Review: ZTE V960 Skate

R

O ZTE V960 Skate é o aparelho certo na hora certa: Android 2.3 “Gingerbread”, tela gigante (4,3″) e a promessa de um bom preço sugerido para o consumidor final. O smartphone será lançado ainda hoje pela ZTE na Futurecom, em São Paulo, em parceria com a operadora Vivo. Preço sugerido? R$ 849 desbloqueado ou R$ 329 com um plano de 100 minutos da operadora (Vivo Smartphone 100).

Fato é que o Skate tem um público-alvo definido: com interesse pela plataforma Android, que quer ter um aparelho atualizado e sem restrições ou cortes das operadoras e não pensa em gastar R$ 1.999 em um Samsung Galaxy S II ou um Motorola Milestone 3, ou até um pouco menos em um Sony Ericsson Xperia Arc.

Tem recursos a menos que os topo de linha das concorrentes? Sim. Seu processador ARM é mais lento (800 MHz single core) que a média 1 GHz+dual core atual. Sua tela, com resolução 480 x 800, tem o mesmo tamanho e resolução do Galaxy S II, mas não usa tecnologia AMOLED ou tem resolução tão alta quanto a do Milestone 3  (540 x 960). Vai ser o “superfone” de quem não tem muito dinheiro para gastar em 2011, podem apostar.

O design do ZTE Skate é básico e direto ao ponto, todo em plástico. Na frente, três botões físicos (home, menu, voltar) recobertos por uma espécie de acrílico/plástico transparente – com um ar bem retrô, por sinal.

Na lateral direita, o botão de liga/desliga e o conector micro USB (nada de HDMI ou outras frescuras por aqui) – e o skate não está incluído no aparelho, ok?.

Logo abaixo, o microfone do aparelho.

No outro lado, apenas o controle de volume.

Em cima, somente o conector de fone de ouvido 3.5mm.

E atrás, a câmera de 5 megapixels e um alto-falante mono:

E sem a tampa…

A ZTE não fez grandes mudanças na interface do Android 2.3, mas também não removeu programas ou recursos. As únicas novidades são o Vivo Co-Piloto (que não exclui a navegação no Google Maps) e um cliente já instalado para serviços Windows Live. E tem rádio FM, para os fãs de rádio FM.

E os ícones no canto da tela para alternar entre 5 telas iniciais – e os botões se acendem (verde/vermelho) quando o aparelho está ligado na tomada. 

E, para dar ideia do tamanho do ZTE Skate, a clássica comparação ao lado do Apple iPhone 3GS.

Finalmente, o Android 2.3.4 rodando no ZTE Skate.

E seus principais recursos – como o roteador Wi-Fi – estão lá.

Nos testes de desempenho, o ZTE Skate definitivamente se compara ao Samsung Galaxy S II apenas no tamanho da tela. Os resultados são bastante inferiores (e, cá entre nós, comparar 1,2 GHz dual-core com 800 MHz single core não tem como esperar melhores números). O benchmark informal “Angry Birds” rodou bem nas versões oficial e Rio (só engasgou um pouquinho na versão Seasons).

– Vellamo Browser: 312 pontos (contra 968 pontos do Samsung Galaxy S II)
– Quadrant Standard Edition: 941 pontos (contra 2.959 pontos do Samsung Galaxy S II)
– AnTuTu Benchmark: 1.479 pontos (contra 5.660 pontos do Samsung Galaxy S II)
– NenaMark 1: 17,3 quadros por segundo (contra 59,8 quadros por segundo do Samsung Galaxy S II)
– NenaMark 2: 7,3 quadros por segundo (contra 44,1 quadros por segundo do Samsung Galaxy S II

Um problema sério do ZTE Skate é o pouco espaço para armazenamento interno – 512 MB, que enchem rápido. A solução é usar o cartão de memória microSD de 2 GB incluído na caixa para apps e fotos e, se puder, trocar por um de maior capacidade. Instalei meia dúzia de programas e o Skate logo alertou da falta de espaço, pedindo para mover apps para o cartão.

Apesar de não ter recursos mais avançados de gerenciamento de bateria (olá Milestone 3, Galaxy S II), a bateria do Skate não me deixou na mão como os concorrentes mais caros. Um dia de uso “normal” (um pouco de música + e-mails + redes sociais) somando 8 horas não-contínuas, me deixou com 40% de bateria quando cheguei em casa à noite.

Em multimídia, o ZTE Skate não empolga também. O player de vídeo nativo não rodou nenhum dos meus formatos de teste (.MOV/.MKV/.AVI). Com o MoboPlayer, rodei bem um vídeo em AVI:

Mas o .MOV mostrou imagens (leeentas), assim como o MKV.

A câmera de 5 megapixels faz o básico (exemplos lá no Picasa) e eu gostei muito das cores nesta foto aqui:

Navegação na web funcionou sem problemas, mas não encontrei um Flash Player atualizado no Android Market para o ZTE Skate (logo, nada de Flash no browser).

Conclusões

O ZTE V960 Skate não é o aparelho topo de linha para quem procura o superdesempenho de um Motorola Milestone 3 ou um Samsung Galaxy S II. Mas cumpre bem seu papel de oferecer, em uma tela grande, os principais recursos do sistema operacional Android sem comprometer demais a plataforma, rodando bem o básico (e-mail, redes sociais, mapas).

Pelas condições de planos oferecidos pela Vivo, vai ser o primeiro Android “grande” de muita gente. Antes um ZTE Skate que um desses xing-ling Android 2.1 com 4 chips sem certificação da Anatel e garantia, né?

Resumo: ZTE V960 Skate
O que é isso? Smartphone com sistema operacional Android 2.3.4
O que é legal? Tela grande, bateria com boa duração, GPS responde rápido.
O que é imoral? Tamanho do aparelho pode incomodar, desempenho multimídia fraco.
O que mais? Design básico, boa câmera.
Avaliação: 6,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 849 (desbloqueado) ou R$ 329 (plano Vivo Smartphone 100)
Onde encontrar: operadora Vivo 

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos