ZTOP+ZUMO

Review: Câmera digital Olympus VG-120

Fabricada no Brasil, a Olympus VG-120 é uma câmera casual que incorpora diversos filtros artísticos que podem ser aplicados na hora de tirar a foto.

Anunciada no início no ano (na época da CES 2011), a nova linha de câmeras Olympus da série VG  tem a proposta de oferecer para o consumidor final um equipamento compacto, simples de operar e relativamente acessível.

A linha inclui os modelos VG-110 (preço sugerido: R$ 399), de entrada equipado com sensor de 12 megapixels e zoom de 4x (27~108 mm em sistemas 35mm) e a VG-120 (preço sugerido: R$ 499), versão mais “premium” equipada com um sensor de 14 megapixels, zoom de 5x (26~130 mm em sistemas 35mm) e suporte para gravação de vídeos em HD (720p a 15/30 qps). Recebemos esta última para testes aqui na ZTOP-caverna.

À primeira vista, o que mais chama a atenção dessa nova linha é o seu tamanho — 9,6 x 5,7 x 1,9 cm (LxAxP) — e peso (120 gramas com a bateria + cartão de memória instalado), entrando com folga em qualquer bolso de camisa. O modelo que analisamos veio na cor preta (para mim, um chumbo bem escuro), mas segundo a fabricante ela também está disponível nas cores prata e vermelho.

Acompanham a câmera o CD com a cópia do manual em PDF e os utilitários Olympus Viewer2 e IB para Windows, fonte de alimentação, cabo USB e de vídeo analógico, bateria, correia de pulso, cartão SD de 4 GB e certificado de garantia local de um ano.

Como era de se esperar de um modelo de entrada, o corpo da VG-12o é todo em policarbonato com acabamento fosco — o que minimiza as marcas de dedos (yay!) —  e proporciona uma excelente apresentação. O fato dela ser leve proporciona uma pegada bastante firme e balanceada. Além do flash, podemos ver no canto superior direito a luz indicadora do temporizador de disparo (2 e 12 segundos) e, do lado oposto, dois furos que são a entrada de som do microfone (mono) embutido.

Como já dissemos antes, sua objetiva zoom de 4,7~23,5 mm/f.2,8~6,5 equivale a uma grande angular (26 mm) até uma tele (130 mm), o que a torna mais indicada para fotos de paisagens, grupos de pessoas, retratos e até fotos de detalhes (mais sobre isso adiante).

No modo grande-angular (26 mm) a VG-120 consegue realmente capturar uma boa quantidade do cenário.

Já no seu modo tele (130 mm) podemos capturar bons detalhes da cena mas não espere façanhas como fotografar as crateras da lua.

Observamos que a VG-120 possui um modo de “zoom digital” que permite aproximar ainda mais a imagem, porém com um significativo sacrifício na qualidade da foto.

Recorte da imagem acima em 100%:

Outra característica que diferencia a VG-110 da VG-120 é o tamanho da sua tela LCD — de 3 polegadas — o que faz com que todos os seus controles se concentrem no lado direito da câmera, bem ao alcance do polegar.

A partir de cima temos o controle de zoom (que também amplia e diminui as imagens no modo de reprodução de imagens), o botão de gravar vídeos, o botão de reprodução de imagens, o botão de navegação (que também funciona para mudar as informações das imagens/tela e deleção de fotos), o botão de menu e de ajuda. Como podemos ver, tudo simples e bastante intuitivo.


No topo temos apenas o botão de liga/desliga e o botão de disparo. Note que sua objetiva pode se estender quase 2,5 cm para fora da câmera no modo tele.

Já na sua base podemos ver a tampa que dá acesso ao compartimento da bateria/cartão de memória. Note a saída de som do seu alto falante logo acima do selo branco e o ponto de fixação para tripé localizado bem no canto direito.

Num mundo cada vez mais suprido por produtos feitos na China é interessante ver que a VG-120 está sendo fabricada no Brasil em Manaus (segundo o CNPJ, pela Foxconn). Mais interessante ainda é notar que a Olympus deixa claro na etiqueta do produto que, apesar de essa câmera não ser made in Japan ela foi projetada pela Olympus em Tokyo  ou seja, mesmo que ela não tenha sido montada por dedicados e laboriosos operários japoneses, pelo menos a sua concepção e alma ainda vêm da terra do sol nascente. E olha que essa nem é a primeira vez que vejo esse tipo de mensagem num eletrônico de consumo japonês made in China. 😛

Henrique comenta: a Apple faz isso desde sempre com o “Designed by Apple in California“.

Na lateral direita temos um ponto de fixação para correia e uma pequena portinha que dá acesso a sua única parte de comunicação…

de desenho proprietário (boo!) que funciona tanto como porta USB quanto entrada de energia e de saída de vídeo analógico. Note que, ao contrário dos concorrentes, que já filmam vídeos em HD, a VG-120 não vem com porta HDMI.

Ao abrir a portinha na sua base, podemos ver os slots da bateria e do cartão de memória flash:

Depois de passar anos tentando emplacar o padrão xD Picture Card, a Olympus parece ter finalmente caído na real e equipou a VG-120 com um slot para cartões SD/MMC/SDHC (mas não SDXC). Uma lição que a Sony aprendeu com os Memory Stick também em suas câmeras mais recentes.

Como é usual nesses modelos de entrada, a câmera vem equipada com 49 MB de memória interna, o suficiente para três fotos de 14 megapixels, seis fotos de 8 MP ou dez fotos de 5 MP. Para facilitar a vida do usuário, a câmera possui uma função Backup, que copia todo o conteúdo dessa memória interna para o cartão SD.

Sua bateria de íons de lítio modelo LI-70B de 650 mAh não é maior que um chocolate mentinha e, segundo a fabricante, tem autonomia estimada de 160 fotos. Nada que salte aos olhos do consumidor mas é o preço a se pagar pelas suas dimensões compactas.

Durante nossos testes notamos que essa bateria pode ser instalada invertida ou mesmo ao contrário (uia!), mas felizmente isso só impede que a câmera ligue. Se você passar por essa experiência, antes de mais nada verifique se a bateria foi inserida corretamente.

Curiosamente, a bateria da VG-120 só pode ser recarregada por meio da sua porta USB, sendo que para isso o usuário pode ligar a câmera a um PC ou a um adaptador de rede elétrica que já acompanha o produto. Na minha opinião, essa solução traz vantagens e desvantagens, já que se de um lado esse procedimento é praticamente o mesmo do que fazemos hoje com os celulares, do outro isso dificulta a estratégia de trabalhar com duas baterias, deixando a de reserva no carregador enquanto usamos a outra na câmera. E se perder o cabo, a vida fica um pouco mais complicada.

Em Uso:

Como já dissemos anteriormente, a VG-120 é uma câmera bastante simples de usar com seus comandos claros e intuitivos. Isso porque ela só trabalha no modo automático, o que pode desanimar aqueles entusiastas que gostam de controlar a velocidade ou abertura do equipamento.

O curioso é que apesar disso, ao pré-focarmos uma cena na tela, a câmera apresenta a velocidade/abertura escolhida. É uma informação importante, principalmente em exposições mais longas (acima de 1/45~1/30 segundo) que podem resultar em imagens borradas (note o indicador vermelho no canto superior esquerdo da tela abaixo).

Esse efeito indesejável pode ser minimizado com o uso do chamado modo DIS, que aumenta a sensibilidade do sensor de imagem permitindo assim usar velocidades mais rápidas, só que  a imagem pode sair mais granulada. O ideal nesse caso é usar uma solução mecânica baseadas em sensor-shift/lens-shift e ausente nas VG-110/120.

Observamos, porém que durante os testes, notamos um curioso atraso de algumas frações de segundo entre a confirmação do foco (quadro verde + bip sonoro) e a foto estar realmente  em foco:

===

===

Na teoria, isso não interfere na qualidade da imagem (já que a câmera não dispara se o foco não estar realmente ajustado), mas pode ser um transtorno em alguns casos, já que ao pressionar o botão de disparo nosso desejo é de “congelar” aquele exato momento que pode não ser o mesmo depois de uma fração de segundo. Aqueles que piscam nas fotos que o digam.

Ao acionarmos o comando INFO (localizado no botão de navegação) temos acesso a um menu rápido com diversos ajustes da câmera (flash, macro, timer, exposição, balanço de branco, ISO e disparo único/sequêncial) e algumas informações essenciais como tempo de vídeo ou de fotos que ainda restam no cartão.

Ao pressionarmos INFO pela segunda vez, surgem na tela linhas de enquadramento baseadas na famosa regra dos terços. Para quem quiser saber mais sobre isso (recomendamos!), dois bons guias em português podem ser encontrados aqui e aqui.

Se pressionarmos o botão MENU temos acesso a uma tela de configuração mais completa já em português.

Interessante notar que a câmera possui um botão de ajuda (?) que fornece uma breve explicação do ajuste em questão (nesse caso o Pixel Mapping). Para maiores esclarecimentos de todos os recursos do menu, sugerimos a leitura do manual de instruções da VG-120 que pode ser baixado aqui.

Com relação ao seu desempenho, uma coisa que notamos é que a qualidade da imagem pode variar de acordo com condições locais sendo que a regra geral parece ser que, quanto melhores as condições de luz do cenário melhor a foto, tanto nas cores quanto no nível de detalhamento.

Recorte da imagem acima em 100%:

Apesar disso tudo, um tipo de aplicação que achamos que a VG-12o realmente se destaca é no seu modo macro que produziu resultados muito interessantes para uma câmera da sua categoria. Nesse caso, ela possui dois ajustes: o chamado macro “normal”  cuja distância mínima de foco é a partir de 20 cm…

… e o Super-Macro, que trava a posição da lente zoom num ponto de máximo desempenho óptico, permitindo assim focar objetos a distâncias de até 7 cm da lente.

Recorte da imagem acima em 100%:

Fora isso, a VG-120 conta com diversos modos criativos como o modo Panorama, que junta até 10 fotos tiradas (uma de cada vez) tanto na horizontal quanto na vertical em qualquer direção…

E os tradicionais modos de cena que oferecem ajustes pré-programados para fotografar Mascotes, Retratos, Paisagens, Cenas Noturnas, Retratos Noturnos, Ação/Esportes, Festas, Luz de velas, Auto-retratos, Pôr do Sol, Fogos de Artifício, Comida, Documentos e Praia/Neve.

Para facilitar a vida das pessoas a câmera também possui um modo Automático-inteligente (iAuto) onde o equipamento analisa a cena e faz todos os ajustes que ele ache necessário, incluindo o uso ou não do flash.

Caso contrário o usuário pode optar pelo chamado modo Normal ou Programa (P), que calcula apenas a velocidade/abertura permitindo que o usuário faça outros ajustes como usar o flash, selecionar o ajuste de branco ou mesmo aumentar ou diminuir a exposição em mais ou menos 2 pontos.

Entretanto, a grande atrativo da VG-110/120 é a implementação dos Filtros Artísticos (Art Filters), uma série de efeitos que podem ser aplicados diretamente na foto no momento em que ela está sendo tirada. São no total sete filtros, cuja utilidade é uma questão de opinião/gosto pessoal.

No modo Pop Art a câmera aumenta exageradamente a saturação das cores,  produzindo resultados interessantes e até agradáveis naquelas situações onde queremos destacar as cores, mesmo que elas sejam meio irreais.

O modo Estenopeia reproduz o efeito obtido com as câmeras Pinhole, onde a lente é substituída por um furinho na câmera o que gera esse curioso efeito de túnel de sombra.

Já o modo Olho de Peixe reproduz o famoso efeito grande angular sem correção de perspectiva.

O Modo Desenho procura realçar apenas os contornos da imagem em preto em um fundo branco:

Já o modo Soft Focus suaviza o foco e as cores produzindo assim um efeito meio etéreo, muito usado em retratos.

Eu ainda não entendi porque esse efeito foi batizado de Punk, que cria uma imagem monocromática chapada (sem meios tons de cinza) sobre um fundo Pink.

Finalmente, o modo Cintilante é um dos efeitos mais sutis, já que ela identifica os pontos de alto brilho e aplica um efeito de brilho cintilante na forma de cruz.

Com relação à gravação de vídeos em alta definição, a VG-120 grava suas imagens em formato AVI/MPEG na resolução máxima de 720 x 1.280 pontos a 30 qps (ou 15 qps se as condições de iluminação não forem favoráveis). Sem fazer muitas considerações a respeito, eu não gostei muito dos vídeos gravados. A empresa cumpre o que promete no sentido dela filmar em HD a 30 qps mas a qualidade da imagem em si não está no mesmo nível das suas fotos. O curioso é que a redução da escala da tela no Youtube até ajuda a melhorar o resultado final se comparado com a sua reprodução no Windows Media Player.

===

===

Nossas conclusões:

Para uma câmera com preço sugerido de R$ 499, a Olympus VG-120 é um produto cheio de surpresas (tanto no bom sentido quanto no nem tanto). Se de um lado ficamos encantados com seu tamanho e leveza, facilidade de uso e capacidade de produzir excelentes resultados quando as condições da cena e de iluminação são favoráveis, do outro ficamos meio desapontados com o seu modesto desempenho de vídeo, em especial nesse modelo onde esse recurso está sendo destacado como um diferencial da câmera. E, cá entre nós, o que esperar de uma câmera que filma em HD e não tem conexão HDMI?

Outra característica que nos faz coçar a cabeça é a real necessidade de uma câmera desse tipo vir equipada com um sensor de 14 megapixels, fora o fascínio que os consumidores dos chamados mercados emergentes (ou menos maduros) ainda acham que quantidade de pontos é algo mais importante do que qualidade de imagem. Note que os modelos compactos de luxo de diversas fabricantes como a Panasonic Lumix LX5, a Canon PowerShot G12, a Nikon CoolPix P7000 e mesmo a ZX-1 da própria Olympus adotam sensores de 10 megapixels.

Para mim, uma câmera de entrada com sensor pequeno (1/2,3″) e 14 MP serve apenas para gerar ruído na imagem e encher cartão de memória mais rápido. Só para se ter uma ideia, o cartão de 4 GB que acompanha a VG-120 é capaz de armazenar até 492 fotos em 14 MP (4.288 x 3.216 pixels) no modo fino ou 844 fotos de 8 MP (3.264 x 2.448 pixels) ou 1.356 fotos de 5 MP (2.560 x 1.920 pixels). Nesta última, por sinal, dá e sobra para mandar ampliar uma foto de 10 x 15 cm ou 15 x 21 cm em um minilab fotográfico. Minha sugestão nesse caso é que caso o usuário não costume recortar imagens no Photoshop ou divulgue suas fotos essencialmente na web ou nas suas redes sociais, melhor baixar o tamanho da imagem a ser gravado de 14 MP para 8 MP ou até 5 MP.

Com relação aos modos de operação acreditamos que a VG-120 oferece um ótimo conjunto de recursos que atendem bem ao seu público alvo, tanto aqueles mais interessados em registrar o momento sem se preocupar com ajustes complexos quanto aqueles que gostariam de brincar com seus efeitos especiais, o que pode ser uma mão na roda para quem quer algo simples e direto ou que não sabe usar muito bem programas como Photoshop. É de um certo modo uma câmera bastante divertida.

Assim, minha opinião é que a VG-120 é um produto que poderá agradar aquele usuário amador/principiante que procura uma câmera de uso geral para carregar no bolso e usá-la em passeios, viagens e até mesmo em alguns trabalhos de campo que exijam fotos de detalhes (em especial de muito perto). Entretanto, se você consegue viver com apenas 12 MP, tela de 2,8″ e sem vídeo em HD, nossa sugestão é que antes de bater o martelo, que você também dê uma olhada na Olympus VG-110, que possui praticamente os mesmos recursos da VG-120 (como design, modo de uso e filtros criativos) e que sai por R$ 100 a menos.

 Resumo: Olympus VG-120

O que é isso? Câmera digital topo de entrada para uso casual.
O que é legal? Ótima apresentação e acabamento, fácil de usar, excelente modo macro.
O que é imoral? Desempenho modesto do modo de gravação em HD, porta de comunicação de desenho proprietário.
O que mais? Poderia vir com estabilizador de imagem por hardware e não por software.
Avaliação: 6,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 499
Onde encontrar: www.lojaolympus.com.br

 

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • @mneubert 04/08/2011, 22:13

    Excelente review mas… a dúvida que ficou foi onde conseguir os personagens do Dr. Slump? 😀

    • mnagano 07/08/2011, 12:06

      Digamos que nossos recursos são limitados de modo que faço tudo que posso com aquilo que tenho, o que inclui arrumar alguém para posar para fotos. 🙂

  • fred 03/09/2011, 17:59

    Comprei uma e durante o enquanto a maquina esta no modo para fotografar, sem apertar qualquer botao, fica fazendo um barulho como se estivesse processando algo, a que vc testou apresentou isso tb?
    grato

    • Natalia 12/01/2012, 22:17

      Acabei de receber a minha e ela também faz esse barulhinho! Tava procurando saber se é defeito ou se é da camera mesmo! Como está a sua?

      • cristiano 16/01/2012, 19:26

        acabei de receber a minha e tambem faz este barulho q parece estar processando algo, algeum saberia responder se e um defeito…?

        • Tassia 09/02/2012, 17:12

          Isso nao seria aquela funçao de procurar rostos? A minha chegou ontem e faz esse barulho. Achei q fosse isso

  • Naaty 02/12/2011, 20:46

    Olá por favor preciso muito da ajuda de voces. Eu tenho essa camera, e ela é exelente. Só que eu estou tendo problemas em passar as fotos para o Pc. é estranho, porque quando eu coloco o cabo USB no pc, não aparce nada na tela. POR FAVOR, estou dessesperada, me ajudem !

    Obrigada, Natalia

    • mnagano 04/12/2011, 19:50

      Ao ligar a câmera no PC Via USB as câmeras da Olympus costuma mostrar uma menu na tela LCD perguntando qual em qual modo você deseja, algo como Storage, Conrtrol, Easy Print ou coisa do tipo.

      Para transferir imagens da câmera para o PC é necessário selecionar o modo STORAGE (armazenamento) para que a mesma se comporte como um memory key.

      Se isso não funcionar, eu sugiro retirar o cartão SD da câmera e inserir ela num leitor de cartão com porta USB ou mesmo num slot para cartão de memória Flash caso você possua um notebook.

  • fernanda 04/03/2012, 17:08

    recebi a minha hj, mas não consigo fazer nada, só aparece ProtGrav. o que faço?

    • mnagano 05/03/2012, 06:28

      Aquela chavinha de proteção contra gravação que fica no seu cartão SD não está ativado?

      • jecivan 27/06/2012, 11:23

        a minha também esta co o meso problema ja mudei o botão do cartão de memoria para o lado oposto e não deu em nada…. sera que é algum erro na configuração da maquina?

    • Renata Aguiar 01/11/2012, 11:21

      Olhe se o cartão de memoria não esta trancado, com certeza deve ser isso.

  • Sabrina Varela 06/03/2012, 21:11

    Tem alguma diferença entre essa VG-120 e a VG-120SL ou são a mesma?
    Eu comprei uma no Shoptime de por 269,00 e eles apresentam como VG-120SL.

    • jecivan 27/06/2012, 11:17

      comprei uma também e estou com um problema pois esta em modo protgrav,e não tira foto eu visualizo as fotos,e na hora de passar para o pc e é como se o cartão de memoria estivesse vazio, não passa.como tirar desse modo você sabe? me ajude por favor.

      • Natalia 10/08/2012, 18:16

        o minha maquina tbm aconteceu isso..nao sei oque esta acontecendo..foi do nada apereceu!!Oque será que deu..??Alguem pode me dizer..já tentei colocar o cartao de memoria com todos os jeitos mas nao da certo..:(

      • Renata Aguiar 01/11/2012, 11:27

        Ésó suspender uma travinha q tem no cartão de memória e destrancá-lo.

  • berdam 07/04/2012, 13:42

    Como que eu tiro as fotos em modo panorama, aparece aquele retängulo, a direita, mas n entendi como ela funciona :

    vc saberia me explicar

    • Guilherme ZR 26/04/2012, 16:58

      Olá.
      O modo panorama é meio complicado para iniciantes. Comprei a minha ontem, boiei total no modo panorâmico…
      Depois de muito tempo de pesquisas descobri que é necessário tirar as fotos (no máximo 10) com o modo panorama, instalar o software Ib que vem no CD que acompanha a câmera, e aí então juntar as imagens (o programa faz isso automaticamente).

      Veja aqui: http://www.olympusamerica.com/crm/oneoffpages/crm
      e aqui: http://www.olympus.co.jp/en/support/imsg/digicame

      Estes 2 sites irão ajudar muito…
      Espero ter ajudado! Abraço!

  • silmara 21/09/2012, 23:11

    tenho uma maquina olympus vg 120 e quando ligo ela aparece protgrav ja li os sites, ja mexi com a chavinha para baixo e para cima, mas nao aconteceu nada, o que eu faço e quando eu ponho outro cartao ele pede para formatar, meu computador nao faz, mas vi uma opção na maquina digital formatar, mas nao consigo acessar ela, alguem pode me ajudar.

    • YVANA 09/12/2012, 02:28

      OI PESSOAL….FIQUEI + DE UM MÊS TENTANDO TIRAR FOTO POIS QDO LIGAVA A MÁQUINA APARECIA PROTGRAV…..ENTÃO AÍ VAI A SOLUÇÃO….PEGUE O CARTÃO E NA TRAVINHA AO LADO DEIXE BEM NO MEIO, ASSIM VC CONSEGUIRÁ DESTRAVAR…..NOSSA PESSOAL CHEGUEI LEVAR EM VÁRIOS TÉCNICOS DA CIDADE E NADA…..ENTÃO AGORA VOU TIRAR MUIIIIIIIIIIITAS FOTOSSSSSS…

  • Petter 10/12/2012, 20:48

    Bom Review, mais tenho algo importante que pode ser acrescentado …

    Pra utilizar o zoom óptico no modo gravação de vídeo, bastar desativar o microfone nas configurações do mesmo no menu da câmera !