Sandy Bridge: Asus mostra estratégia contra bug

S

Passada a onda de choque que foi o anúncio do bug do chipset série 6 (codinome Cougar Point) que acompanha os sistemas equipados com o novo processador Sandy Bridge da Intel, fabricantes como a Asus começaram a botar em prática suas estratégias de como irão diferenciar seus novos produtos já revisados e livres do problema.

Guido Alves, gerente de marketing da Asus Brasil, informa que a fabricante chegou a trazer alguns lotes de placas-mãe para o Brasil com o chipset antigo, sendo que boa parte delas foram recolhidas mas muitas delas chegaram a ser comercializadas pelos seus canais autorizados.

Para resolver esse problema, ele explicou que a Asus abriu uma página de suporte onde o usuário pode checar pelo número de série se sua placa está entre aquelas afetadas pelo problema. Caso afirmativo, o usuário pode consultar uma lista de telefones disponíveis na mesma página e entrar em contado com a sua representante da ASUS mais próxima para receber orientações, inclusive no Brasil.

Com relação às novas placas já equipadas com o chipset corrigido — o chamado stepping B3 — a empresa criou uma série de iniciativas para deixar bem claro que o produto está livre de defeitos.

A primeira delas foi a de mudar a impressão das caixas dos produtos, introduzindo no canto superior direito uma faixa em vermelho informando que ele já vem com o novo chipset P67 revisão B3.

Além isso, uma etiqueta com a mesma mensagem virá colada sobre os slots dos pentes de memória da placa-mãe, o que ajuda a divulgar a mensagem na hora de expor o produto fora da caixa na vitrine. Assim como o usuário vai ter que retirar a etiqueta para instalar a placa, ele não vai poder dizer que não viu o aviso.

OK, bacana…  Mas como todo mundo sabe, vivemos num mundo imperfeito onde individuos de caráter imperfeito podem se sentir tentados a trocar caixas ou reutilizar etiquetas para passar pra frente produtos imperfeitos. Para combater esse problema, a Asus também fez modificações na sua BIOS que informam que o chipset instalado na placa é do novo stepping B3.

E como um último ardil para garantir a integridade de seus novos sistemas, a empresa também oferece em seu site um pequeno utilitário baitzado de ASUS SATA Verifier que faz um diagnóstico na placa e informa se as portas estão afetadas ou não pelo problema:

 

Para mais informações sobre essa iniciativa, visite o site da empresa (em português).

 

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

<span class="dsq-postid" data-dsqidentifier="35543 http://zumo.com.br/?p=35543">comentários</span>

    • Hum, eu não diria tanto. Sempre fui fã da ASUS, mas depois de pifar minhas A8V-deluxe, AN8-SLI, K8V-X, P4S800, A7S333, A7N8X, A7V8X – nenhuma delas durou mais de 1 ano, eu nunca mais comprei MB da ASUS. Só as muito antigas são boas – ainda tenho uma P3B-F funcionando. Não sei as modernas, mas as do tempo do Athlon 462/754/939…

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos