Preview: Windows Phone 7.5 “Mango”

P

Estava eu aqui pensando em maldades quando tocou o interfone da Zumocaverna. Fui até a porta e encontrei um pacote: era um HTC Ultimate, primeiro smartphone com sistema operacional Windows Phone 7.5 à venda no Brasil.

O review do aparelho fica para a semana que vem: resolvi compartilhar primeiro minhas impressões iniciais do Windows Phone – e eu não consigo largar do telefone desde que o aparelho chegou. Acho que isso já é um bom sinal: a experiência de usar um aparelho com WP é diferente, muito diferente de usar um iPhone ou Android – que se tornam muito parecidos após ver o Mango em ação.

Primeira coisa muito muito importante: o WP é focado em você. Sim, você. A lembrança mais próxima e não tão bem-sucedida de uma tentativa assim atende pelas customizações propostas pelos dos Androids (mais notadamente a Motoblur, da Motorola Mobility) que prometem integrar sua vida digital em um lugar só. Onde os outros falham, o WP reina e deixa tudo integrado.

Ao ligar o aparelho, é preciso entrar com seu Windows Live ID. E aí bateu o desespero por dois motivos:

  1. será que eu lembro da senha do meu não-usado Hotmail?
  2. será que preciso centralizar tudo nos serviços da Microsoft?

Sim, eu lembrei a senha. E, não, não é preciso centralizar tudo no mundo Microsoft. Dá para adicionar contas do Windows Live, Outlook, Yahoo! Mail, Google, LinkedIn e contas POP e IMAP. Ufa! O legal é que, depois de configuradas as contas, essa imagem acima é a sua página de perfil. E para mandar algo – pro Facebook, Twitter, Messenger  – basta escolher a opção. Simples, rápido, direto. No seu perfil você vê quem te citou por aí (abaixo).

A opção de contatos também traz todo mundo para a bagunça: Facebook, Twitter, Messenger, contatos do Gmail. Dá para filtrar e escolher só o que quer ver. Eu optei pelas novidades do Twitter e por manter meus contatos do Gmail, que já estão organizados na minha vida Android. Calendários e listas de tarefas são sincronizadas também automaticamente.

Tanta centralização nos seus amigos e contatos pode também levar a um modo “stalker”. Como quase tudo dentro do Windows Phone pode ser fixado à tela inicial nos tiles/blocos interativos, você pode escolher pessoas específicas para ver o que elas falam o dia todo. Não gostei disso não. Veja o quadradinho abaixo à esquerda: é da Renata (a patroa da Zumocaverna)… e aparecem suas últimas atualizações de status…

…e, ao tocar no bloco, entro em um perfil centralizado de tudo dela.

A interface do Windows Phone 7.5 é unificada. Os aplicativos seguem o mesmo visual (imagino que, com uma tela grande como a do HTC Ultimate, de 4,7″, o WP é o sistema perfeito para deficientes visuais: fontes grandes e fáceis de ler em todos os apps). É o mesmo esquema visual na caixa de entrada do Gmail…

No álbum de fotos…

No Seesmic…

E no recurso de multitarefa (botão voltar pressionado por alguns segundos e surge essa tela múltipla). Me lembrou bastante a multitarefa do Meego no N9 (não é igual, mas é um bom conceito para a Nokia adaptar nos seus Lumia).

Nas configurações de sistema, algumas surpresas. A informação de bateria que mostra o tempo estimado restante da carga – com ou sem ativar o modo econômico (1 dia e 12 horas  – se for real, é para soltar fogos).

Algo presente no iOS, a localização de telefone está lá também, caso seja furtado/roubado/perdido.

E temos os pequenos detalhes também, como o modo “telefone atento”, com modo bolso que aumenta o volume e configurações de movimento.

Depois de usar o Windows Phone por um curto período, dá para entender também o que falta no sistema. As notificações, comuns ao Android e agora ao iOS 5, são muito discretas (nada de tocar no topo da tela e ver o que aconteceu recentemente). Pelo menos a informação do volume do aparelho é notificada em números (como em uma TV), não em uma barra imaginária.

A questão da privacidade alheia, com a possibilidade de ficar seguindo um contato/pessoa, também é questionável. O Internet Explorer 9, navegador padrão, me pareceu rápido à primeira vista, com a renderização de fontes não lá muito boa (aqui escondeu anúncios de AdSense, por exemplo…). E, bem, a busca no aparelho é feita via Bing, que funciona, mas não é um Google ainda.

O Windows Phone 7.5, em comparação aos demais sistemas operacionais móveis, é uma nova proposta sem vícios e cacoetes dos concorrentes, e isso é bom. Traz um ar novo ao mundo dos smartphones, e não me lembrou em nada as experiências ruins que tive usando um Windows Mobile, o antecessor que tentava emular o Windows em uma tela pequena. A primeira impressão foi tão boa que me fez ficar com vontade de continuar usando um (Lumia 800, vem logo!). Ainda tem que evoluir e crescer, mas já é um passo bastante avançado ao futuro da Microsoft no mundo móvel.

Ponto extra para a Microsoft: o Windows Phone sincroniza dados (fotos, músicas, vídeos, podcasts) com o Mac via Windows Phone Connector.

E, claro, vou usar tudo que o HTC Ultimate oferece e semana que vem subo o review, com o desempenho do aparelho e seus recursos – a câmera me pareceu bem boa, por sinal.

 

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos