Como andam o QSiP e o Always Connected PC no Brasil?

C

A Qualcomm afirma que o QSiP volta a ganhar tração com a chegada de novos modelos e a fábrica de Jaguariúna entrando em operação até o fim de 2020.

Como acontece todo ano, a Qualcomm do Brasil convidou a imprensa especializada para um bate-papo durante a Futurecom 2019, onde Rafael Steinhauser, vice-presidente sênior e presidente da Qualcomm América Latina, falou sobre as novidades da empresa, em especial sobre a tecnologia 5G que virou a queridinha deste evento com diversas empresas apresentando produtos, serviços e soluções que — se não operam com a nova rede — pelo menos de algum modo encaixam esses dois caracteres na sua narrativa.

Isso de um certo modo não deixa de ser um momento de redenção para o pessoal de San Diego, que passou anos falando que o 5G pode ser considerada a uma reviravolta tecnológica tão grande quanto foi no passado a invenção da máquina a vapor, a eletricidade e até mesmo a internet, coisas que definitivamente mudaram a maneira como vivemos neste pedaço de pedra que gira ao redor do Sol.

QSiP volta a acelerar

Mas durante a sessão de perguntas e respostas aproveitei a deixa e perguntei para Steinhauser como estava o desenvolvimento do QSiP no Brasil, já que ouvimos falar pouco dele desde o lançamento do Zenfone com a plataforma Qualcomm SIP 1, por sinal que você leu em primeira mão aqui neste ZTOP + ZUMO:

Segundo o executivo, devido a negociações com a OMC em abril deste ano, o governo anunciou que faria uma adequação de todos os Processos Produtivos Básicos (ou PPB) sendo que o último a ser ativado no último dia 18 foi o chamado “MÓDULO OU COMPONENTE SEMICONDUTOR DEDICADO DE ALTA INTEGRAÇÃO E DESEMPENHO (SiP – System-in-Package)” o que fez com que todas as empresa que a Qualcomm estava conversando colocassem a negociação na geladeira até a regulamentação desse novo PPB e modo que, a partir de agora, as coisas voltam a andar.

Com relação a fábrica de SiP de Jaguariúna a previsão é que ela entre em operação até o final de 2020 com a previsão de que ela comece a produzir e entregar produtos feitos localmente em 2021.

Quando questionado por outro jornalista sobre os rumores de que a Qualcomm estaria saindo desse mercado de SiP, Steinhauser foi enfático em dizer que essa informação não procede, sendo que a contribuição da sua empresa está sendo mais na parte de P&D o que inclui a contratação de muita gente (terceirizada e própria) além de estar construindo um novo laboratório que está praticamente pronto.

Além disso, Steinhauser já confirmou a existência de dois novos SiPs (SIP SDM 632 e o Snapdragon SIP S6125 ) que serão anunciados em breve fora modelos específicos para IoT.

Always Connected PC no Brasil

Com relação ao Always Connected PC (ou ACPC), não existe nenhuma posição oficial sobre a sua chegada no Brasil, mas conversando com um executivo e outro da empresa durante o evento, a impressão que fica é que o problema nem está no hardware em si, já que muitas empresas que já anunciaram produtos como a Asus, HP e Lenovo (que até já anunciou um modelo com 5G) têm presença local e seria só uma questão de trazer o produto lá de fora para iniciar as vendas.

Porém, o ideal é que o lançamento desse produto fosse apoiado pela oferta de um plano de dados capaz de atender ao tráfego de dados gerado por essa nova categoria de equipamento e, é claro, por um preço atrativo — o que não seria o caso dos atuais planos pré e pós-pagos baseados em pacote de dados.

De fato, pode até ser que os primeiros ACPCs chegem primeiro no mercado corporativo onde as empresas têm condições de negociar pacotes diferenciados para ter acesso acesso móvel sem limite de dados.

Fora isso, não podemos esquecer que o ACPC pode se beneficiar — e muito — da tecnologia de redes 5G, o que pode torná-lo ainda mais atraente do que conectado a uma rede 4G ou mesmo Wi-Fi.

Durante a Futurecom a plataforma Always Connected PC foi apresentada ao público, porém mais como plataforma do que um produto propriamente dito…

… sendo que nessa oportunidade também vimos pela primeira vez uma tabela comparativa elaborada pela própria empresa, comparando o seu chip mais poderoso Snapdragon 8CX com um “equivalente” da concorrência (neste caso um Intel Core i5 8250U):

Essa comparação é bem interessante porque ele revela algumas características que nunca foram abertamente divulgadas pela Qualcomm, entre elas de que em termos de força bruta, o desempenho do 8CX é o mesmo de um processador Intel de médio desempenho.

Apesar disso, seu desempenho energético do 8CX supera em muito o do pessoal de Santa Clara, o que deixa claro que o foco desse produto estaria mais na mobilidade do que desempenho propriamente dito, algo por sinal que a Qualcomm sempre afirmou.

Durante essa apresentação, também pudemos ver em cores e ao vivo o Galaxy Note S, um ACPC com processador Qualcomm SnapDragon 8CX…

… equipado com modem LTE, tela de 13″, 1,2 cm de espessura, 960 gramas de peso e até 23 horas de bateria!

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

Disclaimer: o ZTOP+ZUMO tem links de afiliados com a Amazon e pode ser
remunerado caso você clique em links neste artigo e compre algo.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos