ZTOP+ZUMO 10 anos!

Transistor, 60 (fatos curiosos)

Hoje Dia 16 é aniversário do transistor. Parabéns!

  • O primeiro rádio transistorizado tinha quatro transistores. O primeiro chip de computador da Intel tinha 2.300 transistores. Os chips mais recentes fabricados em processo de 45 nanômetros têm 820 milhões de transistores.
  • Dois mil transistores de 45 nanõmetros cabem na espessura de um fio de cabelo humano.
  • Mais de 30 milhões de transistores de 45 nanômetros cabem na cabeça de um alfinete.
  • Um transistor de 45 nanômetros pode mudar de estado (ligado e desligado) cerca de 300 bilhões de vezes por segundo. Um raio de luz viaja a menos de um décimo de polegada durante o tempo que leva para um transistor de 45 nanômetros ligar e desligar.
  • O transistor original feito pelo Bell Labs em 1947 cabia na palma da mão (quer dizer, não era tão grande assim, mas visí­vel a olho nu).
  • Se as casas encolhessem na mesma velocidade dos transistores, você não veria uma sem um microscópio – bem avançado, por sinal. E nem entraria em uma, claro.
  • O preço de um transistor no processador mais recente da Intel é cerca de um milionésimo do preço médio de um transistor em 1968. Se o preço dos carros caí­sse í  mesma taxa, um carro novo custaria um centavo de dólar.
  • Cerca de 10.000.000.000.000.000.000 de transistores são entregues por ano, ou cerca de 100 vezes o número estimado de formigas na Terra.

first_transistor.jpgNagano complementa: Reza a lenda que o primeiro transistor (ao lado) foi criado pelos cientistas John Bardeen, William Shockley e Walter Brattain no Bell Telephone Labs de New Jersey.

Eles pesquisavam o comportamento dos cristais de germânio para substituir as válvulas usadas para chavear ligações e amplificar o sinal de voz, viabilizando assim as ligações de longa distância. O problema é que elas consumiam muita energia e queimavam rapidamente, o que encarecia a sua manutenção.

A pesquisa ia de mal a pior quando, numa última tentativa, eles usaram um material puro como ponto de contato, o que levou a invenção do transistor amplificador, façanha  que lhes rendeu o Prêmio Nobel de fí­sica de 1956.

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin