ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Review: Notebook STi Infinity NA 1402 com AMD Kabini

Primeiro notebook da STi com a nova APU AMD A4-5000 “Kabini” é um portátil que apresenta uma boa relação custo x benefício para um modelo de entrada.

No meio do ano, durante a Computex em Taiwan, a AMD anunciou a chegada oficial da sua nova plataforma de APUs das séries A e E para sistemas de entrada, mainstream e topo de linha — independente do seu formato, seja ele um notebook, tablet, conversível ou híbrido — junto com a promessa de que os primeiros produtos chegariam ao mercado até o fim deste ano, inclusive no Brasil.

A boa notícia é que a AMD Brasil cumpriu essa promessa e conseguiu que diversas fabricantes locais e até lá de fora lançassem produtos baseados nessa nova APU ainda a tempo para as vendas de final de ano, entre elas a STi (= Semp Toshiba Informática) que lançou o Infinity NA 1402, um notebook de entrada para uso geral com tela de 14 polegadas:

na-1402_front_view

Sob um certo ponto de vista, esse novo modelo é uma versão mais atualizada do NA 1401 ainda baseado no processador na APU AMD C-60 “Ontario” — um chip lançado em 2011 e equipado com dois núcleos de processamento x86 “Bobcat” de 1,3~1,5 GHz + GPU Radeon HD 6290 :

STI_NA1401_frente_verso

Já o NA 1402 que recebemos para testes, veio equipado com a nova APU AMD A4-5000 “Kabini” — um chip quad-core de 1,5 GHz com 2 MB de cache L2 e que é considerado (pelo menos por enquanto) o segundo “Kabini” mais veloz oferecido pela AMD, ficando abaixo do A6-5200 de 2,0 GHz (que, por sinal, já testamos aqui neste ZTOP) que também será oferecido pela STi junto com o E1-2100 um chip dual core de 1,0 GHz .

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Além disso, o NA 1402 vem equipado com 4 GB de SDRAM DDR3 1.600 MHz, 500 GB de disco, três portas USB (sendo duas 2.0 e uma 3.0), HDMI, porta de rede Gigabit Ethernet, Wi-Fi 802.11 b/g/n, tela LCD de 14″ (1.366 x 768 pixels), gravador de DVD e aceleradora gráfica integrada HD Radeon 8330.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Como dissemos antes, fora a posição de algumas portas de comunicação, o NA 1402 é praticamente idêntico ao NA 1401, medindo aproximadamente 34,5 x 3,2 x 24 cm (LxAxP — fechado) e 1,92 kg de peso (2,15 kg com a fonte de tomada).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Seu gabinete é todo em policarbonato preto e dono de um curioso acabamento fosco que até lembra metal escovado, o que passa um visual sóbrio, elegante e, na minha opinião, muito melhor que os de acabamento brilhante (glossy) como o notório Black “não olha feio que risco!” Piano. Também notamos que a superfície do STi é mais resistente a marcas de dedos, outro ponto a favor nessa comparação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mas, como era de se esperar de um modelo de entrada, o NA 1402 é dono de um desenho bastante convencional que não se encaixa na atual moda dos modelos leves e finos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mas o que ele perde em estilo ganha em praticidade já que ele tem espaço de sobra para abrigar diversos/recursos e interfaces que andam sumindo dos modelos ultrafinos por pura falta de espaço.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Por exemplo, do lado esquerdo temos um slot para trava anti-furto padrão Kensington, a entrada da fonte de alimentação, saída de video padrão HDMI, porta de rede Gigabit Ethernet (algo raro nessa faixa de produto) e duas portas USB, sendo uma 2.0 e outra 3.0:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Já do lado direito existe apenas a entrada do gravador de DVD…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

… um recurso que a indústria já gostaria de ter eliminado a muito tempo, mas que ainda sobrevive devido à demanda dos consumidores adeptos da estratégia do “ruim comigo, pior sem-migo”  ou seja, prefiro ter esse recurso e nunca usá-lo do que não ter e precisar algum dia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Na parte da frente, meio que escondido sob o teclado, existe um segundo grupo de mais três interfaces…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

… formado por uma porta de som/microfone combinado (padrão CTIA/AHJ), uma USB 2.0 e um slot para cartão SD/MS/MS Pro:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Quando aberta, a tela do NA 1402 fica praticamente suspensa por meio de suas articulações, reforçadas internamente por peças de metal. O seu ângulo de abertura é de aproximadamente 145 graus em relação ao teclado ou seja, ele não gira 180 graus:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Logo acima do teclado ao centro, fica o seu microfone mono…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

… e no canto direito seu único LED de estado (boo!) que também indica o estado/carga da bateria (booo!) e o botão liga/desliga. Eu particularmente não gostei dessa solução já que ela impede que possamos monitorar o estado de recarga da bateria com a tela abaixada, ou mesmo notar que o mesmo esteja no estado de stand-by/hibernação, o que pode consumir o resto da carga disponível. E isso sem falar na ausência de algum tipo de indicador de uso do HD o nos impede de saber se o sistema está lento/parado porque o disco está sendo acessado ou o sistema travou mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O teclado segue o estilo dos teclados “chiclete” com suas teclas espaçadas porém com um curso bem limitado, o que gera o famoso “repique” nas teclas quando batemos nelas com mais energia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Clique para ampliar

O layout em si segue o padrão nacional ABNT 2 e ao contrário de alguns modelos da Lenovo, sua tecla “Enter” é larga o suficiente para que o usuário não tenha que mirar o dedo nela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Já o touchpad é tradicional e sem muita frescura: tamanho médio ( 8 x 5 cm — LxA) e com teclas. Apesar da área de toque possuir “pontinhos” elas são impressas e não em relevo. Apesar disso, como a área de descanso do teclado tem a mesma textura de metal escovado do gabinete, é relativamente fácil achar o touchpad somente com o tato.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

As teclas de função também ainda seguem o padrão de dar prioridade para as teclas F1~F12, opção mais preferida entre os usuários de aplicativos de escritório que utilizam mais intensamente o teclado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Embaixo uma lista das funções secundárias:

STI_NA1402_fn_keys

Como já dissemos anteriormente, a tela do NA 1402 é um LCD-LED de 1.366 x 769 pixels — resolução nativa que é praticamente um padrão de mercado nos dias de hoje. Infelizmente a tela não possui interface de toque, o que pode comprometer a experiência de uso do Windows 8.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A tela possui um acabamento brilhante que melhora o contraste de cores principalmente em aplicações visuais, vídeos e jogos. A sua desvantagem é que ela também gera bastante reflexos, o que pode dificultar a leitura dependendo das condições de iluminação do ambiente de trabalho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Logo acima da tela fica a sua webcam com resolução HD e seu respectivo LED de estado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Para a nossa surpresa, sua fonte de alimentação é bem compacta: O bloco transformador é do tamanho de meio sabão de pedra e pesa apenas 240 gramas com o cabo de força bipolar (sem terra) incluso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O curioso é que ao contrário de outras fontes bivolt lá de fora cuja entrada varia de 100~240 volts, a da STi varia de 115~230 volts com saída de 19 volts x 2,1 ampéres ou seja, não creio que isso pode ser um problema se você for usar esse portátil no Japão/Okinawa (100 volts CA) mas pode ser, caso você viaje muito para o Afeganistão, Gibraltar, Quênia e um punhado de ilhas espalhadas pelo mundo como Cook, Falklands, Fiji, Tonga, Nauru, etc. — ah sim, e não se esqueça do adaptador de tomada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Uma tendência atual que vimos no NA 1420 é o fato da bateria não ser mais removível e não haver mais portas/tampas de acesso a alguns componentes do sistema, como disco rígido e memória.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mas com uma chave de fenda do tipo Philips #1 e um pouco de cuidado é possível remover toda a base inferior do portátil para que possamos dar uma olhada nos componentes internos desse equipamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Clique para ampliar

Aqui podemos ver o seu gravador de DVD modelo SU-208 fabricado pela Toshiba-Samsung Storage Technology que se fixa ao conjunto chassis por meio de um parafuso localizado na sua parte de trás.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ao seu lado fica o disco rígido de 2,5″ um Toshiba modelo MQ01ABF050 de 500 GB, 5.400 rpm e porta SATA 600 e apenas 7 mm de espessura, apesar de existir espaço livre para discos mais altos. Note a presença de um dos dois alto-falantes de 1,5 watt (seta laranja) que ficam embutidos no portátil:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Aqui podemos a ver o módulo da bateria, formado por quatro células com saída total de 14,4 volts /2.200 mAh.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Clique para ampliar

A impressão que dá é que esse sistema é uma bateria convencional que foi “descascada” para caber no interior do portátil. De fato, ela se conecta à placa-mãe por meio de um conector elétrico (1) muito parecido com aquele usado em baterias removíveis. Note também a presença de um sensor de temperatura (2) colado na lateral de uma das células de energia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Já a placa-mãe chama a atenção pelo seu pequeno número de chips já que, fora alguns CIs secundários, essa placa é quase que apenas uma base onde são soldados todos os soquetes e conectores que trocam informações com a APU, dispensando até o tradicional chipset (como o AMD Hudson D1 FCH que fazia parzinho com a APU C-60) que costumava ser o principal componente da placa-mãe sendo que muitas das suas funções foram integradas a APU, que hoje poderia ser até descrita como um SoC (System on a Chip):

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Clique para ampliar

No nosso caso, o NA 1402 vem equipado com apenas um soquete para pente de memória DDR3 , já ocupado por um módulo de 4 GB de 1.600 MHz produzido pela Smart e que fica coberta com uma folha de plástico transparente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Já a sua interface Wi-Fi 802.11 b/g/n é uma plaquinha PCIe mini de meia altura modelo W704E1-A1 da Chicony:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Esse é o sistema de ventilação que circula o ar no interior do portátil e também resfria a APU A4-500 da AMD:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E ao remover essa placa de troca de calor…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

… podemos ver a APU A4-5000 em todo o seu esplendor:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Como já dissemos antes, trata-se de uma APU/SoC de 28 nm com soquete BGA 769, o que significa que ela é soldada diretamente na placa-mãe. A capa preta ao redor do núcleo é uma espécie de etiqueta plástica que protege alguns componentes que ficam expostos nesse encapsulamento:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O CPU-Z revela mais alguns detalhes técnicos dessa APU…

STI_NA1402_cpuz

… que conta com uma aceleradora gráfica AMD Radeon HD 8330 e, como a HD 8400 da APU A6-5200, é uma GPU formada por 128 núcleos de processamento gráfico (ou shaders) rodando a 500 MHz (contra 600 MHz da HD 8400) com suporte para DirectX 11.1, OpenCL, DirectCompute 5.0, codificadores de vídeo UVD 4.2 e VCE 2.0. Ele também suporta até suas saídas de vídeo via porta VGA, DVI, DisplayPort 1.2 e HDMI 1.4a.

Seu desempenho é próximo do Intel HD 4000, o que pode não ser o ideal para os jogos mais pesados de 2013 mas deve performar bem em jogos mais antigos, desde que a CPU faça a sua parte.

STI_NA1402_GPUZ

O DXVA Checker mostra que, como era de se esperar de uma Radeon HD ela tem um excelente suporte para vídeos, incluindo na teoria, o notório padrão 4K:

STI_NA1402_DXVA_Checker

O disco preto que fica entre a APU e o ventilador é um adesivo que protege o suporte da bateria CR-2032 (por sinal, a mesma usada em placas-mãe de desktops) que deve segurar o relógio de o setup da BIOS. A impressão que tenho é que como esse portátil conta com amplas entradas de ar, o pessoal da engenharia da Semp Toshiba procurou na medida do possível proteger alguns componentes mais sensíveis do pó que pode entrar e se acumular no interior do equipamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Aqui podemos ver com mais clareza os conectores localizados na lateral esquerda do portátil…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

… e aqui os conectores frontais:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um último detalhe que vale a pena ser mostrado é o interior do slot para trava antifurto padrão Kensington que, ao contrário do que parece, não se fixa no seu gabinete de plástico e sim numa argola que metal que sai do chassis do portátil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Com relação ao software que acompanha o produto, o NA 1402 já vem com o Windows 8 pré-instalado de fábrica e alguns aplicativos essenciais, incluindo algumas demos como o Microsoft Office 365 (trial de 60 dias), o Norton Security Suite (licença de 1 ano grátis) e o Nero Essentials 12. Eu particularmente gosto desse tipo de instalação mais “limpa” já que o excesso desses softwares inclusos/indesejados podem servir apenas para provocar a ira do usuário (por sobrecarregarem a memória do sistema e torná-lo mais lento) e acabarem invariavelmente na lixeira do Windows.

STI_NA1402_metro_Aplics

O curioso é que identificamos dois recursos de software acionados pelas teclas de função: uma delas — [Fn] + [F2] — ativa o modo de Economia de Energia do notebook que quando ativado, diminui o brilho da tela de LCD e a velocidade de processamento do processador, aumentando assim o tempo de duração da bateria mas ele só funciona quando desconectado da tomada.

STI_NA1402_modern_salvar_energia

De fato com esse modo ativado, notamos que o clock da APU cai para 798,38 MHz mesmo com carga de trabalho…

STI_NA1402_CPUZ_lo

… quando o normal é ele ficar em 1,5 GHz (ou neste caso: 1.496,97 MHz):STI_NA1402_CPUZ_hi

Outra função menos relevante é o [Fn] + [F5] que informa na tela do Windows a relação das teclas de função (uia!):

STI_NA1402_modern_OSD

Sob testes:

Como já dissemos anteriormente, o NA 1402 que recebemos para testes veio equipado com o Windows 8 Single Language de 64 bits:

STI_NA1402_systema

E segundo o índice de experiência do Windows 8, ele bateu 4,3 pontos (curiosamente em gráficos da área de trabalho) o que não é um resultado excepcional, mas está dentro da média (>= 4 pontos) de outros sistemas com Windows 8 que já passaram pela Zumo-Caverna, apesar de que nem nós nem a Microsoft Brasil descobrimos como interpretar essa nova escala de 1,0 a 9,9 que, por sinal, desapareceu (ou mais exatamente fica agora bem escondido) no Windows 8.1.

STI_NA1402_Winexp

Já nos testes sintéticos como o PCMark Vantage, o sistema obteve 3.489 pontos no modo de 32 bits…

STI_NA1402_PCMarkVant

Clique para ampliar

… e 3.784 pontos no modo de 64 bits:

STI_NA1402_PCMarkVantx64

Clique para ampliar

Já no PCMark 7 o sistema com Kabini bateu 1.448 pontos no PCMark Score e 1.304 pontos no Lightweight Score:

STI_NA1402_pcmark7

Clique para ampliar

E aqui os resultados do Cinebench 11.5:

STI_NA1402_cinebenchx32

Para medir a capacidade de um sistema para processar e converter vídeos, utilizamos o DVDFlick 1.3.0.6, que cria uma imagem de disco de filme em DVD a partir de um arquivo de vídeo (no nosso caso, três vídeos combinados numa única imagem em ISO).

O A4-5000 levou 6h09m17s utilizando apenas um núcleo de processamento e 4h00m01s com todos os quatro núcleos, um bom resultado se levarmos em consideração que um netbook com Intel Atom N260 levava em torno de 10 a 12 horas para realizar essa mesma tarefa.

Já para converter um filme em DVD para um arquivo em AVI em Full HD, usei o Freemake Video Converter, um utilitário gratuito que tira o máximo proveito do hardware (incluindo distribuir a carga de trabalho por diversos threads e até aceleração por GPU). Com esse programa foi possível converter nosso mesmo filme de referência em 0h52m25s.

Um teste adicional que fizemos desta vez foi executar um trecho em Full HD da introdução do documentário From Pole-to-Pole que costumava engasgar em muitas máquinas com gráficos integrados. Para nossa surpresa, o vídeo em MP4 reproduzido no Media Player Classic Home Cinema reproduziu bem esse vídeo em DXVA a ~24 quadros por segundo, sem estressar o processador:

STI_NA1402_video_pole

Clique para ampliar

Já nos testes de desempenho gráfico o NA 1402 bateu 915 pontos no 3DMark 11 no modo Entry

STI_NA1402_3DMark11e

… e 574 pontos no modo Professional:

STI_NA1402_3DMark11p

Aqui os resultados do novo 3DMark:

STI_NA1402_3DMark_Pro

Clique para ampliar

A partir de agora iremos também adotar o WebXPRT, um teste online criado pelo mesmo grupo do HDXPRT desenvolvido em HTML 5 e que, por causa disso, tem a vantagem de ser multiplataforma o que nos permitirá comparar os resultados de smartphones, tablets e até desktops:

STI_NA1402_webprt

Com relação ao seu consumo, utilizamos o BatteryMark 1.1 da Imtec que levou ~2h19s para consumir a bateria do NA 1402 de 100% até 5%  no modo normal…

STI_NA1402_BatteryMark_normal

… e ~3h17min no modo normal sem carga de trabalho (modo idle). Esses resultados podem parecer modestos mas precisamos lembrar que o portátil da STi vem equipado com uma bateria de apenas 4 células, o que pode ter influenciado nesse resultado final.

STI_NA1402_BatteryMark_normal_no_CPU

O curioso é que obtemos resultados parecidos no PowerMark no modo Balanced…

STI_NA1402_powermark_balanced… no modo Productivity…

STI_NA1402_powermark_productivity

e no modo Entertainment:

STI_NA1402_powermark_enterteinment

 Nossas conclusões:

Para um modelo de entrada nossas impressões com o NA 1402 foram positivas, já que ele apresentou uma notável melhora no desempenho se comparado com seus antecessores baseados nos sistemas Ontario e Zacate, ou seja, de você hoje é usuário de um sistema com AMD E350/C-50/C-60, a migração para o novo Kabini proporciona um aumento real de produtividade.

Mas antes que os fãs da marca comecem a se empolgar muito, é preciso deixar claro que o NA 1402 é um equipamento de entrada e não tem condições de bater de frente com outros sistemas mais mainstream do mercado, em especial aqueles equipados com processadores Intel Core de penúltima e última geração.

De fato, acreditamos que o Kabini vai bater mesmo de frente é com os futuros sistemas baseados no processador Bay Trail da Intel que também é um SoC baseado no núcleo de processamento Silvermont de 22 nm + aceleradora gráfica “inspirada” no modelo usado no Ivy Bridge. De fato, o pessoal de Santa Clara está tão ouriçado com esse produto ao ponto de também disponibilizar versões específicas para notebooks, desktops e all-in-one de entrada com a marca Celeron e Pentium.

Com relação ao produto em si, o NA 1402 pode não ser o portátil mais charmoso da loja, mas dentro das suas limitações a STi até que fez um bom trabalho no sentido de desenvolver algo que não parece um brinquedo de plástico e que oferece praticamente tudo que um usuário de PC precisa — com exceção da tela de touchscreen — um recurso cuja ausência era até recentemente tolerada pelo consumidor, mas que nos próximos meses tende a deixar de ser um item de luxo para se tornar uma exigência do mercado, a exemplo do que já acontece hoje com a direção hidráulica, vidro elétrico, ar condicionado e até cambio automático/freio ABS nos carros mais novos.

Sob esse ponto de vista, nossa opinião é que a STi deveria ficar atenta para essas mudanças e oferecer a tela touchscreen mesmo na forma de um opcional/modelo mais premium, sob o risco de perder clientes para a concorrência, em especial os novos tablets com Windows 8.

Mas se o usuário não esquenta com isso ou pretende fazer um downgrade para o Windows 7, o NA 1402 deve ser uma opção a ser considerada.

Resumo: Notebook STi Infinity NA 1402 

O que é isso? Notebook de entrada para uso geral equipada com APU A4-5000 “Kabini”.
O que é legal? Quatro núcleos de processamento, plataforma moderna, boa apresentação para um produto da sua categoria.
O que é imoral? Seu desempenho é modesto se comparado com um processadores mais mainstream como um Core i5. Não possui tela touchscreen.
O que mais? A STi também irá disponibilizar esse portátil com APU A6-5200 de 2,0 GHz e E1-2100 uma versão dual core de 1,0 GHz.
Avaliação: 7,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.499
Onde encontrar: www.semptoshiba.com.br

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.