Review: Motorola Xoom 2 Media Edition

R

O Motorola Xoom 2 Media Edition, lançado no final de 2011 no mercado brasileiro, é o sucessor multimídia do Xoom, primeiro tablet com Android 3.0 à venda por aqui. É, sem dúvida, um produto melhor que o original (anunciado na CES 2011), embora algumas questões de design permaneçam no aparelho.

Nas especificações técnicas, o Xoom 2 Media Edition traz um processador dual-core de 1,2 GHz e tela de 8,2 polegadas (1280 x 800) com Gorilla Glass e proteção contra respingos, câmera traseira de 5 megapixels com flash LED e dianteira de 1,3 megapixel, 1 GB de RAM e 32 GB de armazenamento interno. E a versão vendida por aqui é apenas Wi-Fi (sem 3G para você), rodando Android 3.2.

O tamanho do tablet é mais agradável pela dimensão da tela, mais fácil de pegar e segurar.

O acabamento nas bordas é emborrachado. Na parte traseira…

…o Xoom 2 tem uma câmera que filma em HD (720p) e fotografa em 5 megapixels…

…e o botão de liga/desliga (à direita) e o controle de volume. Essa questão do botão traseiro confunde quem usa o tablet, como no Xoom original, já que a superfície emborrachada confunde um pouco sem olhar para a parte de trás do gadget. No geral, o design do Xoom 2 Media Edition é melhor que do Xoom original (mas precisava ter tanto parafuso à vista na parte de alumínio?).

Nos aplicativos pré-instalados, o Xoom 2 Media Edition sofre de um misto de diversão (Netflix, games, controle remoto) e produtividade (Citrix, Fuze Meeting, GoTo Meeting, Polycom Video). Pelo nome do produto (“Media Edition”), achei curioso o produto vir com tais apps corporativos instalados – é para consumidor doméstico ou corporativo, afinal?

Na parte de diversão, destaques para o Twonky, para acessar conteúdos de outros computadores/smartphones via DLNA.

Como o smartphone Motorola RAZR, o Xoom 2 conta com o software MotoCast, para troca de arquivos com o PC/Mac via Wi-Fi.

Um comentário geral: finalmente o Android Market para tablets evoluiu para uma interface melhorada.

A oferta de aplicativos, porém, continua limitada para tablets, mas já é maior que em comparação com o que estava disponível quase um ano atrás.

Ainda no software, o Xoom 2 Media Edition veio com o SwiftKey Tablet instalado – um teclado dividido que facilita bastante digitar na tela grande usando duas mãos.

O navegador padrão do Xoom 2 roda Flash, como os demais tablets Android. Ainda sou fã da sincronia de dados entre o Chrome do computador e o navegador do tablet via conta do Google.

Multimídia

O que importa no Xoom 2 Media Edition, independente do monte de tralha corporativa pré-instalada, é como o tablet multimídia (está no nome do produto, caramba). Como é comum nos tablets Android, não existe suporte nativo a codecs de vídeo além do MPEG-4/H.264 (comuns ao mundo Apple, por sinal).

A Motorola poderia ter instalado os codecs mais comuns (como AVI, por exemplo) no Xoom 2 Media Edition, como já tinha feito no RAZR (ou a Samsung fez no Galaxy Tab 10.1). A solução? Baixar o velho conhecido Dice Player, que agora tem uma versão gratuita com anúncios.

Aqui, o mais interessante é o áudio: a Motorola chama o recurso usado de “Som Surround Virtual”, e a experiência é realmente boa para ouvir sem fones. Um exemplo em vídeo da reprodução de músicas e do nosso arquivo padrão de vídeo “Big Buck Bunny” em 720p, 480p e 1080p – sem engasgos.

E a reprodução de vídeo em screenshots de diferentes definições: 480p

720p

e 1080p. Repito: sem engasgos em nenhuma delas (e em outros arquivos AVI/MKV testados). Ponto pro hardware do Media Edition.

Sob testes:

O Xoom 2 Media Edition se encaixa em uma nova geração de tablets com Android. Ainda não é o aparelho com Android 4.0 e Nvidia Tegra 3 (Asus Transformer Prime, te esperamos!), mas tem desempenho geral (Quadrant e Antutu) e de navegação (Vellamo) maiores, mas em alguns casos ainda muito próximos, dos benchmarks realizados nos tablets de 2011 (Asus Transformer, Asus Slider, Samsung Galaxy Tab 10.1, Samsung Galaxy Tab 8.9os números abaixo são de uma unidade de review estragada pela interface da operadora Claro, sem serviços do Google e com busca do Yahoo! – e Positivo Ypy).

A duração da bateria fica dentro das estimativas da Motorola (6 horas para uso direto no Wi-Fi e 6 horas para reprodução de vídeos). Na prática, duas horas de Angry Birds drenaram 60% da carga 🙂

Conclusão

O Motorola Xoom 2 Media Edition é mais um dos inúmeros tablets com Android que tenta, de algum jeito e sem muito sucesso, abocanhar o espaço de mercado que o Apple iPad conquistou nos últimos dois anos (ou 15 milhões de unidades em um único trimestre). É um bom aparelho? Sim, cumprindo bem sua missão de tablet multimídia, mas surge em um momento de transição de plataforma, com a chegada em breve dos aparelhos quad-core Tegra 3 e Android 4.0 e, quem sabe, do iPad 3 no próximo mês.

A questão dos aplicativos ainda importa (e estou falando de qualidade, não quantidade): para ficar em um exemplo, muitos apps de revistas ainda redirecionam para o site delas (não existe uma “Wired” para Android como existe para iPad). Espero que o Android 4.0 traga boas notícias.

Pelo preço sugerido de R$ 1.299 e sem opção de 3G, vale a compra quando o preço baixar em alguns meses, caso você realmente precise de um tablet Android.

Resumo: Motorola  Xoom 2 Media Edition
O que é isso? Tablet com sistema operacional Android 3.2.
O que é legal? Bom desempenho multimídia, som surround, resolução da tela
O que é imoral? Apenas conectividade Wi-Fi, botão de liga-desliga na parte traseira confunde o usuários
O que mais? Câmera HD razoável, vem cheio de apps corporativos
Avaliação: 7,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.299
Onde encontrarMotorola

 

 

 

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos