5 minutos com fones Sony WF-1000XM3

5

Os fones de ouvido sem fio com cancelamento de ruído Sony WF-1000XM3 foram anunciados lá fora no começo do mês, a fabricante disse que eles chegam em agosto ao mercado brasileiro e ontem eu fui ver de perto uma versão “quase final” deles.

O cancelamento de ruído é impressionante – ainda mais quando você percebe que cada fone pesa apenas seis gramas.

A Sony pegou todos os conceitos tecnológicos do irmão maior, o WH-1000XM3 (um dos melhores fones com cancelamento de ruído à venda hoje), e reduziu para o formato “true wireless”, em que cada fone é individual e não tem fios mesmo.

A Apple popularizou esse formato true wireless com os AirPods, a Samsung teve os Gear IconX e tem os novos Galaxy Buds e o mercado segue com inúmeras alternativas (Sennheiser, Bose, Jabra e Bang & Olufsen também têm modelos).

Engraçado lembrar que que a Sennheiser lançou seu primeiro fone realmente sem fios em 2008, mas era algo muito avançado para a época (e nem era com Bluetooth, precisava de um adaptador para iPod!). Entretanto, dos modelos disponíveis no mercado hoje da categoria true wireless, só o modelo da Sony tem cancelamento de ruído.

A própria Sony chegou a lançar uma versão M1 dos fones WF (pausa para nomenclatura: sigla WH = wireless headphones, com cascos supra-auriculares; WF = wireless free, do tipo in-ear, que entra no seu canal auricular), que tinha problemas de instabilidade.

A Sony pulou a segunda geração para resolver os problemas iniciais e agora apresenta o produto completo, o WF-1000XM3. A fabricante diz que seus fones da terceira geração (sejam o WF ou o WM) são “líderes em cancelamento de ruído, independente do formato”.

Por trás do produto

O primeiro grande “pilar” do conceito por trás do WF-1000XM3 é o cancelamento de ruído. A Sony usa quatro microfones no seu novo modelo (um traseiro e um frontal em cada peça) que detectam o ruído ambiente e mandam o sinal para o processador HD Noise Cancelling QN1e integrado ao fone, que gera o sinal anti-fase e cancela o ruído para o usuário.

O processador QN1e, segundo a fabricante, oferece uma melhoria de 40% na redução de ruído em relação ao modelo anterior.

Sony WF-1000XM3

O processador QN1e tem ainda integrado um DAC (conversor digital de áudio) com amplificador e um processador de sinal digital de 24 bit. Some isso a um driver de 6 mm em cada fone, a tecnologia de som DSEE HX (que faz upscaling do som, melhorando o alcance dinâmico) e o resultado é um som claro e nítido, com graves bem definidos (mas não exagerados).

A bateria é outro ponto importante no Sony WF-1000XM3: com cancelamento de ruído ativado, os fones têm duração estimada de 6 horas + 18h na caixa de transporte (total: 24 horas), que segue as cores do fone: preto ou prata. No modo sem cancelamento de ruído, a promessa é de 8h no fone + 24 h (total: 32 horas).

Sony WF-1000XM3
Sony WF-1000XM3

Os fones vêm no estojo – que não cabe no bolso, como os Galaxy Buds – mas têm modo de conexão rápida via NFC e, após pareados com o smartphone, basta abrir e a conexão é automática, como na maioria dos concorrentes.

Sony WF-1000XM3

Um detalhe muito interessante no design dos fones é que a Sony colocou ímãs na caixa de transporte. Você coloca o fone na direção certa e ele se encaixa com facilidade. Note o indicador luminoso de carga na caixa.

Sony WF-1000XM3
Sony WF-1000XM3

De nada adianta ter fones compactos e leves se eles não se encaixam no ouvido do consumidor – ou pior ainda, corram o risco de cair. Pensando nisso, os fones vêm com seis pares de borrachas/espumas de tamanhos distintos na caixa.

Sony WF-1000XM3

O desenho dos próprios fones é bem inteligente: na parte inferior, ele tem um revestimento emborrachado que ajuda a segurar na base do canal auricular…

Sony WF-1000XM3

E a parte que entra no canal é levemente curvada, permitindo um encaixe mais seguro/sem medo de derrubar acidentalmente. Minha única grande questão com fones true wireless é que, andando na rua, nem sempre as pessoas ao seu redor percebem que você está com fone e, se encontro algum conhecido, fico perdido para pausar a música/onde é que eu enfio esse fone agora? Em uma situação parecida usando fones com fio, basta tirar e deixar pendurado na camisa 😉

Sony WF-1000XM3
Sony WF-1000XM3

A conexão Bluetooth estável é importante também, e a Sony informa que usa um novo modo de transmissão simultâneo para os dois fones, que melhora a qualidade da conexão e reduz de forma considerável a latência – fácil de perceber em fones que só um lado recebe o sinal e reproduz para o outro, gerando um atraso entre imagem e som em vídeos vistos no smartphone ou tablet (e que dá um nervoso desgraçado). Nos WF-1000XM3, diz a fabricante, isso não ocorre – e a Sony também modificou a estrutura das antenas para evitar interferência do corpo humano.

Vale notar que a Sony, na sua demonstração, ressaltou que os fones eram ainda uma versão prévia (não é o produto final, porém muito parecido). Por isso, review só em agosto ou setembro mesmo.

Alguns recursos do WF-1000XM3 são iguais aos do seu irmão maior, o WM. A superfície arredondada da parte exterior é sensível ao toque e responde a comandos, como o tocar-segurar no fone esquerdo para reduzir o som geral e prestar atenção ao que estão falando com você e os comandos de reproduzir/pausar/trocar de música com o fone direito. O fone é compatível com Google Assistente e, em breve, Alexa em português, que também podem ter comandos customizados na área sensível ao toque.

O app de comando é o mesmo do WM-1000X M3, com controle de som (isolamento máximo ou adaptável ao ambiente). E um recurso único, por conta do formato, é a pausa automática da música se você retirar um dos fones do ouvido, para economizar bateria.

Sony WF-1000XM3
Sony WF-1000XM3

Na prática

Depois da aula sobre os WF-1000XM3, usei por um tempo lá na Sony mesmo. Eles ligaram um simulador de ruído de avião (obrigado, YouTube) e ouvi algumas músicas de uma playlist de um smartphone (ainda Sony) conectado (como era uma versão prévia, tivemos alguns probleminhas de controle, mas no final deu tudo certo).

O cancelamento de ruído, pelo próprio formato do fone, não é tão eficiente como no WH-1000XM3, porém é muito bom (vale notar que em true wireless não tem muito com quem comparar, certo?). Acredito que para uso cotidiano – reduzir sons de escritório e de transporte público – o fone terá um público nativo. Para quem tem fones com cancelamento de ruído para voar de avião, vejo que o modelo maior será uma opção mais indicada – por conforto e duração de bateria mesmo, além de uma conexão com cabo, se for necessário.

A qualidade do som, como já disse lá em cima, é tão boa quanto nos modelos maiores. Bateria e uso diário é algo para ver num review futuro. Gostei muito do design e do encaixe ergonômico do fone, e suas cores são sóbrias porém bonitas, como os outros modelos da Sony. Tem um potencial interessante, a conferir em breve.

Os fones serão vendidos apenas no site da Sony pelo valor sugerido de R$ 1.299 a partir do mês que vem.

[Sony]

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin é o fundador do ZTOP+ZUMO e da newsletter de tecnologia Interfaces. Já escreveu na PC World, PC Magazine, O Estado de São Paulo, Folha de S. Paulo e criou o ZTOP+ZUMO em 2007, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos