Resumo da semana 23 de 2019

R

Nesta semana: WWDC, Xiaomi no Brasil e (ainda) a Huawei.

newsletter Interfaces com o Resumo da Semana é enviada por e-mail toda sexta-feira e é gratuita. Leia as edições passadas.

Eletrônicos de Consumo

WWDC 2019 – Destaques da longa apresentação da Apple:

O mais importante de tudo: Project Catalyst, uma visão unificada que permite desenvolver apps para Mac, iPhone e iPad na mesma plataforma. Isso nos leva a imaginar os três produtos principais, hoje distintos, rodando sob uma mesma família de processadores.

Eletrônicos de consumo

A Xiaomi chegou a São Paulo com fila de mais de 3.000 pessoas (ou 7.000 durante todo o final de semana) e gente esperando por 45h na porta do shopping Ibirapuera (e até fila na fria quarta-feira à noite).

Nossa análise: alguns produtos têm preços bem legais (como a Mi Band 3 por R$ 199, as lâmpadas conectadas por R$ 179, as mochilas em geral), outros estão caros (como o guarda-chuva de R$ 199 ou o patinete de R$ 3.999) o que precisa ser entendido é qual o público que a operação busca atingir – claramente não é quem compra na China e importa na esperança de não pagar impostos. Repetimos o mantra: é a Miniso dos cacarecos eletrônicos, e isso é ótimo.

Na China, a Xiaomi mostrou uma prévia da sua câmera de selfies inserida embaixo da tela transparente em um smartphone Mi 9. A Oppo também demonstrou algo parecido. É a próxima tendência em telas: sem notch, display com poucas bordas, câmera escondida.

Um perfil da unidade de smartphones da Positivo no Manual do Usuário. Dá a entender que a Huawei ainda é um sonho de consumo deles.

O mercado de smartphones usados no Brasil é enorme: quase 700 mil aparelhos foram vendidos em 2018.

AMD e Samsung fecharam uma parceria por GPUs Radeon no smartphone.

Um update do Samsung Galaxy S10 (que agora tem capinhas que custam mais que o telefone) permite que apps de terceiros (como WhatsApp) acessem a câmera com lente grande angular.

Na China, a Samsung segue com problemas. No Brasil, continua tudo bem: nova loja conceito no shopping Eldorado de SP (Galaxy Studio) e lançamento de tablets (leve impressão que, entre as marcas de tablets, só sobraram Apple e Samsung por aqui, certo?)

Linus Tech Tips construiu uma supermáquina “tipo” Mac Pro anunciado no WWDC.

Guarde esse nome: Luminous, criadora de chips de IA que usam… luz.  (Bill Gates é um dos investidores).

LG ainda vive e pretende lançar um smartphone barato (série W) com três câmeras na Índia. A Nokia/HMD tem uma estratégia para o mercado americano (que envolve operadoras e aparelhos baratos).

Uma análise psicológica sobre o futuro de dispositivos vestíveis (como o Apple Watch).

Linha do Tempo Guerra Fria 2.0

01/6 – A meta da Huawei de ser a número 1 em vendas de smartphones e passar a Samsung está sendo reavaliada (a Huawei nega a pausa na produção, mas o mercado global vai entrar em queda).

02/6 – O fundador da ARM diz em entrevista que o banimento da Huawei vai causar problemas para todo o mundo da tecnologia, incluindo o Google. O IEEE voltou a permitir a revisão por pares por cientistas da Huawei.

03/6 – A unidade de cabos submarinos da Huawei está à venda. No Brasil, a empresa reafirma seu plano de pelo menos três anos para smartphones. Na Finlândia, a Nokia diz que já tem mais contratos 5G que a Huawei.

04/6 – O Washington Post fez um levantamento com 80 especialistas em cibersegurança. 61% deles concordam que o banimento da Huawei não muda nada para os EUA.

05/6 – A Huawei vai ajudar a Rússia a desenvolver sua infra-estrutura 5G em 2020 (CNN chama de “cortina de ferro”). Nos EUA, o banimento vai ser um problema para a internet rural, e a Huawei volta a falar de um acordo de “não espionar” (os americanos que vendem para a Huawei já estão sentindo o peso).

06/6 – O Procon ouviu a Huawei. O Google Brasil fez um comentário controverso sobre a política de privacidade dos chineses. A interface EMUI 9.0 usada pela marca está presente em 80 milhões de smartphones, com previsão de chegar a 100 milhões até o fim do mês.

07/6 – Boa notícia: o Facebook vai parar de espionar em smartphones Huawei, deixando de pré-carregar os apps nos aparelhos – porém os aplicativos podem ser baixados. O Google diz que os EUA ficam em uma situação vulnerável de segurança se o banimento da Huawei prosseguir. O vice-presidente Mourão volta a descartar um veto brasileiro à Huawei no 5G local (e pergunta “cadê a empresa americana?” no desenvolvimento do 5G).

Internet

O evento Google for Brasil deu um balanço da operação do Google por aqui e a empresa fez diversos anúncios – de celular básico com botão do Assistente a certificação online para suporte de TI. O Henrique fez um resumão sobre os três principais tópicos: Wi-Fi gratuito nas Google Stations, privacidade e as coisas inteligentes da Positivo.

Nos EUA, o Google anunciou a data e mais detalhes sobre o lançamento do Stadia, seu serviço de games na nuvem, sem previsão de chegada no Brasil. Torcer para o Stadia ter uma vida longa, diferente do incrível aplicativo Google Trips, que sai do ar em agosto. O site do serviço continua vivo e forte. Saudades do Google Reader.

O YouTube é alvo de críticas cada vez mais constantes e incisivas de produtores de conteúdo LGBTQIA+ que reclamam da falta de ação da plataforma para remover conteúdo que envolve discurso de ódio. A discussão se adensa enquanto, em outro flanco, a plataforma é apontada como um espaço de disseminação de conteúdo para pedófilos.

Olá Spotify Stations: o novo app “light” dá acesso apenas a playlists. Por enquanto restrito aos EUA e Austrália. O Spotify também vai hospedar o podcast do casal Obama.

Adeus, Blackberry Messenger. Causa da morte: falta de usuários no BBM.

O que acontece quando uma rede neural resolve dar nomes a gatinhos para adoção? Kill All Humans, Mr. Sinister, Sparky Buttons ou Tom Noodle são nomes bem aceitáveis 🙂

O governo russo ordenou ao Tinder que compartilhe dados dos usuários (e mantenha cópias de tudo – mensagens, fotos, histórico) por pelo menos seis meses. Já são mais de 175 os aplicativos e serviços de mensagem alvos de ações do tipo pela Rússia.

David Beckham é a estrela de uma campanha contra a malária que usa manipulação de vídeo (criando um deep fake do bem) para fazer o jogador falar outros idiomas.

Mukbang é o nome dado ao ato de fazer vídeos comendo para outros verem no YouTube. É a evolução do ASMR – um caminho longo e tortuoso pelas bizarrices do YouTube.

Um resumo de como a desinformação se espalha em apps de mensagens, usando a eleição na Espanha como exemplo.

Q é a primeira voz sem gênero criada para uso em Inteligência Artificial (ouça).

O TikTok quer se provar uma alternativa viável para anunciantes. O Henrique encontrou um vídeo que só fãs da montanha de purê de batata vão entender.

TechBiz

A Amazon fez em Las Vegas uma conferência sobre o futuro chamada Re:Mars. Entre os anúncios, a promessa de entrega por drones (nos próximos meses), novos robôs para seus armazéns (veja o vídeo) e mãos robóticas em dez anos (!).

Os serviços da Google Cloud derreteram no domingo à noite, tirando do ar YouTube, Gmail e Snapchat em algumas regiões do mundo. Mas pelo segundo ano seguido, o Google roda 100% com energia renovável.

99 tem nova categoria de carros, a 99 Comfort, para concorrer com o Uber Select.

Tudo indica que o Departamento de Justiça norte-americano vai começar a mover ações antitruste contra as big tech (Google, Apple, Amazon, Facebook), que já preparam o lobby em Washington.

Pelo menos a Apple está pronta contra terremotos (de verdade).

A Fiat desistiu da proposta de fusão com a Renault por “motivos políticos”. Um alívio para as grandes montadoras que seriam eclipsadas pela possível nova gigante.

O Android Pit pediu falência na Alemanha. A operação tinha 8 redações na Europa, EUA e Brasil – onde já fechou as portas. Prova de que audiência alta não significa dinheiro no bolso.

Números enormes: Loggi recebeu aporte de US$ 150 mi e virou unicórnio, a Creditas está a caminho (com um valuation de US$ 700 mi pelo Softbank).

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos