Review: HTC Ultimate com Windows Phone 7.5 “Mango”

R

O HTC Ultimate, junto aos andróides Samsung Galaxy S II e Motorola Milestone 3, entra para minha lista de grandes (e não estou falando só da tela) aparelhos que começaram a ser vendidos este ano no Brasil (e espero o iPhone 4S também).

Primeiro modelo com Windows Phone 7.5 “Mango”, o Ultimate une um hardware incrível a um software que ainda não é incrível, mas que promete melhorar bastante.

A tela enorme não faz muito sentido para mim – tenho mãos grandes e, bem, meu dedão não alcança a extremidade oposta da tela. De qualquer modo, o Ultimate causa a sensação de “oh, que diferente esse telefone“.

Ao segurar o Ultimate, ele parece apenas grande por causa da tela (4,7”), mas não por causa do seu peso (160 gramas) ou espessura (9,9 milímetros). Ponto para a HTC, que caprichou bastante em outros pequenos detalhes – som, câmera – do aparelho.

O hardware

O Ultimate segue a configuração básica dos Windows Phones. Para quem não sabe, a Microsoft forçou os fabricantes a seguir um padrão para seus aparelhos – mais notadamente o uso de processadores Qualcomm (aqui, um Snapdragon MSM8255 single-core de 1,5 GHz).

A ideia, similar ao que a Apple faz com o iOS, é evitar a fragmentação do sistema operacional em diversas versões distintas para inúmeros aparelhos (quem tem Android sabe bem do que estou falando, com updates de OS que dependem mais dos fabricantes e da bênção das operadoras para serem liberados meses e meses após seu lançamento).

Na frente do aparelho, como vemos abaixo em comparação com a tela de um iPhone 3GS (3,5 polegadas), apenas o telão, alto-falante e três botões sensíveis ao toque (voltar, Windows, buscar). Se você olhar para outros Windows Phones, os mesmos botões estão no mesmo lugar. Padrão, padrão, padrão.

Atrás, a câmera de 8 megapixels com a lente f/2.2 ressaltada, alto-falantes e o flash LED duplo. A parte inferior da traseira do Ultimate, com a escrita Windows Phone, parece ser removível, mas não é – a peça sai inteira (como veremos adiante).

Do lado direito do Ultimate, o botão disparador da câmera e o controle de volume.

Do lado esquerdo, apenas o conector miniUSB, usado para carregar o smartphone e sincronizar dados com o computador.

Acima, o botão de liga/desliga e o conector para fones de ouvido padrão 3,5 mm.

Finalmente, abaixo, a trava da tampa traseira. Ao ser pressionada, ela revela um segredo interessante do HTC Ultimate.

A tampa traseira sai por inteiro e serve como uma carcaça protetora à tela e ao resto do aparelho. Pense em um “bumper” do iPhone 4 integrado ao aparelho. A HTC diz que a tela é reforçada contra quedas, mas que não usa o popular Gorilla Glass no aparelho.

A parte traseira sem a tampa e sem a bateria de 1600 mAh. Apenas a entrada do SIM card, mas nada de entrada para um cartão de memória adicional (buuuu).

Por conta da capa protetora, é preciso ter alguns pontos de contato entre fone e carcaça para fazer os botões funcionar (liga/desliga/câmera).

A caixa do HTC Ultimate vem apenas com um fone de ouvido estéreo simples com microfone integrado, cabo USB/microUSB e tomada USB para carregar o aparelho.

A câmera

O HTC Ultimate tem dois grandes destaques: a câmera e o som.

Com 8 megapixels de resolução (mais que padrão de mercado), o HTC Ultimate consegue gerar fotos boas e nítidas em condições fracas de luz, mesmo sem uso do flash de duplo LED – para mim, o flash é mais útil em apps como o de Lanterna, ativado para a foto abaixo.

Além da boa qualidade (uma galeria de imagens está no meu Flickr), a câmera é bastante rápida entre cliques, com lag (atraso) mínimo. Clique, revisão rápida, clique.

A câmera tira ainda fotos em modo disparo contínuo e panoramas.

A foto com um corte a 100%, sem edição. Boa nitidez, pouco ruído (mais visível em fotos escuras), foco bom para macrofotografia.

Fiz dois vídeos em condições ruins de luz, e o resultado foi aceitável:

em 480p

e em 720p

Multimídia

O gerenciamento de mídia do Windows Phone tem mais semelhanças com o iPhone do que possamos imaginar.

Toda a sincronia é feita no PC pelo software Zune e no Mac pelo Windows Phone Connector. Fotos, vídeos (em formato MPEG4) e músicas (sem DRM) vão para o telefone. O Zune converte automaticamente os vídeos (incluindo em 720p) para o aparelho, e o app de Mac lê a biblioteca de vídeos do iTunes. Como já tinha alguns vídeos convertidos, foi só transferir. Nada de suporte nativo a DivX e formatos estranhos, como MKV.

Ouvir música no HTC Ultimate é incrível. Não sou audiófilo, gosto de fones bons (uso um in-ear com controle de volume da Sennheiser) e o resultado sonoro do aparelho é excelente. O visual do player de música (oi Zune, de novo!) também ajuda bastante.

E mesmo na tela de espera do aparelho o player modifica o fundo. Detalhe simples, básico e bonito.

A qualidade de som se dá graças à tecnologia SRS presente no HTC Ultimate (melhor que o equalizador com pré-definições de áudio). Som alto, claro, com bons graves. Falta apenas um par de fones de ouvido melhores com o aparelho.

O navegador Internet Explorer 9

O navegador Internet Explorer 9, como seus colegas de iOS, não roda sites com Adobe Flash. Nenhum. Zero. Não existe plug-in para isso. Testei minha seleção (We Choose the MoonMoodstreamMonofaceWaterlifeLouis Vuitton Legends e Marc Ecko) e entrei em um por um. Todos com uma negação/pedido de baixar o Flash/pedido de atualizar o Flash.

Fiz alguns testes rápidos comparando o navegador do Ultimate com dois aparelhos da concorrência (iPhone 3GS e Motorola Atrix) ao acessar sites e rodar o benchmark SunSpider.

Os resultados são diversos: alguns sites, na mesma conexão Wi-Fi e todos com navegador com cache limpo, abrem mais rápido no IE9 do Ultimate. Outros, no navegador padrão do aparelho concorrente.

Navegadores: IE9 vs webkit (iOS 5):

Navegadores: IE9 vs Android 2.2:

Em ambos os testes de SunSpider, que avalia o desempenho do JavaScript no navegador, o IE9 do Ultimate foi mais lento, com mais de 20 segundos de diferença entre o final do teste tanto no iOS 5 quanto no Android.

Teste SunSpider contra o iOS 5:

Teste SunSpider contra o Android 2.2:

Eu, particularmente, não gosto do modo que o IE9 do Windows Phone renderiza fontes. Pelo menos tem a opção de entrar automaticamente em sites completos, passando por cima da opção móvel.

Software da HTC

Além dos mais de 35 mil apps para download (pagos ou gratuitos) na lojinha Marketplace, da Microsoft, a HTC incluiu alguns aplicativos dela para aprimorar algumas coisas no Ultimate.

O primeiro é o HTC Hub, central de tempo/notícias/ações. Visual já conhecido dos Androids da fabricante, certo?

E com a previsão do tempo mais legal de todos os tempos em um telefone, cheia de animações. Pena que as nuvens aí, que aparecem em movimento, tenham som – e interrompem o tocador de música.

Outro app é o HTC Watch, com trailers de filmes não muito novos. Não entendi sua função.

E um aprimorador de fotos, que aplica filtros, correções e efeitos a imagens presentes no aparelho.

Complementando o preview do Windows Phone agora: O teclado é amplo e espaçoso, sem muita margem para erros. Afinal, a tela grande ajuda. Toque na tela e a letra aparece em pop-up, como ocorre no Android e no iOS.

Para acentuar, basta pressionar por mais um segundo e escolher o que quer.

E, sim, o Windows Phone é compatível com e-mails em HTML. O que acontece é que a Microsoft usa o mesmo método de mostrar emails sem imagens – algo que já é comum no Hotmail por medidas de segurança. Para mostrar, é preciso baixar as imagens.

Basta um toque e elas aparecem.

O HTC Ultimate vem com rádio FM (só funciona quando os fones estão plugados). Mesmo sem eles, a reprodução de som (não faça isso em locais públicos) é alta e clara. E eu adorei o controle numérico de volume.

A navegação por mapas é feita via Bing Mapas, e a interface simplificada me ajudou a encontrar um endereço no modo ponto-a-ponto.

Tem a integração do Xbox Live com o Windows Phone também. Joguei Angry Birds e não foi nada além do comum… Vale mais para juntar amigos (que jogam, claro), como o Game Center, do iOS.

E, mais importante para um smartphone, uma integração forte com o pacote Office e o SkyDrive (que armazenana dados na nuvem). Sim, abre DOCX.

E a busca padrão é via Bing. Não tem a opção de trocar o buscador, mas confesso que ele encontrou tudo que eu procurava (na maioria, endereços de sites), em português ou inglês.

O Marketplace tem o básico necessário para a vida com smartphones (Whatsapp, Foursquare, Facebook, Seesmic), muitos games (pagos) e a bobagem de sempre (mulher pelada, peidos).

Finalmente, o HTC Ultimate também é um telefone. Boa qualidade de ligação, boa qualidade de som. Sinto falta no Windows Phone a presença constante do indicador de bateria/sinal/conexão 3G/Wi-Fi no topo da tela.

Sob testes:

Como já faço com smartphones Android, rodei alguns testes de desempenho para avaliar o HTC Ultimate, gratuitos e presentes no Marketplace. Para comparação, usei o HTC 7 Mozart, presente nas tabelas de resultados de todos os aparelhos:

  • WP Bench (desempenho geral): 96,59 pontos no teste de velocidade (foi a nota mais alta no gráfico comparativo final, 61,63 pontos no HTC 7 Mozart)
  • WP Bench (stress de bateria) 03:15:52 
  • PiBench (cálculo de Pi): 10.496 ms (também o primeiro resultado, contra 12.047 ms no HTC 7 Mozart)
  • Benchmark Free (desempenho geral): 34 pontos (HTC 7 Mozart: 19 pontos)

Na prática, o uso do HTC Ultimate em um dia resultou, ao final do período de uso (7 horas com navegação na web via 3G, acesso a e-mail e redes sociais e ouvir pelo menos duas horas de música, com pausas) em 39% de carga de bateria. Um resultado impressionante, por sinal. Não usei o aparelho como modem (compartilha a conexão por Wi-Fi).

Conclusões

O hardware do HTC Ultimate oferece um ótimo desempenho, com transições rápidas entre telas, câmera veloz entre cliques e reprodução multimídia e de jogos sem falhas. O sistema operacional Windows Phone 7.5 é a grande evolução e aposta da Microsoft no mundo móvel. Representa um salto enorme em relação ao terrível Windows Mobile do passado e mostra sinais do futuro por aí. Não é preciso aprender a usar um Windows Phone. O sistema é intuitivo, simples e que explora recursos gráficos visualmente interessantes em toda sua interface.

O novo sistema ainda tem alguns passos a seguir em relação à concorrência, notadamente melhorar e ampliar o sistema de notificações e corrigir pequenos bugs no processo. Trazer desenvolvedores que criem apps e serviços exclusivos é outro grande desafio para a Microsoft – vide o sucesso do Instagram no iPhone, por exemplo. O Windows Phone hoje é o diferente e o inovador nesse universo da mobilidade, e em 2012, deve se unificar ao Windows 8 na versão Windows Phone 8 codinome “Apollo”. Pelo histórico da Microsoft em relação aos upgrades de OS nos smartphones, acredito que o HTC Ultimate rode o “Apollo” sem problemas no futuro. Compre agora, garanta o upgrade daqui a algum tempo. Isso, para mim, é agradar o consumidor (e evitar a fragmentação, certo?)

O sistema operacional é bom, e junto a um grande hardware como o HTC Ultimate, o resultado é bastante promissor. O preço sugerido (R$ 1.799 desbloqueado e R$  1.149 no plano Smartphone 100 da Vivo) deixa o smartphone da HTC bastante interessante para o bolso também.

Eu compraria um Windows Phone? Sim, com tela menor. É impressionante ver a tela gigante do HTC Ultimate, mas para os padrões de segurança das capitais brasileiras, chama muita atenção. Gostei muito da integração do sistema e dos aplicativos, principalmente o foco no usuário, não nos apps apenas. E aí, HTC, qual seu próximo passo para o mercado brasileiro?

Resumo: HTC Ultimate

(update: até 20/06/2012, este produto tinha a recomendação ZTOP Indica. Por conta das mudanças de planejamento da Microsoft para o Windows Phone 8 e a falta de atualização para aparelhos antigos, retiramos o selo em 21/06) 

O que é isso? Smartphone com sistema operacional Microsoft Windows Phone 7.5

O que é legal? Câmera boa, som incrível, interface nova, simples e fácil de usar.
O que é imoral? Bateria pode durar pouco, faltam melhores notificações ao sistema operacional.
O que mais?
Não roda Flash, vídeos precisam de conversão via software no PC. 
Avaliação: 
8 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação. 
Preço sugerido:
 R$ 1.799 (desbloqueado, em plano pré-pago)
Onde encontrar: Vivo e HTC

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos