ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Review: Lenovo Thinkpad X1 (2 de 3: por dentro do portátil)

Na parte 1 do review do Lenovo Thinkpad X1, introduzimos o produto. Agora, continuamos nossa análise dos seus recursos de áudio e vídeo e descobrimos o caminho para o seu mundo interior.

Existe algo que realmente não gostei no X1: o tamanho e resolução da sua tela de 13,3″. Apesar de sua resolução nativa de 1.366 x 768 ser bem popular nos dias de hoje — presente nos eeePC 1201t da Asus até o Samsung Série 9 —, acredito que um equipamento “premium” na faixa de preço do X1 merece uma tela maior (já que espaço vago na moldura tem, e bastante) ou pelo menos com resolução mais alta. Só para comparar, a tela do X300 vinha com uma tela de 13,3″ , mas com resolução WXGA+ (1.440 x 900 pixels).

Como já vimos na parte 1, a tela do Thinkpad X1 é protegida por uma camada de Gorilla Glass, com certeza uma novidade muito bem-vinda, já que era a parte mais frágil do computador.

E quando digo resistente, eu quero dizer beirando a ignorância:

===

===

Entretanto, o consumidor paga um preço por essa proteção extra: a ausência do acabamento anti-reflexivo, um recurso ainda muito apreciado no mundo corporativo e até por muitos usuários domésticos também, diga-se de passagem.

 

Segundo a Lenovo, uma das explicações para o uso de um painel com uma borda tão larga é que o espaço extra serve para aumentar a rigidez estrutural da tela de apenas 6,5 mm de espessura. Note que, ao contrário dos concorrentes, a fabricante não tira proveitos de bordas finas ou qualquer outro subterfúgio que passe a impressão de que o portátil é mais fino do que realmente é.

A webcam da X1 é capaz de capturar vídeos em HD (1.280 x 720 pixels) e, de acordo com a fabricante, seu sensor foi projetado para funcionar mesmo em ambientes com iluminação ruim.

Interessante notar que o microfone embutido do X1 fica na borda inferior do teclado e é capaz de cortar os ruídos do ambiente e até mesmo do teclado…

… podendo até ser programado para priorizar a captura da voz de uma ou de várias pessoas. Some se a tudo isso o sistema de som Dolby e temos um sistema bastante sofisticado para fazer videoconferência ou ligações de VoIP, como o Skype.

À direita dos microfones vemos os três únicos indicadores luminosos do X1, que informam o funcionamento da conexão sem fio, da interface Bluetooth e do acesso ao disco rígido (yay!). Curiosamente, o indicador de Caps Lock agora é por software.

Como é comum nesses computadores mais leves e finos, a lateral do X1 possui poucas entradas e saídas. No lado esquerdo podemos ver a saída de ventilação do cooler do processador, a porta de som, uma USB e a saída de som do alto-falante esquerdo.

Como já é comum nos celulares, a saída de som estéreo e a entrada de microfone do X1 estão combinados em um único conector e que fica ao lado da porta USB 2.0. Eles são protegidos por uma tampinha de borracha que, na minha opinião, tem uma função mais estética do que prática, já que além do trabalho de abrir e fechar essa tampinga, esses conectores USBs afundados na lateral do portátil impedem a conexão de dispositivos de formato mais exóticos ou fora do padrão.

Do lado direito temos a chave que liga/desliga a interface Wi-Fi, a saída do falante direito, o slot para cartão SD e o compartimento do HD.

De fato, a maioria das portas e entrada e saída do X1 concentram-se na parte de trás do portátil, o que para mim faz bem mais sentido do que ter diversos cabos saindo das laterais.

A partir da esquerda temos a porta de rede Gigabit Ethernet montada exatamente sob a dobradiça do teclado, por sinal o único local onde cabe essa interface.

Logo a direita temos o slot para cartão SIM, porta USB 3.0 e HDMI…

… ao lado de uma Mini DisplayPort (uia!), uma porta eSATA + USB Powered Combo e a entrada da fonte de alimentação de 20 volts padrão da Lenovo o que significa que — no caso de perda ou esquecimento — qualquer fonte de alimentação de Thinkpads lançados nos últimos 2 ou 3 anos (facilmente reconhecível pelo seu conector cinza e ponta amarela) pode ser usada no X1.

De fato a fonte que acompanha o produto é um modelo de 90 watts (P/N 42T4427), sem fio terra (yay!) e que normalmente acompanha os modelos mais mainstream da empresa, como a linha T.

Como a bateria do X1 é embutida no seu gabinete, sua base é uma das mais limpas que já vimos em um Thinkpad, sem nenhuma conexão para docking station ou tampa que dê acesso aos seus componentes internos.

De fato, a única porta existente na sua base é uma conexão para bateria externa…

… que pode ser adquirida à parte…

…e que se encaixa na base por meio de um engenhoso sistema de instalação/remoção de cinco passos e que adiciona mais 390 gramas de peso ao conjunto e eleva a altura da sua parte de trás para quase 4 cm (contra 2,4 cm sem a bateria). Com isso, também aumenta a inclinação do teclado e a altura da tela em relação à superfície de trabalho.

Ao remover o parafuso que segura a tampa do compartimento do HD, temos acesso ao seu disco rígido de 2,5″ SATA…

… que pode ser facilmente retirada puxando uma lingueta de plástico. Ele se encaixa no compartimento e se mantém firme no local devido ao uso de dois suportes de plástico na cor vermelha.

O modelo analisado veio equipado com um disco SSD da Toshiba, modelo THNSNC128GCSJ de 128 GB.

Observamos porém que apesar do X1 aceitar HDs convencionais de 2,5″, ele deve ser do novo modelo “Low-Profile” que é ligeiramente mais baixo que os modelos mais comuns do mercado.

Como disse acima, a base do X1 não possui nenhuma tampa (ou para dizer a verdade, nenhuma dica) de como acessar os outros componentes internos desse computador. Dando uma olhada no seu manual de manutenção, descobri o acesso não é feito por baixo, e sim removendo o teclado. Note que antes de fazer isso é necessário desligar a bateria interna, o que é feito por meio de um comando (Disable Built-in Battery) dentro da BIOS.

E os principais componentes do sistema concentram-se nessa área. Para uma vista explodida de todos os componentes do X1 clique aqui.

No canto superior esquerdo, podemos ver o conjunto do processador e do seu cooler (em laranja). No nosso caso trata-se de Core i5 2520M “Sandy Bridge” de 2,5 GHz que está soldado diretamente na placa-mãe e não pode ser substituído. Segundo a Lenovo ,o X1 pode também vir equipado com processadores  Core i3 2310M de 2,1 GHz e Core i7-2620M de 2,7 GHz, mas nem todos eles podem estar disponíveis no Brasil.

Interessante notar que seu chipset QM67 Express “Cougar Point” é resfriado por meio de uma aba metálica que transfere o calor do chip para a moldura interna de metal que proporciona a rigidez estrutural desse portátil. Simples e funcional.

Talvez por uma questão de economia de espaço, o X1 vem equipado com apenas um slot para pente de memória DDR3 1.333 MHz, no nosso caso, 8 GB.

Seu cartão Wi-Fi é um Intel Advanced-M 6250 de meia altura, compatível com o padrao 802.11n. Apesar desse cartão possuir apenas saída para duas antenas, o X1 já vem preparado para aceitar modelos com três antenas. Nesse caso o fio branco (solto) que está junto com os fios vermelho e azul.

Ao lado do cartão Wi-Fi temos um slot para cartão PCI Express Mini. Serve para uma rede 3G, mas o manual de manutenção da máquina diz que o slot pode ser usado também…

…para instalar um segundo disco mSATA SSD de até 80 GB simultâneo ao disco principal de 2,5″.

Interessante notar que ao removermos o teclado podemos ver as duas aberturas por onde o líquido que caiu no teclado escorre.

Essas aberturas podem ser facilmente localizadas na base e devidamente identificadas com um ícone próprio.

Amanhã, a parte 3/3: O X1 sob testes e nossas considerações sobre o produto. 

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • É completo ou não é?
    Que venha a parte 3 e o preço final… pra confirmar minha alegria e tristeza respectivamente…
    Parabéns e obrigado
    Abraço

    • mnagano

      O que posso adiantar da terceira parte é que sim — você pode até ficar triste com o final desse review. Entretanto, a boa notícia é que acabamos de receber dos nossos chapas da Lenovo Brasil uma informação que pode aliviar um pouco essa sua dor (algo como 38,5 % a menos de sofrimento). 🙂

      • Aí sim hein… já estou desistindo de comprar algum “brinquedinho com nome de fruta” … vou aguardar … Previsão oficial de início de vendas?

        Vem logo parte 3…

  • marcos

    nusss ainda tem outra parte
    ta completao em

    • Gustavo

      COMPLETO³ !!!!
      Muito bom mesmo

  • Hugo Leonardo

    Show de bola, impressionante a máquina e melhor ainda é o Review do Ztop, é realmente Top, não Brasil essa equipe não perde para ninguém. Ansioso pela parte 3.
    Ah! Achei essa tela muito pequena também.

  • Pingback: Review: Lenovo Thinkpad X1 (3 de 3: sob testes e conclusões)()

  • Pingback: Review: Asus ZENBOOK UX31E (parte 1 de 2)()