Review: Desktop Samsung Essencials All in One E5 TV

R

Apesar do nome, o primeiro desktop tudo-em-um da Samsung oferece bem mais recursos que outros modelos “essenciais” da concorrência.

Intro e outros:

Num mercado meio que parado pela mesmice dos produtos, a Samsung comprova que ainda é possível oferecer algo a mais para os usuários de PC com o lançamento da sua nova linha de desktops do tipo “tudo-em-um”, que recebeu o nome de Samsung Essentials All in One:

À primeira vista, ele poderia até ser confundido com um monitor de PC por causa das suas dimensões relativamente compactas (52,4 x 38,3 x 15,1 cm — LxAxP contando a base) e 5,6 kg de peso (contando a fonte externa), o que não o coloca em competição direta com um portátil, mas pode ser uma opção bem interessante para aquelas pessoas que gostariam de ter um PC em casa, mas não dispõem de muito espaço físico disponível.

De fato, para mim um dos grandes atrativos desse produto é que, além de ser um PC de uso geral, ele vem equipado com uma porta de entrada padrão HDMI o que permite que o All in One da Samsung possa ser usado como um monitor de vídeo Full HD (yaaay!), podendo assim ser ligado a um videogame, player de vídeo ou até mesmo num notebook funcionando assim como um segundo monitor maior e mais confortável. Além disso, ele também tem uma porta de saída de vídeo HDMI o que permite ligar esse PC a um segundo monitor, projetor LCD e até numa TV de tela grande.

E para fechar com chave de ouro esta lista, alguns modelos mais avançados já vem equipados com um receptor de TV digital, o que é  um atrativo a mais para aqueles que não têm espaço na sua casa, quarto ou área de trabalho para ter um computador e uma TV no mesmo local.

Juntando todos esses recursos e imaginando todas as possibilidades de uso desse PC em diversas aplicações até me estranha a Samsung chamar essa linha de “Essentials”

Também vale a pena destacar que a Samsung oferece esse produto em quatro configurações/preços diferentes, o que permite que o consumidor opte pelo modelo que melhor atenda às suas necessidades:

Samsung All in One E1
DP500A2L-KW1BR
Samsung All in One E2
DP500A2L-KW2BR
SamsungAll in One E3 TV
VDP500A2L-KW3BR
Samsung All in One E5 TV
DP500A2L-KW4BR
Preço sugerido R$ 2.299 R$ 2.499 R$ 2.999 R$ 3.799
Processador Intel Celeron
3855U
(dual core sem HT
1,6 GHz
2 MB cache)
Intel Pentium
4405U
(dual core com HT
2,1 GHz
2 MB cache)
Intel Core i3
6100U
(dual core com HT
2,3 GHz
3 MB cache)
Intel Core i5
6200U
(dual core com HT
até 2,8 GHz
3 MB cache)
RAM 4 GB 4 GB 4 GB 8 GB
Disco 500 GB 500 GB 500 GB 1 TB
Tela 21.5″
Full HD
21,5″
Full HD
21,5″
Full HD
21,5″
Full HD
Sistema operacional Windows 10 Home Windows 10 Home Windows 10 Home Windows 10 Home
TV digital/analógica? não / não não / não sim / sim sim / sim

Por exemplo, os modelos E1 e E2 são mais indicados para tarefas simples como coletar dados, navegar na web e/ou rodar aplicações específicas como terminal de consultas ou sistemas de atendimento ao público em edifícios, lojas, empresas, escolas, órgãos de governo etc. De fato, sem o mouse e teclado ele poderia até funcionar como um mini-painel de informações para divulgar promoções e anúncios. Já os modelos E3 e E5 são modelos de uso mais geral capaz de realizar tarefas mais complexas ou criativas.

Vale a pena ressaltar que fora o uso de diferentes opções de processador, memória e receptor de TV, todas as outras características técnicas são as mesmas para esses quatro modelos, ou seja, a Samsung optou por não retirar recursos das versões mais simples (como interfaces, webcam, tela, etc.) para reduzir o seu custo de produção, o que é uma atitude bastante louvável, diga-se de passagem.

Mas voltando ao que interessa…

Para este review, recebemos para análise o Essentials All in One E5 TV (DP500A2L-KW4BR) que, como nos outros modelos dessa linha E …

… ele vem equipado com processador Intel de sexta geração (codinome Skylake) sendo que no caso do E5 o chip escolhido foi o  Intel Core i5 6200U

… um chip dual core com HT do tipo ULV (Ultra Low Voltage)…

…o que indica que o DNA do seu de hardware está mais para um notebook leve e fino do que um desktop de linha propriamente dito. Isso não é algo ruim, diga-se de passagem, já que permitiu o desenvolvimento de um equipamento menor e mais fino (a tela tem apenas 2,5 cm de espessura) e que consome bem menos energia do que um desktop tradicional, o que faz bem mais sentido para uma empresa como a Samsung que tem uma grande tradição em portáteis, mas nem tanto em modelos de mesa.

Já a sua aceleradora gráfica é um Intel HD Graphics 520 que a Intel afirma ser até 35% mais veloz que seu antecessor usado no Broadwell, equipaao com 24 unidades de processamento com clock que pode variar de 300~1.000 MHz. Observamos que o 520 é uma GPU mais voltada para desempenho em vídeo do que para jogos, de modo que não espere brincar com títulos mais recentes com os ajustes máximos da tela.

Fora isso, o E5 TV se diferencia dos outros modelos por vir equipado com o dobro da quantidade de RAM (8 GB DDR3L 1.600 MHz) e de disco rígido (1 TB de 5.400 rpm). Outras especificações podem ser vistas abaixo:

Apresentação e design:

Para mim, um dos grandes atrativos dos All in One é que eles incorporam diversos recursos comuns nos portáteis mas que raramente aparecem nos desktops (a não ser na forma de placas de expansão e acessórios). Por exemplo, todos os modelos da série E vem equipado com interface de rede Wi-Fi 802.11 AC (1 x 1), bluetooth v4.1, entrada e saída de vídeo padrão HDMI, leitor de cartão SD, alto-falantes estéreo de 8 watts (4w x 2) com tweeter SoundAlive e webcam HD 720P com microfone integrado no lado esquerdo da câmera. À direita podemos ver o sensor infravermelho usado para receber os comandos vindos do controle remoto que só acompanha os modelos E3 e E5 com TV.

Se fizermos uma comparação contrária — ou seja — quais seriam as vantagens de ter um All in One ao invés de um portátil, um dos grandes atrativos estaria na sua tela LCD/LED de 21,5″ com resolução nativa Full HD (1.920 x 1.080 pontos) o que representa um ganho de espaço bem considerável que as telas de 14~15″ com resolução de 1.366 x 768 pixels dos notebooks de linha. Vale a pena observar que essa tela não é sensível ao toque, de modo que a entrada de comandos só pode ser feito via mouse e teclado (duh!)

A grande vantagem de uma tela Full HD — além de assistir vídeos — é que os usuários têm espaço de sobra na tela para aplicações gráficas e até mesmo administrativo/financeiras, onde analistas e contadores adoram espremer o máximo de informações no menor espaço possível. Só para se ter uma ideia, é possível por exemplo visualizar uma planilha de até 53 linhas x 29 colunas (A1~AC52) no Excel usando células de largura padrão.

Esteticamente falando, o E5 TV é dono de um visual limpo (bem ressaltado por causa do seu acabamento branco brilhante), formado por linhas retas e cantos suaves…

… mas que forçou a empresa a tomar algumas decisões não muito práticas, como por exemplo concentrar quase que todas as portas de entrada e saída na parte de trás do computador, o que pode dificultar a “instalação temporária” de acessórios como memory keys ou fones de ouvido.  Também notamos que sua base é fixa e a tela não conta com furos para fixar suportes padrão VESA, o que permitiria montar o E5 TV numa base mais elaborada, num braço articulado ou até mesmo na parede, o que tornaria esse produto ainda mais versátil.

Seus únicos controles frontais são os botões de controle de volume e o de “Source” que chaveia a tela entre o modo PC e o modo monitor de vídeo:

Uma curiosidade desse design é o seu slot para cartão SD/SDHC/SDXC que fica meio oculto atrás de uma pequena portinha localizada na parte de trás, perto da borda do lado esquerdo da tela.

Já do lado oposto, fica o botão de liga/desliga do All in One cujo acesso até que é bem fácil depois que nos habituamos com sua localização…

… já para aqueles que ainda não se acostumaram, a empresa deixou uma cola na base do All in One:

Apesar da altura da tela não poder ser alterada (a não ser com o uso de um suporte ou uma pilha de livros), ela pode reclinar até 20° para trás, o que melhora (e muito) a sua ergonomia caso o PC esteja no mesmo nível do teclado.

Entre os acessórios inclusos, um item que particularmente não me empolgou foi o seu teclado padrão ABNT2 cuja apresentação/estilo nos pareceu um pouco simples e despojado demais, mas que cumpre o seu dever cívico e moral de digitar textos e comandos no computador sem dificuldades. Mas cá entre nós, como ele se conecta com o sistema com o PC via porta USB, nada impede que o usuário mais exigente substitua o mesmo por um modelo mais moderno e sofisticado (ou não) com ou até sem fio.

Já o seu mouse também não tem nada de especial e funciona de acordo com o esperado, apesar de que os designers da Samsung tiraram proveito do iluminador do seu sensor óptico para criar um efeito visual bem interessante que é mais visível em ambientes mal iluminados ou mesmo na escuridão total. Alguns dizem que além da estética, esse efeito também ajuda o usuário a localizar o mouse no escuro.

Ao contrário dos desktops, o E5 TV é alimentado por meio de uma fonte externa como nos notebooks, sendo neste caso um modelo Samsung AD-6019D com entrada bivolt (100~240 volts x 1,5A 50/60 Hz) e saída de 19 volts x 3,16 A. Ele possui um LED piloto na cor azul na face oposta que indica que está energizado mas alguns podem não gostar disso, já que ele é o clássico exemplo do chamado “LED Vampiro“.

Outro acessório que só vem nos modelos com TV integrada é o controle remoto (modelo BA59-03528A) que, ao contrário do que possa parecer à primeira vista, não serve apenas para mexer no volume e/ou trocar canais e sim para executar outras funções do computador/Windows 10, como por exemplo invocar o navegador Microsoft Edge, alternar aplicações (Alt+Tab), fechar aplicações (Close), fazer buscas, controlar o player de mídia, chamar o botão iniciar etc.

O problema que tivemos durante a avaliação é que como o guia de início rápido que já acompanha o produto simplesmente ignora a existência desse acessório, descobrir todas as suas funcionalidades é meio que um exercício de adivinhação, tentativa e erro.

Instalação e uso:

Outra vantagem dos All in One se comparado com os desktops, é que seu processo de instalação é bastante simples: Retire o equipamento da caixa, ligue o teclado/mouse, a fonte de alimentação e outros cabos (como o HDMI do videogame/set-top box ou da antena UHF) pressionar o botão de liga e o sistema está pronto para uso.

Um detalhe que nos chamou a atenção durante este processo é que não existe uma diferenciação clara entre as portas USB 2.0 e 3.0 cujo conector interno costuma ser da cor azul.

Levamos essa dúvida para nosso colega e chapa deste ZTOP Luciano Beraldo, gerente de produtos de PC da Samsung, e ele nos explicou que sua empresa não costuma adotar este esquema de diferenciação de cores mas reconheceu que essas portas precisam mesmo de uma melhor identificação, de modo que ele irá corrigir esse problema com o pessoal da fábrica.

De qualquer modo, ele confirmou uma informação do guia de instalação rápida de que as duas portas mais à direita (item 6) são USB 3.0 sendo que uma delas (com o sinal de “+” e o ícone do relâmpado) é do tipo PowerShare o que indica que essa porta pode ser configurada para continuar a fornecer uma corrente de 5 volts x 2A mesmo com o computador no modo de suspensão (sleep mode).

Observe porém que essa opção sai de fábrica desativada de modo que o usuário pode ligá-la via software por meio do utilitário Samsung Settings

… que também permite configurar outros componentes do sistema como o Brilho, Temperatura e a Cor da Tela (modos Automático, Dinâmico, Edição de Foto e Leitura) …

… Efeitos de Som (Automático, Padrão, Música, Filmes, Jogos)…

… configuração da rede com um curioso modo de avaliação dos pontos de acesso sem fio por nota (Best AP) e no caso de conexão via cabo opção de IP dinâmico (via DHCP) ou fixo…

… seu nível de privacidade…

… e até programar algumas funções do controle remoto da TV:

De fato, a Samsung se esforçou bastante para implementar aplicações bastante úteis e coesas, como o Samsung Update que atualiza os drivers e utilitários do sistema…

… o Samsung Recovery, um utilitário de backup do sistema…

… e o Samsung SideSync, um utilitário que permite conectar um PC ou Mac a um dispositivo móvel com Android. A empresa alerta que alguns modelos podem não ser compatíveis com esse sistema.

Porém a aplicação mais interessante desse produto é seu receptor de TV que, como nos antigos receptores de TV com porta USB essa solução da Samsung é formada por um circuito receptor na forma de uma plaquinha sintonizadora instalada na placa-mãe e controlada pelo aplicativo Samsung TV ON:

Uma curiosidade dessa solução é que ela foi desenvolvida aqui no Brasil pela própria Samsung especialmente para esse All in One.

No geral, essa aplicação faz o básico mas de maneira bastante competente, diga-se de passagem, ou seja…

… ele sintoniza canais analógicos e digitais e apresenta na tela por meio de uma interface simples e direta.

Entre os recursos disponíveis estão o suporte para legendas (closed caption), canais de som alternativos, controle de acesso de conteúdo por idade/senha e um curioso guia de programação com linha do tempo:

Vale a pena ressaltar que o controle remoto é capaz de ligar o All in One, ativar a aplicação de TV, trocar de canal, controlar o volume e até desligar o PC fazendo o caminho inverso. Mas apesar dele possuir botões específicos para gravar e reproduzir vídeos, o TV ON não oferece recursos de gravação dos canais de TV (PVR) nem outras coisas como pausa/retrocesso em tempo real ou recursos de interatividade como o bom e velho Ginga.

Sob testes:

Para quem não sabe o processador Intel Core i5 6200U é um chip do tipo ULV (Ultra Low Voltage) de baixíssimo consumo (TDP de 15 watts) criado originalmente para ultrabooks mas que também tem sido usado em notebooks maiores, sistemas 2-em-1 e até desktops compactos (NUCs). Sob esse ponto de vista, não é de se estranhar o seu uso num All in One.

De fato, um detalhe que nos chamou a atenção neste desktop é que ele possui apenas uma abertura (visível) de ventilação, o que para nós é algo bem estranho, já que o bom senso nos diz que o gabinete deveria ter aberturas na parte de cima do monitor, por onde o ar quente (retirado do processador pelo cooler) poderia escapar naturalmente por cima como numa chaminé.

Para ver se essa solução térmica realmente funciona, fizemos um pequeno experimento e colocamos o desktop para ferver usado no bom e velho Prime95, um notório programa criado para calcular números primos de Mersenne, mas que ficou famoso por estressar (e travar) muitas máquinas que outros testes não conseguiram, tornando-se assim um programa muito popular entre overclockers para verificar a estabilidade de seus sistemas.

O que fizemos foi estressar a máquina por 24 horas e como era de se esperar o E5 TV aguentou firme e não travou:

E observando algumas imagens térmicas do gabinete — onde as partes mais claras estão mais aquecidas — podemos ver que a fonte (no canto inferior esquerdo) está até mais quente que o próprio All In One que, por sua vez, na região mais aquecida (perto da grade)…

… a temperatura está em torno de 42,7 °C (embaixo). Pudemos notar que realmente existe um acúmulo de calor dentro do gabinete (em especial nos cantos)  mas que isso não interferiu no funcionamento da máquina mesmo quando forçamos o processador.

Também rodamos o Windows Experience Index (um recurso que ainda existe, mas está oculto no Windows 10) e pudemos ver que ele bateu 5.7 pontos  o que o coloca numa faixa de desempenho um pouco acima dos modelos de linha mas não é páreo para os modelos voltados para jogos:

Outro componente que segura um pouco o desempenho desta máquina é o seu disco rígido convencional da Toshiba de 2,5″ 5.400 rpm com interface SATA 3 e 1 TB de armazenamento. Acreditamos que o desempenho poderia ser até melhor com o uso de um disco SSD, mas isso poderia aumentar demais o seu custo de produção assim como reduzir a sua capacidade de armazenamento. Observamos também que o acesso ao disco não é tão fácil quanto remover alguns parafusos e remover uma tampa.

Aqui os testes com o Cinebench versão 11.5

… e R15:

Segue abaixo os resultados com o  WebXPRT 2013

WebXPRT 2015:

E os testes com o PCMark 8 no modo Home Conventional

… e Hone Accelerated:

E aqui os testes de desempenho em gráficos com o 3DMark:

 

Finalmente fizemos algumas medições de consumo de energia com o All in One rodando o PCMark 8 no modo Home Conventional:

PCMark 8 no modo Home Accelerated:

Em ambos os casos não notamos muita diferença nos picos de consumo entre (50~51 watts) entre o modo normal e acelerado.

Nossas conclusões:

Num mercado que anda meio parado pela falta de novidades e a mesmice dos produtos, gostamos muito desse All in One da Samsung. Isso porque apesar do “Essentials” no nome, ele oferece recursos que vão além do simples desktop ou seja, além de ser um PC para uso geral ele também pode funcionar como monitor de vídeo (com tela Full HD) e receptor de TV — e tudo isso num equipamento relativamente compacto e que pode ser muito conveniente em ambientes onde espaço livre começa a se tornar algo limitado, seja num cubículo ou mesa comunitária no escritório seja no quarto de um apartamento novo em São Paulo.

Fora isso, esse All in One incorpora uma plataforma moderna, oferece recursos ainda raros em desktops de linha (como Wi-Fi AC ou Webcam no monitor) ao mesmo tempo que abre mão de coisas que ainda não comprovaram sua utilidade no mundo real, como tela touchscreen ou mesmo transformar-se como um tablet.

E se isso for verdade, o que muitos procuram é um desktop moderno, simples, prático, funcional e honesto para ter em casa ou no trabalho ou até para substituir o velho que já está abrindo o bico. E se esse for o seu caso, acreditamos que o novo All in One da Samsung é uma opção que deveria ser considerada.

 

Resumo: Samsung Essentials All in One E5 TV (DP500A2L-KW4BR)

O que é isso? Desktop do tipo “tudo-em-um” para uso geral.
O que é legal? Plataforma atual e moderna. Boa apresentação e acabamento. Pode ser usado como monitor de vídeo e TV digital.
O que é imoral? Teclado muito simples e frugal. Portas USB precisam ser melhor identificadas.
O que mais? Também disponível em versões mais simples e acessíveis, com e sem TV.
Avaliação: 9,0 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 3.799 (versão avaliada)
Onde encontrar: Samsung.com.br

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos