Review: Motorola Milestone

R

O Motorola Milestone (Droid para os íntimos), pensando bem, foi uma aposta certa na hora errada, pelo menos em termos de lançamento de produto. Pense bem: você é a Motorola, atolada em problemas e sem nenhum grande sucesso de vendas nos últimos três anos (tudo bem que o V3 ainda vende bem, e custa caro!).

Anuncia o Cliq/Dext, um aparelho simpático com um curioso serviço online e faz algum barulho com isso. Pouco mais de um mês depois, na surdina, lança o Droid (Milestone para o resto do mundo), que é o Jesus-phone que realmente pode salvar sua companhia. E não é que pode mesmo?

Muito, mas muito mesmo, já foi dito do Milestone nos últimos dois meses. Fato: é um aparelho com hardware extremamente decente que é melhorado pelo uso do Android 2.0. Meus principais destaques no uso do Milestone, para você entender (pelo meu ponto de vista) porque vale a pena investir seus reais nele:

1) A tela é gigante. 3,7 polegadas brilhante, com controle de brilho em uma das telas principais (com uso de um widget). Sim, é um ímã de dedos, touchscreeen decente (não excelente como do iPhone). E navegar na web é uma delícia com uma tela grande (chavão, chavão… mas é verdade!). Desligada, é como um espelho (só não reflete vampiros).

2) Por conta da tela, a experiência multimídia no Milestone é incrível. O Android, mesmo na versão 2.0, ainda tem suas limitações de compatibilidade de arquivos. Para vídeo, por exemplo, só roda arquivos MPEG-4 (curiosamente, transferi alguns vídeos que converti para o iPod touch e eles rodaram sem nenhum engasgo). Nada de AVI ou DivX, pelo menos de forma oficial. Ver vídeos no YouTube também é uma boa experiência – em HD, claro (isso o Dext também faz, por sinal, mas com a tela menor).

3) Aplicativos do Android 2.o tornam o Milestone pronto pro mundo corporativo. O Milestone é cheio dos recursos corporativos que o povo de TI adora: integração com Exchange, múltiplas contas de e-mail (incluindo o Gmail) e algo que eu acredito ser uma incrível ideia para celulares: nada de software para sincronização com o PC, porque…

4) Está tudo na web: o Moto Phone Portal resolve o problema. Ligue o Wi-Fi do Milestone, ative o Phone Portal no aparelho e digite o endereço IP que o celular fornece – pronto, contatos, fotos e configurações básicas direto do browser, com gerenciamento simplificado.

5) Ainda os aplicativos do Android 2.0: programas como o Google Goggles só rodam no 2.0 (quer dizer, o Googles roda a partir do 1.6). E garantem a diversão com termos, logotipos e palavras aleatórias enquanto você espera a sua esposa comprar sapatos. O visual do Android Market foi modificado para o 2.0 também e está mais fácil de encontrar programas.

6) Não há bloqueios ou limitações por parte da operadora (por enquanto): a Vivo deixou o Milestone limpo do jeito que o Google liberou o sistema operacional para o celular. Nada de busca customizada pro Yahoo ou aplicativos travados (grande decepção do Motorola Dext na Claro). Não existe MotoBlur para o Milestone ainda, mas a integração com contatos do Google (e o incrível widget da agenda do Facebook) resolvem parcialmente isso, junto com clientes dedicados para as redes sociais.

7) Teclado: é um ponto polêmico, prefiro o do Dext com suas teclas arredondadas e o joystick de navegação no lado esquerdo do teclado. O do Milestone é um pouco mais incômodo de usar (e o joystick fica do lado direito).

8 – Telefone: como no Dext, não existe um botão dedicado para ligações. O Android 2.0, entretanto, tem um recurso curioso: comece a digitar qualquer coisa e o sistema inicia uma busca, que pode discar para o número, criar um novo contato ou pesquisar o número (ou termo) na web. Mas um botãozinho físico para ligar e um para desligar fazem falta, isso é fato. Como no Dext, a qualidade da ligação é muito boa.

9) Vem com uma base – que o transforma em um rádio-relógio (!). É o fim dos rádios-relógio como os conhecemos, definitivamente.

10) É mais barato, na teoria, que o Dext, com uma tela maior e mais recursos graças ao Android 2.0.

Conclusão: Milestone coloca a Motorola de volta à disputa pelo mercado de celulares, ou pelo menos no mercado de smartphones (aquelas coisas com Windows Mobile não contam, tá? Vamos fingir que aquilo não existiu). Isso vale, acredito, pelo menos até a chegada do Nexus One ao mercado brasileiro:)

Resumo: Motorola Milestone
O que é isso?
Smartphone com sistema operacional Android 2.0.
O que é legal? Tela enorme, contas do Google facilmente configuráveis, boa duração de bateria (mais de 10h).
O que é imoral? Câmera de 5 megapixels sem grande destaque, teclado incômodo, design quadrado e antiquado.
O que mais? Bom telefone, conectividade 3G, tem Wi-Fi e GPS,
Avaliação: 8,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 599 com plano de 200 minutos + 500 MB de dados (mensalidade de R$ 169 em São Paulo).
Onde encontrar: Motorola / Vivo

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin é o fundador do ZTOP+ZUMO e da newsletter de tecnologia Interfaces. Já escreveu na PC World, PC Magazine, O Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo e criou o ZTOP+ZUMO em 2007, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos