Retrotech: Faça você mesmo seu Mega Drive Mini

R

Você não precisa esperar até setembro para ter um mini console da Sega (compatível) para chamar de seu e o nosso colega e chapa Rafael Rigues ensina como.

Anunciado pela Sega do Japão no ano passado, a versão “mini” do console Mega Drive deve chegar ao mercado no próximo dia 19 de setembro…

… com 40 jogos já gravados na sua memória cujos títulos irão variar de acordo com a geografia, sendo que a seleção para a região dos EUA e Europa é a seguinte…

… mais dois títulos inéditos (ou quase) como o estupidamente raro Tetris for Mega Drive e o novo Darius que é um jogo de arcade da Taito que nunca foi lançado para este console mas que está sendo adaptado especialmente para o Mini:

Com relação ao seu hardware, acreditamos que ele use a mesma solução adotada pelos concorrentes ou seja, uma reprodução fiel (mas em escala menor) do console original que abriga uma pequena placa de circuito impresso com SoC + memória + software capaz de rodar os jogos acima no modo emulado — e tudo isso pela bagatela de US$ 80 nos EUA onde é conhecido como Sega Genesis Mini:

Fora isso, esse console também traz algumas comodidades do século XXI como alimentação via porta USB e saída de vídeo HDMI o que o torna bem mais amigável com as TVs modernas com tela LCD, o que não é bem o caso do recente console da Tectoy.

Mas pra que esperar até setembro?

Se o novo Mega Drive Mini nada mais é que um computadorzinho besta que roda jogos gravados na sua memória por meio de um emulador, o que impede que alguém faça o mesmo em casa usando hardware de prateleira?

Foi mais ou menos esse o desafio que o nosso colega, chapa e co-fundador deste Ztop+Zumo — Rafael Rigues — resolveu topar e o resultado é o diabinho abaixo:

Como outras montagens que já existem na web, este hardware é baseado numa plaquinha Raspberry Pi

…que roda o emulador Blast16 cuja versão com interface em português foi traduzida pelo próprio Rigues!

Com relação ao gabinete, nosso colega recomenda o uso do Mega Pi Case da Retroflag que vai deixar o projeto ainda mais realista:

Vale a pena ressaltar que na época em que ele (re)montou esse console, o gabinete da Retroflag ainda não existia, de modo que — em nome da originalidade — ele instalou seu Raspberry Pi dentro do gabinete de um Mega Drive 2 original…

… cujo miolo foi doado para ciência e hoje está na bancada de testes do Rigues para ajudá-lo no desenvolvimento de outros projetos:

Com relação aos controladores, ele diz que qualquer gamepad com porta USB funciona mas, em nome da autenticidade, ele também recomenda o modelo Classic USB Controller M também da Retroflag:

Quando questionei o Rigues para que todo esse trabalho (ou mesmo investir num console mini) se posso rodar a maioria desses jogos de Mega Drive num PC, ele respondeu que é por causa da “atmosfera”. Ele tem a cara e comportamento de um console, e você não precisa se preocupar com o Windows atualizando ou o Twitter apitando enquanto joga. É só você e o jogo, sem distrações.

E com relação ao desempenho, não existe a tendência do jogo rodar mais rápido ou mais devagar se comparado com o console original? — Rigues diz que a experiência de jogo é ao do original, já que os emuladores hoje em dia são muito bons. De fato dá até pra “overclockar” o emulador se você quiser, conclui o jornalista.

Assim, se você se motivou a saber mais sobre esse projeto, recomendamos uma visita ao blog do Rigues — http://rigues.badcoffee.info — onde você encontrará o post original sobre este assunto e — o mais interessante — toda a receita de bolo para você fazer um Mega Drive Mini (compatível) para chamar de seu!

Mais informações aqui:

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

Por Mário Nagano

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos