Review: Samsung Omnia W

R

O Samsung Omnia W é o segundo aparelho com sistema operacional Windows Phone, da Microsoft, a chegar ao mercado brasileiro. Tem configurações bastante similares ao HTC Ultimate, e se destaca por ser um smartphone menor, que cabe direito na mão e realiza bem suas tarefas – embora o armazenamento limitado a 8 GB possa ser um problema para alguns consumidores.

Ao testar mais um aparelho com o WP “Mango”, dá para ficar feliz com uma coisa: apesar de meia dúzia de aplicativos instalados pelo fabricante que o diferenciam do concorrente, não existem firulas ou frescuras de interfaces que atrapalham/confundem em outras plataformas (leia-se Android). Isso é bom: desse modo, temos uma experiência única em toda a plataforma, sem fragmentação.

Como já falei bastante do Windows Phone 7.5 e seus recursos no review do HTC Ultimate, este texto fica mais focado mesmo no aparelho novo da Samsung.

Hardware

Se colocarmos lado a lado as principais características do HTC Ultimate e do Samsung Omnia W, as principais diferenças são o armazenamento, a câmera e o processador do Omnia W. Na prática, isso quase não muda muito para o consumidor – exceto o armazenamento, já que os Windows Phones não têm entrada para cartões de memória adicionais.

O design do Omnia W é bastante conservador, com cantos quadrados. Lembra mais os aparelhos mais antigos da marca, com Bada, do que a linha com Android na família Galaxy. Perto do Ultimate, o Omnia W (“Wonder”, como está escrito na sua caixa) é bastante discreto.

Na frente do Omnia W, os três botões característicos do sistema operacional.

Na lateral esquerda, o controle de volume:

E na lateral direita, o disparador/ativador da câmera e o botão de liga/desliga.

Abaixo, o conector micro USB para carregar a bateria/transferir dados para o computador e um microfone.

E acima, o conector para fones de ouvido padrão 3,5 mm.

Atrás, a câmera de 5 megapixels com flash LED.

Apesar de o design traseiro indicar que a tampa da bateria fica abaixo da câmera…

É apenas um detalhe estético, já que a traseira sai por inteiro, revelando o interior:  bateria de 3,7 volts (íons de lítio) e a entrada para o SIM card (não entendi esse monte de pontinhos brancos ao lado esquerdo da imagem…)

O HTC Ultimate, com sua tela gigante de 4,7″, foge do padrão da maioria dos smartphones atuais. Já o Omnia W é um smartphone “normal” – e, com sua tela de 3,9″, é só um pouquinho maior que um iPhone 3GS (de 3,5″).

Câmera e multimídia

A reprodução de vídeos no Omnia W é igualzinha à do HTC Ultimate.

Toda a sincronia é feita no PC pelo software Zune e no Mac pelo Windows Phone Connector. Fotos, vídeos (em formato MPEG4) e músicas (sem DRM) vão para o telefone. O Zune converte automaticamente os vídeos (incluindo em 720p) para o aparelho, e o app de Mac lê a biblioteca de vídeos do iTunes. Como já tinha alguns vídeos convertidos, foi só transferir. Nada de suporte nativo a DivX e formatos estranhos, como MKV. Funciona bem, sem engasgos. Áudio? Boa qualidade de som no aparelho (ainda prefiro o modelo da HTC nesse quesito para reproduzir músicas), incluindo para chamadas.

Já a câmera de 5 megapixels é boa. Numa situação de luz adversa (como abaixo) deu uma tremida, mas os detalhes são interessantes.

Detalhe a 100%

(mais fotos no Flickr)

Nos vídeos, uma pegadinha. O Omnia W faz vídeos em alta definição (720p), mas esse não é o padrão do smartphone (que fica automaticamente na posição SD/480p).

Para trocar para HD, é preciso mexer nas configurações da câmera, que deixam em modo automático a definição 480p.

Percebi isso na hora que fui transferir o primeiro vídeo: o arquivo tinha menos de 10 MB – e resolução menor. Uma explicação para isso pode ser o pouco espaço de armazenamento interno (30 segundos em HD consumiram 50 MB, em média), limitado a 8 GB para fotos, videos, músicas e apps, sem possibilidade de expansão.

Software

Tanto pré-instalados quanto via Marketplace, a Samsung oferece um pacote interessante de aplicativos para o Omnia W. Na lista, estão o AllShare (compartilhamento via DLNA com outros aparelhos da marca).

FunShot, variante do PhotoBooth (Apple) para fotos com efeitos/defeitos especiais.

MiniDiary, para você montar seu diário (!) pessoal.

E o Now, central de previsão do tempo/notícias, ações, cotações etc.

E mais dois apps de edição e efeitos em fotos: PhotoStudio…

Com opção de editar imagens já salvas.

E o Photogram, para fotografar usando filtros.

Finalmente, o leitor RSS Times, conectado ao Google Reader. Boa ideia, por sinal.

Sob testes

Como disse no começo, o Samsung Omnia W é bastante similar ao HTC Ultimate, e o desempenho em números acabou bastante parecido entre os dois aparelhos.

  • WP Bench (desempenho geral): 96,52 pontos no teste de velocidade (96,59 pontos no HTC Ultimate)
  • WP Bench (stress de bateria) 03:54:12 (03:15:52 no HTC Ultimate)
  • PiBench (cálculo de Pi): 10.587 ms (10.496 ms no HTC Ultimate, número menor é melhor)
  • Benchmark Free (desempenho geral): 30 pontos (34 pontos no HTC Ultimate)

Na prática, o uso do Samsung Omnia W em um dia resultou, ao final do período de uso (7 horas com navegação na web via 3G, acesso a e-mail e redes sociais e ouvir pelo menos duas horas de música, com pausas) em 51% de carga de bateria. Um resultado impressionante (e melhor que o do HTC Ultimate, que consome mais por conta da tela).

E vale repetir (e adaptar) o que já disse sobre o HTC Ultimate para o smartphone da Samsung.

O hardware do Omnia W oferece um ótimo desempenho, com transições rápidas entre telas, câmera veloz entre cliques e reprodução multimídia e de jogos sem falhas. O sistema operacional Windows Phone 7.5 é a grande evolução e aposta da Microsoft no mundo móvel. Representa um salto enorme em relação ao terrível Windows Mobile do passado e mostra sinais do futuro por aí. Não é preciso aprender a usar um Windows Phone. O sistema é intuitivo, simples e que explora recursos gráficos visualmente interessantes em toda sua interface.

O Omnia W tem como adicionais um preço interessante (menor que o do concorrente, por sinal) e é bem mais discreto na mão para uso em público. Não é o aparelho mais bonito do mundo, mas cumpre bem suas funções: telefonemas, internet, conectividade o tempo todo.

É a boa e, enquanto os Nokia Lumia 710 e Lumia 800 não chegam, a única alternativa ao telefone gigante da HTC no mercado brasileiro. Ainda acredito que o Windows Phone 7.5 tem um longo caminho a percorrer e a evoluir, mas por enquanto o que está disponível ao consumidor já é bastante interessante.

Resumo: Samsung Omnia W

(update: até 20/06/2012, este produto tinha a recomendação ZTOP Indica. Por conta das mudanças de planejamento da Microsoft para o Windows Phone 8 e a falta de atualização para aparelhos antigos, retiramos o selo em 21/06) 

O que é isso? Smartphone com sistema operacional Microsoft Windows Phone 7.5 “Mango”
O que é legal? Câmera boa, transições rápidas interface nova, simples e fácil de usar.
O que é imoral? Pouco espaço para armazenamento, sem possibilidade de expansão.
O que mais? Não roda Flash no navegador, vídeos precisam de conversão via software no PC.
Avaliação: 8 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.349  (desbloqueado, em plano pré-pago) ou R$ 649 (plano Vivo Smartphone 60 Ilimitado)
Onde encontrar: Vivo e Samsung

 

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin é o fundador do ZTOP+ZUMO e da newsletter de tecnologia Interfaces. Já escreveu na PC World, PC Magazine, O Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo e criou o ZTOP+ZUMO em 2007, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos