Review: Nokia N95

R

Faz quase tudo. Essa é a melhor definição do Nokia N95, um celular que faz o trabalho de PDA, câmera fotográfica de 5 megapixels e tem Wi-Fi e GPS integrados. É um minicomputador de bolso, para resumir, desempenhando bem a maioria das tarefas que propõe. Clique para ler o review completo.

A interface do N95 segue o padrão dos outros telefones da N Series da Nokia, com o sistema operacional Symbian S60 versão 3.1. Teclas de acesso dedicado levam ao menu principal, ao menu multimídia, à câmera fotográfica e à galeria de fotos, além de controlar o volume do aparelho. Como já ocorre em outros aparelhos da fabricante com Symbian, a integração com o PC funciona sem problemas – dá pra sincronizar agenda, calendário, contatos, músicas e instalar programas novos no N95, entre outras opções.

Olha a Mia no fundo da tela!Seu lado “celular” é compatível com redes GSM, EDGE e 3,5G (somente na Europa). Por aqui, funcionou com a rede EDGE da TIM sem problemas para acessar a internet. O design compacto não chama muita atenção até deslizar a tela para cima – quando aparece o teclado numérico – ou para baixo, com os controles do MP3 player. Quando isso ocorre, aparece uma tela com as opções de multimídia (foto, vídeos, música, downloads). Detalhe: as imagens que aparecem no fundo dessa tela não são estáticas e dá para programar um slideshow com suas próprias fotos. É um detalhe simples, mas que faz diferença.

Ponto pra Nokia ao colocar um plug de 3,5 mm convencional para os fones de ouvido. Desse modo, qualquer fone funciona com ele, (como ocorre no Motorola ROKR E2) e o N95 vem ainda com um extensor de fones com controle remoto e microfone, para ouvir música e falar ao celular sem precisar tirar o telefone do bolso (ou bolsa). Com 1 GB de memória no cartão removível e mais 160 MB de memória interna, tem espaço bastante música (e o que mais quiser) no N95. O MP3 player é fácil de usar e tem uma interface melhor que a do Nokia N73 ou do N80. O único problema é ter que atualizar a biblioteca musical toda vez que se insere músicas novas no cartão de memória.

A câmera digital de 5 megapixels do Nokia N95 é boa, mas não é a melhor câmera de celular que eu já testei. Mesmo com os 5 megapixels, ainda acredito que o melhor resultado final está, por enquanto, nos modelos da Sony Ericsson (como o K790i). À primeira vista, as imagens (quando em formato pequeno ou publicadas na web) são excelentes. A câmera não tem zoom óptico.

Ao olhar as fotos em tamanho natural, percebe-se algum ruído na imagem e uma tendência para o azulado. Entretanto, o flash da câmera é bastante eficiente e não “estourou” fotos feitas dentro de um restaurante, por exemplo. Dá para publicar (pela rede de dados ou por Wi-Fi) as fotos tiradas diretamente no Flickr. A câmera do N95 faz ainda vídeos básicos com boa qualidade para o YouTube (a 640 x 480 e 30 frames por segundo, o que é bastante para um telefone). Não é como a câmera do N93 (com zoom óptico), porém vale pra vídeos domésticos.

A estrela mesmo do N95 é a conectividade Wi-Fi, que funciona em paralelo (se você quiser) com o celular ativado. Dá para chegar a uma loja do Starbucks, por exemplo, e navegar na web. A Nokia melhorou bastante o gerenciamento de redes wireless. Se com o N80 era irritante ter que digitar toda vez a senha da rede para acessar uma página diferente, o N95 resumiu a tarefa a uma única vez. A partir do momento que a rede Wi-Fi está nos seus “favoritos”, ela sempre estará pronta para funcionar quando você precisar. Se quiser economizar bateria, é possível desabilitar a função. O navegador tem um leitor de RSS integrado. Basta cadastrar seus sites preferidos e ler resumo deles em um modo muito mais fácil e prático na tela do celular.

FringA existência do Wi-Fi no N95 abre as portas para outro tipo de telefonia: usar VoIP no celular. Aparelhos corporativos da Nokia, como o E61, têm integração com telefones IP de grandes empresas. O N95 permite isso também e, com a ajuda de programas de outras desenvolvedoras, dá até para falar no Skype com ele. Eu instalei uma versão do Fring, um cliente que se integra ao Skype, Google Talk, MSN e outros protocolos SIP.

Falei no Skype com pessoas online (o Fring, sim, vai pedir a senha da rede wireless algumas vezes), depois liguei via SkypeOut para um celular. Funcionou razoavelmente bem, apesar de a qualidade da ligação mostrar certo atraso. Para quem está no exterior e tiver acesso a uma rede Wi-Fi, falar ao celular com o Brasil não vai ser mais um problema. Ainda consegui fazer chat (viva o T9) no Google Talk e no MSN.

Último detalhe: o N95 inaugura, pelo menos no Brasil, uma era de celulares com GPS integrado. Não testei (por pura falta de tempo) esse recurso.

Resumo: Com MP3 player, câmera de 5 megapixels e Wi-Fi integrados e tudo isso funcionando em multitarefa, o Nokia N95 é um bom (e caro: R$ 2,5 mil, em média) aparelho. Se você não quer/não vai esperar pelo Apple iPhone (sabe-se lá quando chega ao Brasil), o N95 é a alternativa mais completa até o momento.

***

Uma boa comparação entre o N95 e o iPhone foi feita pelo pessoal do IntoMobile e do Symbian Guru: vídeos no estilo “Mac x PC”. N95 tocando música

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin é o fundador do ZTOP+ZUMO e da newsletter de tecnologia Interfaces. Já escreveu na PC World, PC Magazine, O Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo e criou o ZTOP+ZUMO em 2007, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos