Review: placa-mãe Asus P6T Deluxe (desempenho)

R

asus_p6t_intro2

Como já foi dito na primeira parte deste review, em vez de receber apenas uma placa-mãe, a Asus Brasil nos enviou uma configuração completa já equipada com um processador Intel Core i7 940, 12 GB de SDRAM Kingston KVR-1333D3N9/2G DDR3 de 1.333 MHz, disco rígido Seagate Barracuda 7200.11 SATA 3 de 500 GB ( ST3500320AS ) e duas placas de vídeo ASUS ENGTX285 TOP (GeForce GTX 285) montadas em SLI.

De fato, uma configuração pra ninguém botar defeito.

Ao levantar as informações iniciais desse sistema, notei que o processsador instalado na placa estava rodando a 3,65 GHz em vez de 2,93 GHz. Só para se ter uma idéia desse valor, o Core i7 965 Extreme Edition roda a míseros 3,2 GHz, ou seja, o sistema estava overclocado.

Se fosse um comparativo entre máquinas ou um review de processador, isso já seria motivo suficiente para parar o teste. Mas como o foco desse review é a placa-mãe, fizemos vista grossa e continuamos em frente já que, de um certo modo, ele demonstra uma característica muito apreciada nesse tipo de produto que é sua estabilidade — algo ainda mais valorizado principalmente em situações extremas onde o processador roda bem acima da sua especificação. E como os ajustes foram realizados não por nós e sim pelo próprio fornecedor, entendemos que o sistema está preparado para receber pancada de modo que botamos pra quebrar nas medições.

E ao contrário do que aconteceu com a workstation móvel Dell Precision 6400 Covet, o sistema enviado pela Asus veio com o Windows Vista Utimate de 64 bits em português, o que permite tirar proveito dos 12 GB de RAM instalados no mesmo. O problema é como nossa metodologia de testes é baseada no Vista de 32 bits em inglês, existia a possibilidade de alguns de nossos testes não serem compatíveis com SO de 64 bits. Assim optamos por realizar duas baterias de testes, fazendo o que fosse posivel com o Vista de 64 bits, complementando os testes com a versão de 32 bits.

A primeira coisa que nos chamou a atenção foi o índice de experiência do Windows que alcançou a maior pontuação final possível, com  5,9 pontos:

asus_p6t_vistaexp_64

O PCMark Vantage e o 3DMark Vantage rodaram sem problemas em 64 bits, resultando num score final de 7.067 e 26.514 pontos respectivamente. Outro benchmark que possui versão específica para 64 bits é o Cinebench 9.5 que, nos testes de renderização, resultou em 794 CB-CPU (single CPU) e 2.834 CB-CPU (Multiple CPU), um ganho de velocidade de 3,57 vezes. No caso do Cinebench 10 os resultados foram 5.102 CB-CPU (Single CPU) e 2.0931 CB-CPU (Multiple CPU), um ganho de 4,10 vezes. Vale a pena lembrar que o Core i7 vem equipado com quatro núcleos físicos com tecnologia HT, o que permite emular mais 4 núcleos virtuais, totalizando 8 threads:

asus_p6t_i7_threads_a

Tambem realizamos alguns benchmarks com o jogo Crysis da Electronic Arts. No modo CPU o teste rodou numa média de 54,45 qps (quadros por segundo) no modo CPU e 77,6 qps no modo GPU. Nada mal para um jogo tão pesado rodando em Dx10.

Para quem possa interessar, os testes com o Crysis no modo CPU e GPU, assim como algumas cenas do 3DMark Vantage também foram filmados por esse Zumo e apresentados previamente em outro post.

Além disso, aproveitei a oportunidade de ter em mãos um sistema com duas placas de vídeo da NVidia em SLI para realizar alguns testes com sistemas GPGPU com um dos primeiros produtos desenvolvidos em CUDA para usuário final: o Badaboom Media Converter. Veja a análise completa aqui.

badaboom_screen_small

Concluído os teste de 64 bits, apagamos o sistema operacional do disco e reinstalamos o Windows Vista Ultimate 32 com SP2 com os drivers gravados em CD que acompanharam o produto. Como era de se esperar apesar de o Vista 32 reconhecer a preseça dos 12 GB de RAM, apenas 3 GB eram utilizados pelo sistema.

Novamente, fomos dar uma olhada no índice de experiência do Windows e o score máximo se mateve: 5,9 pontos em todos os itens!

asus_p6t_vistaexp_32

Nos testes realizados, o P6T Deluxe bateu 186  pontos no Sysmark 2007 Preview 1.05 11.887 pontos no PCMark 2005, 23.248 pontos no 3DMark 2006 e no AutoGK 2.45 o P6T levou aproximadamente 43m40s para transformar um filme em DVD para um arquivo AVI de 700 MB. Novo recorde absoluto aqui no Zumo.

Nos testes de renderização com o Cinebench 9.5 o sistema obteve 726 CB-CPU (single CPU) e 2.488 CB-CPU (multiple CPU), um ganho de 3,43 vezes no modo multiprocessado. No Cinebench 10 os resultados foram melhores ainda: 4.176 CB-CPU (Single CPU) e 17.076 CB-CPU (Multiple CPU), um ganho de 4,09 vezes.

Depois de todos esses números, minha impressão da P6T foi bastante positiva já que ela mostrou ser uma plataforma bastante robusta e estável, mesmo trabalhando com um processador acelerado, não travando nem apresentando problemas de superaquecimento durante todo período que ficou trabalhando em nossa bancada. E apesar do sufixo “Deluxe”, um bom número de seus atrativos não são penduricalhos estéticos e sim recursos realmente úteis como o Express Gate e o OC Palm, que realmente adicionam valor ao produto.

Outro destaque precisa ser dado ao processador Core i7, que como seu antecessor, está mostrando ser um sucessor a altura da linha Core 2 Duo/Quad o que pode garantir a hegemonia tecnológica e o mais importante ainda, a impressão por parte do consumidor que vale a pena investir na plataforma do pessoal de Santa Clara e até mesmo numa placa-mãe do pessoal de Taiwan.

Quem viver verá.

logo-zumoindica

Resumo: Asus P6T Deluxe — OC Palm Edition
O que é isso? Placa mãe com chipset X58 express para entusiastas e gamers.
O que é legal? Rico em recursos, estável, compatível com SLI e Crossfire.
O que é imoral? Não é compatível com memória DDR2 nem chips LGA 775.
O que mais? Recomenda-se o uso de pelo menos 3 ou 6 pentes de memória.
Avaliação: 8,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.499
Onde encontrar: br.asus.com

Veja também todas as notas da Zumo-caverna relacionadas com este review:



Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.


RSS Podcast SEM FILTRO




+novos