Review: Positivo Mobo White 1050

R

Depois de muita especulação e pirotecnia em cima de quem seria a primeira empresa a lançar pra valer o primeiro netbook com processador Intel Atom no Brasil, a Positivo Informática mais uma vez pula na frente (fazendo tchauzinho para a concorrência) anunciando não um e sim seis novos Mobos, entre eles quatro modelos baseados no chip do pessoal de Santa Clara.

Este Zumo teve acesso ao modelo intermediário dessa linha — o Mobo White 1050 — que acreditamos poderá ser a melhor relação entre custo e benefício apesar de que os preços ainda não foram divulgados.

Se computadores fossem carros, o Mobo 1050 seria um carrinho de frota com motor flex 1.0: ele é  pequeno, dono de um acabamento simples e utilitário, possui um motor pequeno, porém moderno e econômico, vem com grande capacidade de carga (de informação) e está disponível somente na cor branca.  :^)

Ele mede aproximadamente 26 x 18 x 3,7 cm (LxAxP fechado) e 1,63 kg de peso (com a bateria estendida que já acompanha o produto e adaptador de rede elétrica) e seu projeto é baseado no elogiado MSI Wind U100 que, pela Positivo estará disponível em quatro modelos, o 1000 (512 MB de RAM, HD de 80 GB e Linux pré-instalado) o 1015 (1 GB de RAM, HD de 80 GB e Linux Pré-instalado) , o 1050 (1 GB de RAM, HD de 120 GB e Windows XP Home), o 1070 (1 GB de RAM, HD de 160 GB e Windows XP Home) e o 1080 (1 GB de RAM, HD de 160 GB, Windows XP Home e Office 2007 Home & Student).

Em comum, todos vêm com processador Intel Atom N270 de 1,6 GHz, saída de vídeo padrão SVGA, trava antifurto padrão Kensington, porta de rede Fast Ethernet, Wi-Fi 802.11b/g, som, três portas USB 2.0, webcam, leitor de cartão SD/MMC/MS, touchpad e teclado com layout em português padrão ABNT-2. Note porém que ele não vem com leitor de CD/DVD embutido (que pode ser instalado via USB) nem leitor de cartão PCMCIA, o que pode dificultar a implementação de um modem, o único recurso que realmente sentimos falta nesse produto.

De fato, a única solução que conseguimos localizar aqui no Brasil para resolver esse problema é o Modem USB TFM-560U da TrendNet. Também acompanha o produto o adaptador de rede elétrica e uma bolsa de transporte em couro sintético, também na cor branca.

(Henrique comenta: modem, Nagano? Pluga um modem 3G USB e resolveu o problema!)

Como podemos ver, no geral trata-se do mesmo produto com algumas variações de memória, capacidade de disco e software embarcado. Apesar da mesmice, a Positivo teve a preocupação de agradar a gregos e troianos, oferecendo um modelo com Linux Pré-instalado e com Windows XP Home, sendo este último ainda a melhor opção em termos de compatibilidade de hardware e software, já que qualquer coisa que roda hoje um PC com Windows, provavelmente rodará sem problemas no Mobo White.

No modelo analisado por este Zumo (Mobo White 1050) ele veio com o sistema operacional Windows XP Home com SP2 e alguns aplicativos pré-instalados como a suíte de aplicativo de escritório BrOffice 2.4, o dicionário Aurélio online (com assinatura de 12 meses) e o antivírus Kaspersky 6.0, um pacote simples e sem muita frescura. Note que na barra de luzes indicadoras de estado existe um símbolo de Bluetooth (primeiro à esquerda), recurso que não encontramos no 1050.

Se comparado com o primeiro Mobo lançado em maio de 2008, o 1050 possui uma tela e teclado maiores (aleluia!!!) o que garante um uso bem mais confortável, sua tela LCD de 10 polegadas wide tem resolução nativa de 1.024 x 600 pixels e iluminação a LED (impulsionada por uma GPU Mobile Intel 945 Express), mas que pode trabalhar no modo de 800 x 600 pixels sem distorções aparentes. Equipado com um disco rígido SATA de 120 GB, o Mobo 1050 possui praticamente a mesma capacidade de armazenamento de um notebook de entrada, apesar de não podermos considerá-lo como tal, já que ele além de não vir com unidade de CD/DVD interno, seu processador Atom foi otimizado para baixo consumo de energia e não para desempenho propriamente dito. Apesar disso, durante os testes, ele mostrou ser bastante ligeiro na resposta aos comandos do usuário graças ao uso do Hyper-Threading, recurso que simula dois processadores via software.

Não há muito o que se ver na parte de baixo do Mobo 1050 a não ser o compartimento da bateria (que no nosso caso, veio com o modelo de seis células de 11,1 V e 4400 mAh cujo uso resulta num ressalto na base, mas nada que comprometa demais a sua estética ou atrapalhe o seu transporte). Note as aberturas circulares em cada canto inferior do portátil onde ficam os alto-falantes o que causa um certo “abafamento” do som.

Ao contrário do Mobo original, o acesso ao interior do White 1050 é bem mais fácil, bastando remover a bateria e todos os parafusos localizados na sua base. O curioso é que alguns deles também fixam alguns componentes internos como o disco rígido e a ventoinha.

O interior do White pode ser admirado em todo o seu esplendor na imagem abaixo:

Na minha opinião, o hardware do White 1050 é muito interessante — em especial para os entusiastas — por combinar alguns componentes convencionais, em especial o pente de memória SODIMM DDR2-667 e o disco rígido de 2,5″ com porta SATA que são os mesmos usados nos atuais notebooks de linha , o que pode facilitar a vida daqueles que, depois de algum tempo, gostariam de fazer um upgrade tanto na memória quanto no HD desse portátil.

Um dos nossos leitores fez uma interessante observação, notando que esse Mobo já vem com 512 MB de memória já soldado na placa-mãe (thanks Rogério!), de modo que podemos supor que o pente de memória que vem com o 1050 deve ser de 512 MB e que o mesmo deve estar ausente no White 1000 com Linux.  Assim seria possível, na teoria, aumentar a memória desse equipamento para até 1,5 ou 2,5 GB bastando apenas substituir o módulo original por outro de 1 GB ou 2 GB respectivamente.

Removendo a chapinha metálica localizada à direita do HD, tive acesso ao chipset e ao processador do Mobo. Notamos que essa peça é, na realidade, um dissipador de calor para o chipset 945G e o processador Atom que nem está conectado fisicamente com a ventoinha, que parece trabalhar mais para retirar o calor do interior do gabinete. De fato, não notamos uma geração execessiva de calor no 1050.

O processador Atom N270 de 1,6 GHz e barramento frontal de 533 MHz e 512 KB de cache L2 possui um TDP de apenas 2,5 watts, bem menos que o Atom 230 que vimos na placa-mãe Intel D945GCLF (4 watts).

Como é padrão no nosso lab, apagamos o SO que acompanha o produto e reinstalamos no seu lugar um Windows XP Professional com SP2 e utilizamos os drivers de dispositivos disponíveis no site da MSI (onde também encontramos algumas versões para Linux, mas nada de Vista) e rodamos nossos benchmarks de sempre. Vale a pena observar que o portátil se comportou exemplarmente, não apresentando problemas durante a execução de todos os testes, incluindo os mais manhosos como o Sysmark 2007.

Nas nossas medições, o White 1050 marcou 40 pontos no Sysmark 2007 Preview 1.4, o que é um resultado modesto para um PC ou portátil de linha cujo resultado nesse teste bate facilmente os 100 pontos. Seu desempenho gráfico (82 pontos no 3DMark 06) também não foi nada de saltar aos olhos e, em outro teste que consome muito processamento da máquina como o AutoGK 2.45, o Mobo levou nada mais nada menos que 5h04min para transformar um filme em DVD para um arquivo AVI de 700 MB. Um Core 2 Duo mais recente faz o mesmo em uma hora. Em contrapartida, nos testes de autonomia de bateria realizadas com o Battery Eater 2.7 o sistema funcionou por aproximadamente 3h35m, um desempenho razoável para um equipamento de seu porte.

Isso mostra que os pontos fortes desse Mobo — assim como a maioria dos netbooks — está na sua compatibilidade de hardware e software, portabilidade e autonomia e não necessariamente no seu desempenho. Com isso não queremos dizer que esse produto não vale nada e sim que ele possui limites que devem ser levados em consideração na hora de decidir pela sua compra.

Assim, acredito que o Mobo White 1050 seja um equipamento muito interessante para estudantes, profissionais liberais e automação de força de vendas que concentram suas atividades na coleta de dados, elaboração de textos, preenchimento de planilhas e principalmente atividades ligadas a Internet como navegar na Web, baixar e ver alguns vídeos, trocar mensagens e até bater papo no MSN ou Skype.

Em outros casos mais extremos como editar imagens ou até vídeos, o Modo 1050 pode até quebrar um galho mas ele levará bem mais tempo que um notebook de linha. É como andar de carro ou de avião, ou seja, ambos irão te levar ao seu objetivo — a diferença ficará por conta da economia de tempo e o quanto você está realmente disposto a gastar para completar essa jornada. :^)

O produto deve chegar às lojas na segunda quinzena de outubro.

logo-zumoindica

Resumo: Positivo Mobo White 1050
O que é isso? Netbook de uso geral baseado no processador Intel Atom N270.
O que é legal? Simples, utilitário e bem servido de recursos. Processador tem suporte para Hyper-Threading.
O que é imoral? Não vem com modem para linha discada.
O que mais? Fácil upgrade de memória e disco.
Avaliação: 8,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.999
Onde encontrar: www.positivoinformatica.com.br

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.


RSS Podcast SEM FILTRO




+novos