Review: TV Panasonic Viera de Plasma 42″

R

Costumo dizer que os produtos da Panasonic nem sempre me vêm à mente como primeira opção de compra, mas que, ao optar pela marca, ela nunca me decepcionou.

É o caso da nova TV de plasma modelo TH-42PV80LB (preço sugerido: R$ 3.199), que veio para substituir o modelo TH-42PV70 no segmento com tela de 42″. Mais do que um teste, passar umas semanas na frente deste equipamento foi uma oportunidade interessante de aprender mais sobre essa tecnologia de imagem e entender porque muitas empresas que promovem a tela LCD como a tecnologia da hora, mesmo assim mantém modelos de plasma na sua lista de produtos.

Isso ocorre porque o plasma ainda apresenta alguns atrativos interessantes, como alto nível de contraste dinâmico (1.000.000:1 segundo a norma VESA), tempo de resposta abaixo de 1 ms e não é atormentado pelo problema de pixels mortos.

Segundo representantes da empresa, a Panasonic garante que suas telas de plasma são mais resistentes a desgastes — como a queima do fósforo da tela — garantindo o seu painel por mais de 100.000 horas ou 30 anos de uso, ou seja, guardem bem suas notas fiscais. Outro destaque desse modelo é que ele trabalha com profundidade de cores de 10 bits, totalizando (na teoria) mais de 68,7 bilhões de tons na tela, contra 8 bits do modelo anterior.

Talvez seu maior revés — se comparado com os LCDs — é sua resolução nativa (nesse caso, 1.024 x 768 pixels), um número modesto se comparado com o padrão Full HD de 1.920 x 1.080 pixels. Daí­ surge uma dúvida comum entre aqueles que desejam investir numa TV de tela grande: o que vale mais a pena, adquirir uma TV “HD padrão” de 720 linhas (que chega a 1080i) cujos preços andam muito atraentes ou investir quase o dobro (ou até mais) numa TV “Full HD” de 1.080 linhas (1080p)?

Levei essa dúvida para o gerente de produtos da Panasonic e ele me respondeu que, como nas TVs convencionais, tudo depende do tamanho da tela.

Por exemplo: numa tela pequena pode-se não notar muita diferença de qualidade entre uma tela de 720 ou de 1.080 linhas, devido ao pouco espaço físico disponí­vel na tela. Do mesmo modo, um menor número de linhas são mais perceptí­veis em telas maiores, de modo que linhas adicionais ajudam a manter a qualidade e o ní­vel de detalhamento das cenas.

Um bom exemplo é o próprio monitor de um PC onde uma imagem em tela cheia de 1.024 x 768 pixels fica excelente numa tela LCD de 12″ (4:3) com resolução nativa 1.024 x 768, mas parece meio desfocada em um monitor de 19″ (4:3) de 1.280 x 1.024 pixels.

Até ai tudo bem… mas então a partir de que tamanho as telas Full HD valeriam a pena? Segundo a Panasonic não existe um número exato, mas modelos acima de 50 polegadas poderiam tirar melhor proveito da resolução Full HD.

Fora isso, as telas Full HD também podem ser mais recomendadas por aqueles usuários que desejam utilizar suas TVs como tela de PC já que eles poderão tirar proveito da maior resolução da tela. De fato, muitas TVs de Plasma ou mesmo LCD do mercado, oferecem uma entrada específica para PC no padrão SVGA (caso do Viera) ou mesmo DVI.

Ah sim, de volta ao que interessa:

Também disponí­vel na versão de 50 polegadas (TH-50PV80LB – preço sugerido: R$ 4.999) a TH-42PV80LB (acima) mede aproximadamente 102 x 68 x 9,5 cm  (LxAxP), ou 102 x 72, x 33 cm, com sua ampla base central que, ao contrário das bases do tipo taça, não permite que a tela gire, mas passa uma melhor sensação de estabilidade e solidez do conjunto.

Outra novidade em relação ao modelo anterior foi a adção de uma terceira porta HDMI no painel de controle da TV (abaixo), escondido num compartimento logo abaixo da marca Panasonic:

Também notamos que — além dos comandos essenciais e das três opções de porta de ví­deo — a existência de um slot para cartão SD o que permite visualizar fotos digitais tiradas por câmeras compatíveis com esse formato, como as da Canon PowerShot e Panasonic Lumix diretamente na tela da TV.

Segundo a empresa, devem chegar ainda nesse ano novos modelos de TVs Full HD da Panasonic que poderão usar esse slot para reproduzir arquivos de vídeo padrão AVCHD como o gravado pela filmadora HDC-SD9 também da Panasonic.

Na parte de trás está o resto das portas de entrada e saí­da, além da conexão da tomada (à direita) e uma curiosa abertura fechada com uma plaquinha preta (à esquerda). Não resisti a tentação e removi essa placa, que revelou mais algumas conexões, provalvelmente para adicionar algum algum recurso adicional (TV digital?) ou realizar alguma rotina de manutenção.

Aqui podemos ver as conexões com mais detalhes. Note que o sistema oferece uma saí­da de Áudio de ví­deo (MONITOR OUT) e a entrada de som do computador deve ser feita pela entrada AV 2 IN. Segundo o manual, essa mesma entrada de som pode ser usada com as portas HDMI caso a fonte de sinal não tenha som. Algo comum quando usamos cabos/adaptadores DVI para HDMI.

Como era de se esperar de um produto na sua faixa de preço, seu controle remoto é grande, confortável e bastante intuitivo. Como está virando moda no mercado, ele tem muitas teclas coloridas (vermelho, verde, azul e amarelo) para acessar certas funçõess descritas na tela. Seu único pecado é que poucas teclas são iluminadas, o que costuma ajudar muito à noite ou para aqueles que gostam de assistir filmes em ambientes mais escuros. Esse controle remoto também é capaz de comandar outros eletrônicos compatí­veis com a chamada tecnologia “Viera Link”, que transmite informações pela porta HDMI. Trata-se de um recurso interessante, apesar de acharmos que o usuário estaria melhor servido com um sistema de controle remoto universal.

Como disse no início dessa nota, passei algumas semanas com o Viera assistindo desde TV analógica, quanto TV digital (via conversor), filmes em DVD e no computador e até mesmo brinquei com meu videogame ligado no mesmo.

Como um usuário de TV de tubo widescreen de 32″, o que posso dizer é que não notei nenhuma diferença, ou mais exatamente — perda de qualidade em termos de brilho e contraste — o que já é algo muito positivo, principalmente em programas onde os tons escuros predominam como nos filmes do Batman (não a série de TV). Quando nos acostumamos com uma tela de plasma, realmente percebemos alguma diferença ao passar para uma tela LCD.

Pelo preço sugerido de R$ 3.199, a TH-42PV80LB fica num meio termo entre os modelos LCD HD e os Full HD e que deveria merecer pelo menos uma olhada mais atenta do usuário interessado em adquirir uma TV de tela grande, principalmente na faixa das 40″. É um tamanho que considero ideal para qualquer ambiente onde hoje já exista uma TV de tubo de 29″, já que a altura da imagem é quase a mesma e o ganho na largura é bastante significativo.

logo-zumoindica

Resumo: Panasonic Viera TH-42PV80LB
O que é isso? — TV de plasma de 42″ para uso doméstico.
O que é legal? — Ótima qualidade de imagem, compatí­vel com o modo de reprodução de 24 qps (quadros por segundo) do Blu-ray.
O que é imoral? — Resolução nativa de 1.024 x 768, nãos é Full HD. Levaram a TV embora depois do teste >:^(
O que mais? — Slot SD permite ver fotos na TV, mas não de ví­deos. Controle remoto compatí­vel com o padrão Viera Link.
Avaliação: 8,0 (de 10). Entenda nosso sistema de avaliação..
Preço sugerido: R$ 3.199.
Onde encontrar: www.panasonic.com.br

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos