ZTOP+ZUMO 10 anos!

Preview: Samsung Galaxy Note 9

A Samsung anunciou hoje em Nova York seu novo smartphone Galaxy Note 9. O aparelho, conhecido pela S Pen integrada, é nada mais que uma versão turbinada (e com a stylus, claro) do Galaxy S9+, anunciado em fevereiro – com novos truques na manga, ops, na caneta.

Em resumo:

  • a tela é maior (6,4″);
  • a bateria tem maior capacidade, agora com 4.000 mAH;
  • a caneta S Pen vem com Bluetooth integrado e funciona como controle remoto para várias funções do aparelho;
  • a câmera é igual à do S9+ com toque de inteligência artificial software.
  • preço e lançamento no Brasil não estão definidos ainda; cadastro para pré-venda começa hoje.

Galaxy Note 9: hardware

O hardware do Note 9 é quase o mesmo do Galaxy S9+, com processador Qualcomm Snapdragon 845 (tem uma com Samsung Exynos 9810, mas essa não virá para o Brasil) e duas versões de armazenamento/memória:

  • 128 GB internos com 6 GB de RAM
  • 512 GB internos com 8 GB de RAM

O Note 9 aceita ainda cartões de memória de até 512 GB – levando seu armazenamento na versão mais parruda a até 1 terabyte de storage (!).

O aparelho mede 161,9 x 76,4 x 8,8 mm e pesa 201 gramas, tem leitor de impressões digitais, sensor de íris, sensor de batimentos cardíacos, alto-falantes estéreo (AKG com Dolby Atmos), um novo sistema de resfriamento interno (com um radiador microscópico com água) para evitar aquecimento em alta performance como jogos (ouviu Apple?) e, diz a Samsung, conta com recursos de inteligência artificial para a câmera (mais sobre isso adiante) e para ajustar o desempenho.

A bateria do Galaxy Note 9 cresceu também. O espírito ruim das baterias explosivas do Galaxy Note 7 foi exorcizado e agora a Samsung aumentou a capacidade de 3.300 mAH no Note 8 para 4.000 mAH no Note 9. Para um aparelho de tela grande, faz diferença, e o aumento é positivo. A versão do Android adotada é a 8.1.0 com interface Samsung Experience 9.5:
E o software básico instalado é o padrão Samsung dos últimos dois anos: apps da casa, do Google, da Microsoft e mais nada de terceiros pré-instalados. A grande diferença aqui são os apps compatíveis com a S Pen, como a rede social/caderno PenUp. 

Galaxy Note 9: design

O desenho industrial do Galaxy Note 9 é muito parecido com o do Note 8, com pequenos ajustes/modificações. O smartphone virá em quatro cores: azul, lavanda, preto e cobre. O Note 9 azul é o único a ter uma S Pen diferente, na cor amarela – nos demais, o tapete combina com a cortina.

Um detalhe simples e interessante é que, no modo de escrita com a tela desligada, a cor da “caneta” na tela é (quase) a mesma da caneta – amarelo para o Note 9 azul, roxo para o lavanda, branco para o modelo preto e marrom para o cobre.

A Samsung diz que a grande diferença no design do Note 9 é o uso combinado de materiais foscos (alumínio série 7000) com vidro (Gorilla Glass 5) em um chassi “cortado como diamante”, deixando uma borda muito elegante e com boa pegada na mão. A tela tem as bordas curvadas nos dois lados, seguindo o desenho de “Display Infinito” comum aos smartphones premium. Só acho que perderam a chance de deixar o modelo azul ainda mais diferente deixando a “tampa” da S Pen em azul (e não em amarelo!)A disposição de botões e gavetas é a mesma do Note 8 / S9+: slot para SIM card de operadora/cartão microSD em cima, entrada para fone de ouvido/porta USB-C e gaveta da S Pen embaixo, botões de volume e controle da Bixby (alguém aí usa Bixby?) na esquerda e liga/desliga no lado direito. Atrás, a câmera dupla, o sensor de batimentos cardíacos (mais útil que a Bixby, pelo menos) e um novo lugar para o leitor de impressões digitais, embaixo da câmera. 

Galaxy Note 9: câmera

A câmera tem 12 megapixels de resolução e estabilização óptica de imagem com uma abertura de lente variável, com abertura f/1.5-2.4 (na principal) e f/2.4 na auxiliar. Repetindo o que disse do S9+: o esforço de engenharia pra colocar uma peça móvel dentro da câmera é impressionante. Como é o  mesmo hardware do S9+ (excelente, por sinal), a Samsung inseriu alguns novos truques na câmera.

O principal é que a “inteligência artificial da câmera” agora reconhece automaticamente a cena a ser fotografada (comida, paisagem, macro, flor etc.) em 20 modos distintos.

Até aí tudo bem, mas minha crítica aqui é vender um recurso de software mais que comum há anos nas câmeras digitais como “inteligência artificial” – isso é discurso de marketing para não dizerem o palavrão “software” ou “algoritmo”. Mas OK, funciona, então bola pra frente (a Asus também bate nesse jargão da IA quando quer dizer software, como vimos no anúncio do Zenfone 5, também em fevereiro).

Um exemplo simples de como a própria Samsung já vendeu isso como “modo de cena” é voltar um pouco ao passado para a Galaxy Camera 2, aquela câmera-com-Android: ela tinha 28 modos de cena inteligentes. Além da “AI”, a câmera do Note 9 traz melhorias no desempenho em pouca luz (vi uma demo impressionante) e nas imagens com HDR.

Galaxy Note 9: a S Pen

Em 2018, a S Pen deixa de ser uma simples stylus com 4.096 pontos de pressão para se tornar um… controle remoto. A engenharia da Samsung colocou uma antena Bluetooth, um capacitor de carga e uma bateria minúscula dentro da canetinha.  A S Pen continua a funcionar como sempre: tomando notas na tela desligada ou no Samsung Notes (o bloco de notas deles), cortando imagens para anotar em cima, escrever em GIFs animados, traduzir itens na tela, desenhar e pintar coisas na PenUP. Mas a adição do controle remoto é bem interessante – dá para controlar apresentações na tela externa usando DeX, usar como disparador para selfies, ativar a câmera traseira, abrir apps – a lista de funções é grande. Infelizmente, a S Pen com Bluetooth não é compatível com modelos antigos de Galaxy Note (meio óbvio, mas bom citar).

A Samsung diz que 40 segundos da S Pen guardada no compartimento interno são suficientes para uma carga para 30 minutos de uso ou 200+ cliques do botão da caneta – como a S Pen fica guardada na maior parte do tempo, está sempre recarregada e raramente deve ficar sem energia.  Outra boa novidade da Samsung é que o modo DeX, que transforma o smartphone em um desktop ao ser conectado a um monitor externo, não precisa mais de acessórios/bases: basta conectar um adaptador USB-C/HDMI e pronto, o modo DeX passa a funcionar. Os adaptadores antigos continuam valendo, mas agora qualquer adaptador HDMI serve – e a tela do Galaxy Note 9 vira um touchpad.
Comparando o S9+ (e sua tela com luz azul sempre ativada) em tamanho com o Note 9:

Galaxy Note 9: preço e disponibilidade

  • Preço para o Brasil: não divulgado ainda
  • Cores/configurações para o Brasil: não divulgado ainda – mas o modelo BR virá com processador Qualcomm Snapdragon 845
  • Pré-registro/pré-venda: começa hoje no site da Samsung Brasil e vai até 29 de agosto – mas pode ser ampliado.

Bônus track: o Note 9 na cor cobre, pra mim a mais interessante dessa geração junto com o azul.

Disclaimer: ZTOP viajou a convite da Samsung. Fotos e opiniões são nossas sempre.

 

Epílogo: como a salsicha é feita… (bastidores de uma cobertura)

Não vou dar detalhes aqui de quando-como-onde vi o Note 9 (embargos, acordos de não divulgação com ações judiciais contra quem assina e divulga antes da hora etc.) Mas achei legal o visual que meu S9+ ficou durante a demonstração do Note 9 🙂