em obras

Review: TV Samsung Crystal TU8000 (4K 50″)

Samsung Crystal UHD TU8000 faz parte da linha 2020 de TVs 4K da fabricante coreana. Dei um salto no escuro ao comprar uma e não me arrependo.

É uma TV que posso definir como “intermediário premium” com preço razoável, qualidade excelente de imagem e muitas opções de tamanho.

Samsung Crystal: estratégia

A Samsung segue, pelos últimos 14 anos, líder em vendas de TVs em todo o mundo, com 32,4% em valor global (segundo a Omdia). Apesar de telas premium, como as QLED 8K, serem parte grande da receita, o grosso acaba vindo das telas LCD/LED. No Brasil, os números (ainda que desatualizados) não são diferentes – como dá para ver nos dados da GFK anunciados pela marca.

Em 2019, a Samsung investiu forte na linha QLED 8K nas telas 4K, sem grande destaque para modelos específicos. Testei o modelo RU7100 de 55″ e fiquei impressionado com a qualidade de upscaling. Tanto que, quando minha velha e boa TV de plasma parou de funcionar após 13 anos, a RU7100 era minha primeira escolha.

Falei com o pessoal da Samsung e eles me indicaram a linha sucessora da RU7100, chamada Samsung Crystal UHD TU8000, que já estava disponível em pré-venda na própria Samsung e no varejo, porém não anunciada oficialmente (o lançamento é hoje, 16/6).

Optei pelo modelo de 50″, que é o mais compatível com o tamanho da minha pequena sala de estar e com o orçamento familiar em crise com o Coronavírus, parcelado em muitas vezes.

A linha Crystal entra em uma nova categoria de produto na linha da Samsung, com duas famílias (TU7000, com telas de 43″ a 70″ e sem comando de voz, e TU8000, de 50″ a 82″, com comando de voz).

Não é um modelo 4K de entrada, mas também não é um modelo super premium/super caro com tecnologia QLED, com alguns recursos vindos dos irmãos mais caros, como design sem bordas, melhor qualidade de imagem/menor tempo de resposta e a adoção de assistentes virtuais (Bixby em inglês e Amazon Alexa em português).

De acordo com a Samsung, uma versão da Bixby em português sai no terceiro trimestre do ano e as Crystal serão compatíveis também com Google Assistente até o final de 2020. O nome Crystal se refere ao processador de imagem do televisor, chamado Crystal 4K, com um upscaling poderoso de imagem e um excelente processamento de cores e contraste.

A fabricante tem ofertas de tamanho de tela que vão de 50″ (preço inicial sugerido no varejo: R$ 2.699) a 82″ (preço sugerido: R$ 16.999). Os anúncios da linha 2020 ainda incluem modelos QLED 8K, QLED 4K, novo modelo da The Frame e as duas linhas de Crystal TV (TU7000 e TU8000), além de TVs HD e Full HD na base.

Design

O design da Samsung Crystal UHD TU8000 é simples, básico e direto: um painel fino, com pouquíssimas bordas, acabamento texturizado na traseira com espaço para esconder fios e uma base com pés que se encaixam sem precisar de parafusos.

Vale prestar atenção ao tirar a TV da caixa e não confundir os pés na hora de montar – o isopor/suporte dentro tem a marcação, não faça bagunça que nem eu (de qualquer modo, eles têm marcações de qual é qual). A tela veio protegida por dois pedaços de isopor fino colado: removê-los não causa danos, mas dá um medo desgraçado de danificar o display.

A parte traseira traz os conectores externos: três HDMI, duas USB, antena, áudio óptico, Ethernet e uma A/V composto. A conectividade sem fios inclui Bluetooth e Wi-Fi (com 5 GHz pela primeira vez). Única crítica aqui é que ao conectar os cabos na traseira a placa não passa muito a sensação de solidez no encaixe – parece uma placa não muito bem fixada na estrutura da TV.

Gostei do detalhe mínimo da marca Samsung na frente do aparelho com um LED de stand-by discretíssimo, que demorei a perceber que estava lá (não tem câmera nenhuma ali)

O controle remoto é do tipo único, com poucos botões, capaz de controlar outros dispositivos, como a TV a cabo. Vem com botão de microfone para ativar o assistente de voz favorito, o novo modo Ambiente e teclas dedicadas para Netflix, Amazon Prime Video e GloboPlay – infelizmente não é possível mapear novos aplicativos para essas teclas, caso você não use um ou mais desses serviços de streaming.

Software & assistentes de voz

O sistema operacional é o Tizen, já velho conhecido das TVs Samsung (já falei mais dele no review da RU7100). Agora tem um novo visual “modo escuro” inspirado nos smartphones, mais sóbrio na base da tela. A configuração da TV é bastante simples: usei o app SmartThings no smartphone para ajudar no setup e foi tudo muito rápido (já que ele compartilha a senha do Wi-Fi e se conecta à conta Samsung também).

A TV já vem com Netflix, Prime Video, GloboPlay, YouTube, Apple TV e Apple Music pré-instalados (é compatível com AirPlay e Chromecast, além do SmartThings). Baixei ainda Spotify, Tidal e Plex na loja de apps. Desde que liguei a Crystal em 03 de junho, já tive duas atualizações de software – uma ao ligar e uma muito discreta dez dias depois, que fui notificado só depois que aconteceu.

Vale notar que a Samsung ocasionalmente insere alguns anúncios na barra principal de controle da TV. Aqui apareceu do Google Play Filmes umas três vezes e não apareceu mais.

Uma das novidades da linha Crystal é o Modo Ambiente, que permite usar fotos (pessoais ou baixadas da Samsung) como fundo de tela. Apenas imagens estáticas, nada de movimento (como os descansos incríveis em vídeo da Apple TV). É um bom truque, mas nada que me faria comprar a TV por conta disso.

Estou usando o Amazon Echo Dot com relógio em casa e uma lâmpada conectada da Positivo e, como a Alexa fala português, resolvi usá-la como assistente pessoal. Dá para abrir Netflix, controlar volume e desligar a TV usando a voz (entre outros truques). Infelizmente para ligar a TV é preciso usar o controle remoto mesmo: por estar offline, a Alexa não a encontra na rede e não entende o pedido.

Qualidade de imagem & som

Ano passado tive uma impressão muito boa da qualidade de imagem da Samsung com a RU7100 (tanto que ela era minha primeira escolha). Estava com um certo medo, ainda mais após anos contando com a estabilidade de imagem e a qualidade da tela de plasma – ainda mais botando dinheiro na brincadeira.

Liguei a TV, configurei o brilho (meu problema eterno com telas LED é o brilho muito alto), contas todas de streaming, TV a cabo. E me surpreendi demais com a qualidade de imagem da Samsung Crystal UHD TU8000. É nítida, contraste quase perfeito, o upscaling de imagens com fonte menor que 4K é impressionante, não percebi em nenhum momento efeito soap opera em cenas de movimento rápido.

Exemplo: Netflix. Tenho o plano básico, HD. A imagem é perfeita (se pagasse o plano 4K faria o downgrade, porque a qualidade é excelente).

#blackAF na Netflix, baita série boa

Amazon Prime Video roda nativo em 4K com HDR10+, AppleTV também nativo em 4K com HDR, NET HD (com o eterno sinal a 1080i) vai muito bem também. O som é envolvente e alto, com vozes nítidas e claras. Para música, falta um pouquinho de graves apenas. A TV tem ainda um modo gamer, que não utilizei porque não tenho console.

Moral da história: arrisquei a sorte ao comprar um televisor novo sem reviews no mercado ainda. Me dei bem ao encontrar um modelo melhor do que eu estava procurando (o sonho de consumo mesmo era uma OLED, mas os preços são impraticáveis no Brasil).

Agora vou dar um tempo em testar TVs aqui no blog, por alguns motivos importantes:

  • minha TV antiga estava próxima do fim da vida, podia ser colocada no chão sem medo. Não quero fazer isso com a TV nova (que é maior e mais leve, e eu tenho gatos).
  • o processo de comprar uma TV é simples: você tira da caixa, instala, joga a caixa fora. Quando recebo modelos para teste, preciso encontrar o local para guardar a TV da casa, instalar a TV nova, achar um lugar para guardar a caixa (não é fácil), desmontar e guardar tudo de novo para devolver, numa caixa que não foi feita para ser reutilizada.
  • É um processo estressante – e quase nunca as fabricantes mandam alguém para ajudar a desembalar/embalar de volta modelos caros e pesados.
  • Bônus: coronavírus – uma coisa é desinfetar compras do mercado ou uma caixa de smartphone. Outra é desinfetar uma caixa de 1,5 m com uma TV que passou sabe-se lá onde antes. Aqui não desinfetei a TV, que veio da fábrica, mas gastei bastante álcool 70% em spray na caixa antes de abrir.

Resumo: TV Samsung Crystal TU8000 50″

O que é isso? TV conectada com resolução 4K e tela de 50 polegadas. 
O que é legal?  Qualidade de imagem excelente, upscaling de fontes com resolução menor impressionante, som bom. E dá para controlar por voz, com Alexa.
O que é imoral?  O conceito do “controle remoto único” é útil, mas se você assiste muitos canais de TV a cabo, deixe o controle original por perto – é mais rápido (era uma crítica ao modelo RU7100 também). Placa traseira de conexões parece instável.
O que mais? Existem outros tamanhos de tela desse modelo (de 50 a 82 polegadas).
Avaliação: 9 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 2.699 (modelo de 50 polegadas)
Onde encontrar: Samsung

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin é o criador do ZTOP e da newsletter de tecnologia Interfaces. Já escreveu na PC World, PC Magazine, O Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo e criou o ZTOP em 2007, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC.

em obras

interfaces newsletter

+novos