ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Review: Disco rígido Seagate Desktop HDD de 4 Terabytes

O modelo Seagate ST4000DM000 é uma impressionante opção de armazenamento interno, mas é necessário o uso de um utilitário para reconfigurá-lo para uso em sistemas legados com Windows 7, Vista e XP.

Apesar de todo o oba-oba em cima dos SSDs, os discos rígidos convencionais ainda são imbatíveis quando o assunto é custo por MB armazenado, e o modelo de 4 TB ou 4000 GB da Seagate está aí para mostrar isso.

Esse modelo ST4000DM000 já faz parte da nova estratégia de marca da empresa, cuja idéia é de usar nomes mais simples que expliquem mais claramente sua utilidade e aplicação.

Por exemplo, a linha de servidores NAS Seagate Black Armour agora se chama Seagate Business Storage, a linha de discos externos Seagate FreeAgent foi renomeada para Seagate BackUp Plus e a linha de discos internos Seagate Barracuda atende por Seagate Desktop HDD.

Seagate_HDD_4TB_aberto

Tecnicamente falando, o Desktop HDD de 4 TB é o primeiro disco rígido de 3,5″  da casa a usar quatro pratos de 1 TB cada, o que foi possível graças ao uso da tecnologia AcuTrac  – ela armazena dados em trilhas de aproximadamente 75 nm de espessura ou 340.000 trilhas por polegada — sendo que depois de instalado e formatado num PC novo (mais sobre isso embaixo) — o disco oferece 3,63 TB de área livre no Windows 8. Seu gabinete de desenho padrão mede 10,2 x 2,6 x 14,7 cm (LxAxP) e 610 gramas de peso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Clique para ampliar

Uma coisa que chamou a atenção desse produto é que a rotação do seu disco não é de 5.400 ou 7.200 rpm e sim de 5.900 rpm. Segundo a Seagate, isso gera uma taxa de transferência (sequencial) máxima de 180 MB/s com tempo de resposta médio de 5,1 ms. De fato essa velocidade poder variar de acordo com a demanda de uso, proporcionando assim um menor consumo de energia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Clique para ampliar

Sua interface é o SATA 3.0 (ou SATA 600) e sua controladora possui cache interno é de 64 MB com tecnologia OptiCache que, de acordo com a fabricante, proporciona 45 % a mais de desempenho se comparado com a geração anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Uma dica interessante na hora da compra é sempre verificar se o disco possui uma etiqueta de código de barras colado na lateral da frente do disco. Digo isso porque a primeira e única vez que comprei um disco de 300 GB com firmware modificado para se comportar como um modelo de 400 GB não veio com essa etiqueta:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O seu processo de instalação é o mesmo de outros discos de 3,5 polegadas: com o PC desligado, instale o HD na baia, conecte o cabo de dados e de força — ou use uma gaveta com slot como o modelo abaixo — e religue o computador.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E se tudo acontecer de acordo com o esperado, o disco será reconhecido pelo sistema mas ainda não estará disponível para uso, porque é necessário ativar a partição e formatá-la segundo o padrão desejado.

Seagate_HDD_4TB_discos_original

Observe porém que o Windows 7, Vista e XP possuem uma limitação técnica de hardware/SO/BIOS que os impede de trabalhar com disco/partições maiores do que 2,1 TB. À primeira vista pode ser um problema para os usuários desses sistemas, que ainda são bem numerosos no mercado.

Esse assunto é meio enrolado de modo que não iremos esticá-lo nesse review (apesar dos mais interessados poderem ler essa página de suporte da Seagate). Para nós neste momento o que precisamos saber é que a maioria dos PCs construídos antes de 2011 utilizam a BIOS tradicional (sem a tecnologia EFI) faz com que o Windows 7/Vista não identifique toda a capacidade do disco de 4 TB, enxergando apenas uma particão de até 2,1 GB.

Mas se o PC foi fabricado depois de 2011 é bem provável que o Windows 7 e Vista enxergue toda a capacidade do disco (embaixo), porém dividido em duas partições: uma de até 2,1 GB e outra com a capacidade restante (no nosso caso 1,6 TB). Neste caso não é possível juntá-las numa única partição, mas é possível fazer com que o segundo disco seja visto como um segundo disco “virtual”.

Seagate_HDD_4TB_Setup_original

Clique para ampliar

Para resolver esse problema, a Seagate oferece o Disk Wizard, um utilitário para os discos da marca desenvolvido em parceria com a Acronis e que pode ser baixado gratuitamente no site da empresa

Seagate_HDD_4TB_disk_wizard_install

… que no seu menu principal possui uma opção específica para gerenciar essas partições estendidas:

Seagate_HDD_4TB_disk_wizard_3a

Clique para ampliar

De fato, ao rodar essa aplicação pela primeira vez, ela já identifica que existe um disco Seagate com capacidade acima de 2,1 TB e já executa esse gerenciador, mostrando para o usuário que a capacidade nativa (= Native Capacity) do seu Windows (neste caso o 7 de 64 bits) permite alocar 2 TB do seu disco de 3,64 TB e a capacidade extendida (= Extended Capacity) é de 1,64 TB. A boa notícia nesse caso é que o gerenciador informa que esse espaço pode ser alocado na forma de um disco de capacidade extendida (= Extended Capacity Disk).

Seagate_HDD_4TB_Alocate1

Para isso basta clicar no botão Allocate Space (em cima) e confirmar usando a opção Apply (embaixo):

Seagate_HDD_4TB_Alocate2

Se tudo acontecer de acordo com o esperado, o consumidor termina o processo com duas novas partições (ainda não alocadas pelo SO) de 2 TB e 1,64 TB:

Seagate_HDD_4TB_Alocate4

Feito isso, podemos usar o próprio DiskWizard para criar uma ou mais partições em cada área não alocada do disco e formatá-los ou isso também pode ser feito no gerenciador de discos do Windows. Só que neste caso, o SO pede que o usuário defina a opção de estruturação organizacional do novo disco — MBR (nossa opção) ou GPT:

Seagate_HDD_4TB_initialize_1

Clique para ampliar

E o resultado final são dois novos “discos” (Disk 0 e Disk 2) ainda não alocados…

Seagate_HDD_4TB_initialize_1a

Clique para ampliar

… que depois de criadas as partições e formatadas de acordo com nossa preferência…

Seagate_HDD_4TB_final_2

Clique para ampliar

… estão prontas para uso.

Seagate_HDD_4TB_original_1b

 

No caso do XP o procedimento é praticamente o mesmo com algumas diferenças, como a inexistência do modo GPT:

Sob Testes:

Como alguns já deveriam estar desconfiados, instalamos esse disco no mesmo sistema que usamos para testar o memory key de 512 GB da Kingston e o disco Ultrafino de 500 GB da Seagate baseado na placa-mãe ASRock modelo FT3-4C equipado com umaCPU APU A6-5200 “Kabini”.

Fizemos isso porque primeiro, ele ainda continuava aqui de bobeira na bancada, pronta para uso — e segundo, porque trata-se de uma plataforma moderna que oferece suporte nativo para SATA 600/3.0 em todas as suas portas. Em vez de testá-lo como disco de sistema, optamos por instalá-lo como um disco secundário, o que nos permitiu também fazer testes sintéticos de gravação, o que normalmente não é possível em discos de sistema (com o Windows instalado).

AMD_Kabini_ASRock_FT3-4C_montado1a

Nos testes realizados com o HD Tune Pro 4.01 a opção de Info mostra que o ST4000DM000 é um disco rígido que incorpora praticamente todos os recursos que poderíamos esperar de um disco de linha. Note que o programa confirma a informação de que se trata de um disco de 5.900 rpm:

Seagare_HDD_4T_HDTune_Info_ST4000DM000-1F2168jpg

Nos testes de leitura com o HD Tune, o Desktop HDD obteve uma média de leitura de 132,0 MB/s com picos de 167,7 MB/s…

Seagate_HDD_4T_HDTune_Benchmark_ST4000DM000-1F2168_READ

… e nos testes de gravação a velocidade chegou numa média de 127,7 MB/s com picos de 162,3 MB/s — O desempenho próximo entre leitura e gravação é bastante característico dessa tecnologia, ao contrário dos SSDs cujo desempenho de leitura costuma ser bem melhor do que o de gravação.

Seagate_HDD_4T_HDTune_Benchmark_ST4000DM000-1F2168_write

Esses resultados ficaram bem próximos dos obtidos com o CrystalDiskmark 3.0.3…

Seagate_HDD_4T_CrystalDiskMark_ST4000DM000

Já o HDTach RW 3.0.1 apresentou um resultado menor, mas isso pode ser devido a diferenças nos algoritmos de testes:

HDTach_complete_ST4000DM000

Nossas conclusões:

Como dissemos no início deste texto, é fato que nos dias de hoje os SSDs são a preferência — ou até mesmo o sonho de consumo — dos consumidores que vêem nesses discos de estado sólido a melhor opção no que se refere a desempenho, mas o seu elevado custo ainda é um empecilho para aqueles que precisam de boa capacidade de armazenamento em seus sistemas.

Sob esse ponto de vista, nossa impressão é que os fabricantes de discos rígidos convencionais estão meio que abrindo mão do desempenho bruto — alguém se lembra do Velociraptor? — investindo mais no seu ponto mais forte: maior capacidade de armazenamento por um preço mais atrativo.

Assim, acreditamos que o Desktop HDD de 4 TB com sua graaande capacidade de armazenamento, menor consumo e geração de calor seja um produto mais indicado para uso em PCs de uso geral, All-in-Ones, servidores domésticos, soluções de armazenamento com USB/NAS etc. Em todos esses casos a idéia é que esse ele seja mais adequado para soluções de storage do que aplicações de processamento muito intensivo.

E apesar de que nada impede que o mesmo seja usado como um disco de sistema, acreditamos que a melhor solução neste caso é que ele trabalhe como um disco secundário voltado essencialmente para armazenamento deixando o sistema armazenado em um disco de capacidade até menor, porém com melhor desempenho como os SSDs, discos híbridos e até dois discos em RAID 0.

Resumo: Seagate Desktop HDD de 4TB (ou 4.000 GB)

O que é isso? Disco rígido convencional de 3,5″ para uso em desktops, All-in-One e servidores domésticos.
O que é legal? Imensa capacidade armazenamento, baixo consumo e boa relação de custo x byte armazenado.
O que é imoral?  É necessário reconfigurá-lo para uso em sistemas legados com Windows 7, Vista e XP sendo necessário particionar o disco em mais de um volume para aproveitar toda a sua capacidade.
O que mais? Esse processo de configuração é bastante simples e pode ser feito com o uso de um utilitário gratuito disponível no site da empresa.
Avaliação: 7,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 899
Onde encontrar: http://www.seagate.com/br/pt/

 

 

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.