Tchau, Symbian Foundation (e o Symbian vai pra Nokia)

T

E a Symbian Foundation mó-rreu. Depois da Samsung e Sony Ericsson pularem fora do barco da fundação, assim como seu CEO Lee Williams, hoje foi feito o anúncio definitivo: “a Nokia se compromete a transformar a plataforma Symbian disponível sob um modelo alternativo aberto”.

Em resumo, todo o desenvolvimento do Symbian vai passar para as mãos da Nokia (que já expressou seu profundo interesse em que os desenvolvedores usem o Qt para Symbian e MeeGo) e a fundação vai se tornar “responsável por licenciar software e outras propriedades intelectuais, como a marca registrada Symbian”.

Diz a Nokia para não confundirmos “o fim da fundação com o fim da plataforma Symbian. A fundação foi muito importante em direcionar a plataforma em águas cada vez mais desafiadoras, mas a fundação e a plataforma não são a mesma coisa. A Nokia não tem intenção de mudar seus planos anunciados em 21 de outubro para continuar a desenvolver e evoluir o Symbian”. O mais doido desse anúncio é ele ter sido feito durante o SEE 2010 (Symbian Exchange & Exposition), que começou hoje em Amsterdã.

Enquanto o MeeGo não vem (e temo que, quando vier, possa ser tarde demais), espero que os novos “donos” do Symbian na Nokia consigam deixar o sistema um tanto mais fácil e simples de usar. Estou brincando com um N8 há uma semana e, bem, dá pra confirmar o que os reviews lá fora disseram do aparelho: hardware lindo, software nem tanto – em comparação ao seus primos iOS e Android, o Symbianˆ3 tem muito serviço a mostrar ainda. Conclusões a caminho…

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

<span class="dsq-postid" data-dsqidentifier="30959 http://zumo.com.br/?p=30959">comentários</span>

      • Eu usei o Maemo 5 e estou ansioso para conhcer o meego, pois eu gostei demais do Maemo (que é a base do MeeGo), Não sei se o MeeGo será um sucesso comercial, mas vejo-o como um S.O. com muito potêncial, o duro é saber como será a aceitação.

  • Outro ponto de vista — mais do lado da Nokia — seria algo como: Já que todo mundo saltou fora dessa fundação, deixa eu assumir logo esse negócio para garantir o meu.

    Para quem não se lembra o Symbian não foi criado pela Nokia e sim pela Psion cujo excelente sistema operacional EPOC (usado em seus handhelds das Séries 3, 5 e Revo) evoluiu para o Symbian e que foi posteriormente adquirido pela Nokia que transferiu o produto para uma fundação para que outras empresas pudessem apoiar ($$$) o desenvolvimento, além de ajudar a espalhar o mesmo pelo mercado, a exemplo do que ela está fazendo hoje com a Intel com o desenvolvimento do Meego.

    Para mim está claro que o pessoal de Santa Clara se juntou com os Finlandeses para entrar de sola no mercado de handhelds e tablets com seus chips x86 baseados no Atom. E se viajarmos ainda mais na maionese, pode até ser que a Nokia segurou o anúncio do N9 (ainda baseado em ARM) só para que ele nunca saia e seja substituído por um novo hardware com Atom Meego.

    Sob esse ponto de vista, o Symbian se torna uma peça fundamental na sua estratégia de dispor de um SO bom e confiável para equipar suas outras linhas de produtos ainda baseados em ARM (o que não é pouca coisa).

    Curiosamente é que numa dessas pode até sobrar para o N900, já que caso o N9 nunca chegue ao mercado, todo o desenvolvimento do Meego para ARM pode ser transferido para o N900, colocando assim um ponto final no dilema do Maemo 5 (que pode sobreviver como um SO de código aberto) ao mesmo tempo que pode trazer boa base de usuários do N900 para o lado do Meego, baixando os mesmos produtos baseados em Qt.

    (Eu sei, eu sei… preciso parar de misturar pinga no meu café…)

    • Essas coisas corporativas todas me deixam sempre com tontura…
      Bem, de qualquer forma, a ver. Se o pessoal da Nokia der uma recauchutada boa no Symbian, tudo bem!

    • "Eu quero acreditar" no Meego… Concordo que o futuro do Meego está diretamente relacionado a entrada da Intel no mercado de smartfones / tablets. De toda forma o tempo está correndo… Penso que a Nokia que já fez três tablets e um smartfone sobre a plataforma ARM/Maemo poderia já ter lançado um produto para concorrer com o iPad. Os N8X0 mesmo com um processadores inferiores eram capazes de multitarefa e flash. Assim pode ser que no final o problema seja a idéia de plataforma aberta. Explico… na Symbian Foundation todo mundo tinha medo de investir e ajudar o concorrente. O Maemo parecia uma autentica comunidade linux com colaboradores entusiasmados mas poucos softwares comerciais. Acho que só mesmo o Google sabe como capitalizar os investimentos em códigos abertos. A Nokia precisa encontrar o caminho das pedras das "App Stores"… talvez o Qt ajude. Uma iniciativa que me surpreendeu pela ousadia foi o do Bada da Samsung. Eles fizeram uma forte ação de captação de desenvolvedores e estou curioso para saber no que resultará.

  • putz to numa dúvidaa de loco se compro o N8 ou não, sera que vale a pena, mesmo com o sistema "desatualizado" ?? tera como "atualizar" depois ???

      • até mesmo se o sistema for outro ? Meego, android ??

        grato pela atenção.

    • Na minha opinião fuja do Symbian. Vá de Android ou até mesmo iOS 😛

      Symbian tá meio morto e afundando cada vez mais. Eu vejo isso por varias empresas lançando aplicativos ótimos apenas para andoid e iOS e esquecendo sempre o Symbian. =(

  • não falaram nada de novos OSs ainda. não deve ir além do Symbian mesmo

  • […] próximo da companhia. Ei, Nokia, você está na escuta?1) Morte ao Symbian, vida longa ao Ovi OS. Symbian morreu. Gastem alguns tostões em marketing pra reposicionar seus novos aparelhos com Symbian, ops, Ovi […]

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos