Review: Placa-mãe PCWare APM80-D3

R

Para quem procura uma placa-mãe simples e honesta para a computação do dia-a-dia, uma opção pode estar na PCWare APM80-D3, voltada para a plataforma AMD.

Baseado no padrão de formato micro-ATX (24 x 19 cm), a APM80-D3 é uma placa-mãe simples e sem muita frescura — e como sua prima a IPM41-D3, ela procura  oferecer todos os recursos que podemos chamar de essenciais para montar um PC de uso geral, mas não espere nada muito além disso.

O seu layout é bem organizado, com todas as suas entradas e saídas posicionadas ao redor da placa numa distribuição bem intuitiva o que facilita a sua montagem, já que você não precisa ficar adivinhando onde deveria estar o que.

O que torna essa placa bastante flexível é o fato dela ser baseada no bom e velho soquete AM3 que aceita desde um singelo processador AMD Sempron até um AMD Phenom II quad ou até six-core…

… que irá trabalhar em conjunto com o chipset AMD RS740 (uma evolução do 690G) e que vem equipado com uma aceleradora gráfica Radeon 2100 com suporte para DX9.0 (mas não DX10 ou superior) ou seja, apesar do arrepio que o nome “Radeon” ainda provoca no subconsciente de algumas pessoas, também não espere milagres desta GPU.

 

Já seu chipset southbridge é uma SB710 que integra diversas interfaces atuais e legadas, barramento PCI e até som no mesmo encapsulamento.

E ao contrário de outras placas-mãe que vimos recentemente, o soquete ATX para o processador da APM80-D3 ainda é do tipo mais simples com apenas quatro vias o que permite o uso de fontes mais antigas o que pode ser particularmente interessante no caso de um upgrade de máquina.

A PCWare gosta de destacar que um dos grande atrativos da APM80-D3 é que ela já é compatível com o atual padrão de memória DDR3  de 800/1.066/1.333 MHz com suporte até 8GB de memória. Note o conector verde de nove pinos que seria a saída para uma porta serial padrão RS-232C um item ainda apreciado em aplicações de automação comercial.

No canto oposto podemos ver a saída para até quatro discos SATA 300 (c0m suporte para RAID 0, 1 e 0+1) ao lado do conector para uma daughter card com chip de segurança TPM opcional. Aparentemente ela deve ser  a mesma que é usada pela IPM41-D3.

Logo acima delas vemos o jumpes que limpa a CMOS da BIOS e os conectores para o painel frontal.

E mais em cima, podemos ver os conectores para potas USB 2.0, SPDIF-OUT e conexões de áudio para o painel frontal.

 

Em relação aos slots para placas de expansão temos o que chamo de básico e necessário: um PCIe X1 e outro PCIe x16 e duas PCIs.

No seu painel traseiro uma boa combinação de interfaces novas e legadas: (a partir da direita) duas PS/2 para mouse e teclado, serial, paralela e SVGA, quatro USB 2.0, uma porta de rede Gigabit Ethernet (Realtek RTL8111DL) e saída de som HD de seis canais (Realtek ALC662). A PCWare fornece suporte de drivers para Windows 7, Vista e XP.

Sob testes:

Para testar essa placa utilizamos um processador mainstream — neste caso um Athlon II x2 245 — um modelo dual core de 45 nm, 2,8 GHz e 1.024 KB de cache L2.

 

 

Completamos o sistema utilizando 4 GB de SDRAM DDR3 1066 distribuídos em dois pentes Kingston KVR1066D3N7/2G de 2 GB cada e um disco rígido Seagate Barracuda XT ST32000641AS SATA 600 de 2 TB. O sistema operacional utilizado foi o Windows 7 Ultimate de 32 bits.

Segundo o Índice de Experiência do Windows o sistema bateu 3,4 pontos o que, de acordo com a Microsoft classifica esse sistema como capaz de tirar pleno proveito dos recursos do Windows 7, incluindo sua interface Aero Glass mas ainda não é a melhor opção para aplicações pesadas de gráficos e mídia (o que exigira um valor igual ou acima de quatro pontos):

Esse comportamento também pôde ser sentido mos testes com o HDxPRT mostram que o APM80-D3 obteve apenas 110 pontos, mas bateu as cinco estrelas nos testes de vídeo em HD:

Nos outros testes, a plataforma da PCWare bateu 125 pontos no Sysmark 2007 Preview 1.05, 4.320 pontos no PCMark Vantage. No AutoGK 2.45, o sistema levou 1h11m16s para transformar um filme em DVD para um arquivo AVI de 700 MB. O processo oposto (criar uma imagem de DVD a partir de um arquivo de vídeo) feito com o DVDFlick 1.3.0.6 foi de 3h04m041s utilizando um thread e 2h26m04s com dois threads.

E o Super Pi do David Lopes:

Se comparado com a PCWare IPM41-D3 equipado com um Core 2 Duo E7500 de 2,9 GHz o desempenho da APM80-D3 ficou um pouquinho abaixo em termos de desempenho mas não tão atrás ao ponto de podermos dizer que ela comeu poeira. O mais correto seria dizer que ele ficou colado no carro da frente enchendo o retrovisor do lider da prova.

Sob esse ponto de vista optar entre uma IPM41-D3 ou uma APM80-D3 é uma questão de gosto (ou paixão) pessoal já que em muitos aspectos as placas se equivalem e atendem ao mesmo público alvo ou seja para aqueles que desejam montar um sistema simples e funcional sem gastar muito ou que gostaria de fazer um upgrade naquele desktop com Athlon XP ou Pentium 4 que não está mais dando conta do recado.

Resumo: Placa-mãe PCWare APM80-D3

O que é isso? Placa-mãe Micro-ATX para processadores AMD com soquete AM3.
O que é legal? Bom conjunto de recursos, compatível com memórias DDR3.
O que é imoral? Nenhum suporte on-board para interfaces mais novas/sofisticadas como USB 3.o, HDMI, SATA 600, etc.
O que mais? Essa placa foi recentemente substituída por um novo modelo.
Avaliação: 7,0 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: não divulgado

Onde encontrar: www.pcware.com.br

 

 

 

 

 

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos