ZTOP+ZUMO

Steve Jobs (1955 – 2011)

Obrigado, Jobs.

Pela estética, reinvenção da forma e do produto, pela renovação, pela vida inspiradora, pela mudança como ouvimos músicas e consumimos mídia, pela liderança incrível, pelas histórias malucas de supercontrole/superproteção/pessoas com medo de andar de elevador, pelos grandes passos que o mundo deu por tua causa, pela Pixar, pela dor de cabeça que você deu aos concorrentes e forçou a inovação acontecer, sempre e sempre.

Fico muito feliz de ter te visto de perto, mesmo debilitado, uma vez na vida. Nos vemos na “iCloud” 🙂

Valeu mesmo.

Nagano comenta: Nas minhas conversas com meus colegas eu sempre disse que as pessoas — e porque não dizer o mundo — ainda não reconheceram a real importância de Steve Jobs por que ele está vivo. E a partir de agora ele sai da vida para se tornar um mito ao lado de seus heróis como Einstein, Shakespeare ou Gandhi. 

Para mim, a única coisa estranha nessa história é que esse triste anúncio ocorreu um dia após o lançamento do iPhone 4s, mas acho que não é hora de tocar nesse assunto.

No mais para homenagear esse grande figura, segue abaixo o melhor insight que já vi de Steve Jobs feito por ele mesmo:

Stay hungry… Stay foolish…

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

  • rubens 05/10/2011, 22:34

    É, pouca gente lembrou da Pixar…
    Mais difícil foi encontrar um texto não exagerado.

    /achou

    • mnagano 06/10/2011, 06:30

      Mais ou menos…

      De fato Jobs viu o potencial desse negócio de animação por computador, mas quem fez a Pixar realmente acontecer foi John Lasseter, ex animador da Disney que veio junto com a empresa e que sempre bateu na tecla de que a parte mais importante de um filme é a sua história e não o seu visual.

      • rubens 06/10/2011, 08:19

        Mas dinheiro que é bom, na época ninguém arranjou. 🙂
        Se (e é um SE grande e fedido) o Jobs não tivesse dado aquele empurrãozinho de pai, o que teria acontecido.

        • mnagano 06/10/2011, 08:46

          Eu diria que sem a feliz coincidência dele ter topado com um gênio talentoso como Lasseter na Pixar, Woz na época da fundação da Apple e até Jef Haskin na concepção do Mac, por mais dinheiro que ele tivesse enterrado na empresa poderia acabar com outra NeXT Computer nas mãos ou pior, produzido algo como Fly me to the moon.

          E isso sem falar que na sua determinação em fazer as coisas à sua maneira jobs também produziu alguns esqueletos no armário como o Apple III, o Lisa e o Power Mac G4 Cube.

          Nessas histórias de sucesso, não podemos ignorar duas coisas muito importantes: ter o produto certo na hora certa e um pouco de sorte.

  • Saulo Benigno 05/10/2011, 23:39

    RIP! mesmo… fará falta.

  • Sergio 06/10/2011, 01:06

    Einstein, Shakespeare ou Gandhi?
    Trabalhar em baias, na frente de PCs está destruindo nossa crítica… ele era genial na área comercial dele, mas não tornou o mundo algo melhor.
    Um pena que tenha morrido, ainda mais assim.

    • mnagano 06/10/2011, 06:21

      A referência de ele queria se comparar a essas personalidades eu ouvi na cor e ao vivo da boca de Steve Wozniak durante um keynote no IDF em 2008, ou mais exatamente:

      "Ele comentou na entrevista que Jobs sempre pensou grande e sonhava ter uma companhia que criasse produtos capazes de mudar o mundo, e assim ter a fama e o reconhecimento de celebridades como Einstein e Shakespeare.

      Desde da época em que eram garotos, qualquer coisa realmente interessante que Wozniak inventasse, a primeira reação de Jobs era dizer “vamos vender isso!” De fato, o Apple não foi o primeiro e sim o quarto produto que eles botaram no mercado. A grande sacada dessa parceria era que Woz poderia continuar com sua engenharia enquanto Jobs se encarregava de mudar o mundo.

      Assim, Wozniak passou praticamente desapercebido pelas peripécias de Jobs com a administração da Apple, incluindo a sua saída e segunda volta. No início, Woz ficou receoso do seu retorno mas hoje está muito feliz com essa decisão, já que Jobs voltou para fazer o que ele sabe fazer de melhor: motivar as pessoas a criarem ótimos produtos que revolucionam o mercado."

      http://ztop.com.br/2008/08/23/woz-no-idf-2008/

      Mas de um certo modo eu concordo contigo: pelo que já estou ouvindo no noticiário local, até o final do dia vamos descobrir se ele vai virar um novo santo milagreiro, Elvis, Disney, Cazuza ou mesmo… Jobs!

  • dflopes 06/10/2011, 15:26

    Nagano,

    tem uma versão legendada aqui:
    http://www.youtube.com/watch?v=66f2yP7ehDs

    Como todo mundo falou, o grande legado dele e transformar tecnologia em coisa palatável para as massas.

    Mas, para mim, foi colocar o design acima da função!
    E o iOs é a maior prova disso (iTouch, iPad e iPhone)…

    Pois quem gosta de root de android, cooked rom de windows mobile, dual boot win+linux, desktop aberto testando/montando placas e geek/nerd que não troca de aparelho todas as horas – ele prefere hackear pra extrair mais um pouco do equipamento.

    Por isso que ele fez algo bonitinho e charmoso – objeto de desejo e consumo – para que as pessoas comprassem assim que saisse um novo modelo – o desempenho era algo secundário.

    E todos seguiram essa premissa desde então.
    Parabéns Jobs! Vc mudou o modo do mundo pensar.

    • rubens 06/10/2011, 17:43

      Discordo um pouco, não acho que perdeu desempenho. Perdeu sim a liberdade.

      O trailer do Infinity Blade 2 é coisa linda de ver.

      Coisa que só a cerquinha do tio Jobs poderia permitir cedo assim.

    • Rodrigo 06/10/2011, 18:41

      Essa versão que o Nagano postou também ta legendada, apenas a legenda ta oculta, tem que ativar o CC (Close Caption) e traduzir a legenda para o português que fica tudo certo.

  • observador 06/10/2011, 17:18

    Jobs foi realmente um gênio… do marketing. Convenceu pessoas a pagar mais por produtos com funcionalidade igual ou inferior aos dos concorrentes. Descanse em paz.