ZTOP+ZUMO

Números enormes: 80 mil smartphones/mês da Positivo

O smartphone Positivo S480 é, de certa maneira, o primeiro de muitos na companhia: já com Android de última geração, também será vendido em parceria com operadoras.

Nada demais no S480, porém: tela IPS de 4,5″ (854 x 480), processador quad-core 1,3 GHz, 8 GB de armazenamento interno (com slot microSD até 32 GB), 1 GB de RAM, 3G, Wi-Fi, Bluetooth 4.0, GPS e dois SIM cards de operadoras. Câmera traseira de 8 megapixels (sensor Sony, algo difícil de ouvir a Positivo falar) e frontal de 2 megapixels, flash LED integrado.

Preço sugerido? R$ 599 (com 2 capas coloridas), com R$ 549 para operadoras Oi e TIM (capa só em preto). Nada de 4G ainda, por sinal – dizem que já têm protótipos para o ano que vem, em projetos com MediaTek e Qualcomm. Por que não ainda? “Não tem cobertura 4G suficiente”,  Norberto Maraschin Filho, responsável pela área de mobilidade na Positivo.”Vai esquentar a partir do próximo ano”.

Vale lembrar que o S480 é o aparelho topo de linha da Positivo (foco no cliente que quer dois chips e pagar pouco, numa disputa doida da faixa de mercado que o Moto G nada de braçada). E que a Positivo tem como principal consumidor o comprador de primeiro smartphone.

A linha Android da Positivo se completa com outros três modelos básicos – todos com Android 4.4 “KitKat”: S440 (4″, dual-core, 4 GB internos, câmera “selfie”, 512 MB RAM, preço sugerido: R$ 429), S450 (4″, 4 GB internos, 512 MB de RAM, preço sugerido R$ 399, versão com microSD de 8 GB: R$ 449), S380 (3,5″, 4GB internos, 512 MB RAM, preço sugerido: R$ 299). A Positivo diz que negocia com outras operadoras – destaque para a Vivo – o lançamento dos seus aparelhos em 2015.

Outra informação interessante – e curiosa – é que a Positivo completou 25 anos de existência em 2014. No agressivo mercado de PCs nacional – e agora no de smartphones/tablets – é um feito e tanto, com bom relacionamento com varejo e governo nesse tempo todo (e ver os concorrentes falirem ou serem engolidos pelas multinacionais asiáticas).

“Ninguém entende melhor o Brasil que a Positivo”, disse Maraschin Filho. “Conhecemos a classe média brasileira, a complexidade de fabricar aqui, de ser eficiente para chegar com o produto no ponto de venda”, afirmou (E, bem, tem um ponto de razão nisso, apesar do ufanismo da frase).

Em tempo: a Positivo já tem capacidade inicial de fabricar 80 mil smartphones por mês em Curitiba (o que dá, numa análise rápida, 240 mil aparelhos por trimestre ou… menos de 1/3 das vendas do Moto G). A capacidade de produção, porém, pode ser ampliada dependendo da demanda.

Mais fotos do Positivo S480:

Smartphone Positivo S480_três capas (1) Smartphone Positivo S480 (1) Smartphone Positivo S480 (4) Smartphone Positivo S480 (2) Smartphone Positivo S480 (3) Smartphone Positivo S480 (5)

 

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

  • ditom 03/10/2014, 18:46

    Que bom finalmente ver uma empresa nacional desenvolvendo um produto de melhor qualidade. É triste ficar só na dependência de americanos, coreanos, japoneses e chineses…

    • Igor 06/10/2014, 13:17

      esse celular provavelmente só é montado aqui… até o projeto deve ser OEM de alguma empresa chinesa

      • ditom 06/10/2014, 21:46

        Se tu preferes projetos e produção genuinamente importados, acho que não deves mesmo cogitar Positivo….

  • Haadok 05/10/2014, 16:01

    Se estes smartphones tiverem a mesma qualidadede de seus PCs, quero ficar longe. Hoje a melhor opção para aparelhos de baixo custo e de alta qualidade é o Motorola Moto-g 2014 que custa uns R$660,00. Nem a Samsung ou a LG tem algo parecido.