital. Alias, outro erro comum entre os consumidores é pensar que uma TV LCD ou Plasma é automaticamente “TV Digital”. Vai ser necessária uma bela campanha educativa, bem mais que os comerciais de 30 segundos da Famí­lia Nascimento (será que o Capitão é parente?) para desfazer a confusão na cabeça do Brasileiro.

***

Outra previsão futurológica, agora minha. Em um futuro não muito distante, as operadoras de TV a cabo podem perder clientes por causa da TV digital. Explico: conheço muita gente (aqui em São Paulo mesmo, a poucos quilômetros da av. Paulista) que tem TV a cabo em casa simplesmente porque a TV analógica não funciona – e usam o cabo apenas para ver os canais abertos com melhor qualidade, sem chuviscos (ignorando os demais canais a maior parte do tempo). Se, na teoria, a imagem fica melhor com a DTV, pra quê pagar a mensalidade do cabo?

Rigues diz: Eu mesmo estou pensando nesta possibilidade. Assisto muito pouca TV, basicamente os jornais e um ou outro programa humorí­stico. A recepção em casa, na região da Aclimação em SP, é péssima, pego a Globo cheia de fantasmas e olhe lá. Uma assinatura de TV a cabo, por mais barata que seja, não vale a pena dado o quanto assisto. Mas com o conversor digital, pelo qual pago uma vez só (ou em 10x sem juros, já em muitas lojas), tenho todos os canais básicos com qualidade de imagem excelente e resolvo meu problema.

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos