ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Preview: Olympus E-3

Nova Olympus E-3 com Power Grip HLD-4.

Passados mais de quatro anos, a Olympus finalmente anunciou a chegada da Olympus E-3, sua nova reflex digital de 10 megapixels que substitui a E-1 como topo de linha da empresa.

Anunciada no último dia 16, a E-3 herdou várias caracterí­sticas interessantes da E-1, como seu corpo em magnésio fundido, totalmente selado para suportar umidade, pó e até mesmo respingos d’água (splash proof), mecanismo disparador com autonomia estimada em 150 mil exposições, além de total compatibilidade com as lentes padrão “Four Thirds” adotado pela Olympus, Panasonic/Leica e Sigma.


Mas ao contrário do desenho tipo “L” introduzido pela Olympus na década de 1990 com o IS-1 DLX (que inspirou os modelos E-10, E-20 e E-1) a E-3 adota um estilo mais convencional tipo “T”, mais parecido com seus concorrentes.

Assim, minha impressãoo é que os projetistas da Olympus optaram por não criar um desenho super inovador (como o E-330) em favor de um produto de aparência mais convencional, porém recheado de recursos que tem sido testado com sucesso em modelos anteriores.

Por exemplo, além do filtro ultrassônico que remove o pó do sensor de imagem (auxiliado pela tecnologia Pixel Mapping que identifica, mapeia e corrige pixels defeituosos por software) o sensor de 10 megapixels da E-3 está montado numa base móvel que corrige movimentos involuntários do usuário (estabilizador de imagem), compensando até cinco pontos de exposição, segundo o fabricante.

olympus_e3_screen_flash.jpgAssim como a E-330 e E-510, a E-3 incorpora o recurso LiveView, que permite enquadrar o tema e tirar fotos pela sua tela LCD basculante de 2,5″, outra idéia não muito nova porém muito prática. Mais notável ainda é saber que a E-3 vem com flash embutido, algo surpreendente para uma câmera dita “splash proof”, já que quanto mais partes móveis, maiores as chances de entrar pó e água no seu interior.

Seu sistema de iluminação ainda pode funcionar com os novos flashes FL-50R e FL-36R, que podem ser controlados e operados por meio de comunicação sem fio.

Como era de se esperar de um modelo topo de linha, o visor da E-3 utiliza um pentaprisma de cristal (em vez de espelhos) que cobre 100 % da área de visão da imagem a ser capturada. Seu buffer interno é capaz de armazenar 19 imagens em RAW (contra 12 da E-1), permitindo assim a captura de até 5 fotos por segundo no tamanho máximo de 3.648 x 2.736 pixels.

olympus_e3_side.jpgA comunicação com o PC pode ser feita via cabo USB 2.0 via conector padrão (aleluia!). Seu sistema de armazenamento interno é baseado em dois slots para cartões CF e xD que podem ser usados ao mesmo tempo. Muitos usam o CF como mídia principal, copiando as imagens mais importantes para o xD.

Com relação aos acessórios, a E-3 parece ser retrocompatível com vários itens como os flashes, controle remoto de cabo e infravermelho, além de usar a mesma bateria BLM-1, adotada em várias câmeras da casa como a E-1, E-300/330, E-510 e até a C8080. Curiosamente, duas BLM-1 podem ser usadas ao mesmo tempo no novo Power Grip HLD-4, oferecendo assim maior autonomia para a câmera.

Junto com a E-3 a Olympus lança uma nova série de objetivas com motor ultrasônico (SWD) e sistema de foco mecânico (Yay!). Destaque para a Zuiko Digital ED 14-35mm (28-70mm) f2.0 SWD, uma lente de uso geral com abertura fixa de duas a três vezes mais luminosa que a 14-54 mm (28-108 mm) f2.8/3.5 lançada junto com a E-1.

O corpo mede 14,2 x 11,6 x 7,5 cm (LxAxP), pesa 800 gramas e sua previsão de chegar ao mercado no final de novembro, bem a tempo de brigar com a Alpha 700 da Sony. Mais informações aqui.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.