Positivo traz a plataforma BBC micro:bit para o Brasil

P

Pessoal de Curitiba anuncia aliança estratégica para trazer, localizar e distribuir o microcontrolador educacional Inglês micro:bit primeiro no Brasil e depois para o resto da América Latina.

A Positivo Tecnologia por meio da sua área de inovação educacional anunciou ontem (24) um acordo com a Micro:bit Foundation que levará aos alunos brasileiros e de outros países da América Latina o BBC micro:bit, uma plataforma computacional baseada em um micro-computador programável que estimula o interesse por tecnologia, inovação e empreendedorismo que são as bases da cultura maker que está ajudando a formar uma nova geração de inovadores nas áreas de ciência e tecnologia.

Essa plataforma é baseada no micro:bit, uma micro plaquinha microprocessada de 4 x 5 cm equipada com um processador ARM Cortex M0 de 32 bits, 16 KB de RAM, sensores magnéticos e de movimento, uma porta micro USB, dois botões programáveis e uma curiosa tela formada por 25 LEDs organizados numa matriz de 5 x 5 pontos luminosos.

Ela pode ser alimentada tanto pela porta Micro USB quanto por uma bateria externa, sendo que os sinais de entrada e saída trafegam através de um conector de 23 pinos localizados na sua base.

Conceitualmente falando, o micro:bit está mais para um microcontrolador programável (como o Arduino) do que um microcomputador programável (como o Raspberry Pi).

Isso por que, na prática, um microcomputador possui uma interface com o usuário (como o desktop do Windows) que permite que o usuário desenvolva e rode programas diretamente no sistema,  enquanto que o microcontrolador isso não é possível porque ele não tem interface.

Assim, para programar o micro:bit é necessário escrever o código em outro computador utilizando um editor de código JavaScript…

… para depois transferir o código de máquina diretamente para a memória do micro:bit via porta USB.

O micro:bit começou a ser distribuído gratuitamente em 2016 para cada aluno do sétimo ano das escolas na Inglaterra e em Gales, além de estudantes na Irlanda do Norte e na Escócia com idades à partir de 11 anos (o início do ensino médio) e hoje já é usada por um milhão de alunos em programas educacionais desenvolvidos pela BBC com resultados comprovados.

Segundo pesquisas realizadas junto a estudantes e professores revelam que o projeto teve um impacto forte e muito positivo, com 90% dos estudantes afirmando que o BBC micro:bit ajudou a mostrar que qualquer pessoa pode programar, 88% descobriu que programação não é tão difícil como pensava, e 45% dos alunos disseram que considerariam TIC e ciência da computação como uma opção no futuro (antes do projeto, esse índice era de 36%). Entre as garotas, o impacto foi ainda mais expressivo: de 23% antes do micro:bit para 39% depois – um aumento de 70%.

Entre os professores, os resultados também são positivos: 75% dos educadores usaram ou têm intenção de usar o micro:bit, 85% concordam que o projeto fez com que as disciplinas de TIC e ciências da computação se tornassem mais agradáveis para seus alunos e 80% que ajudou os jovens a perceberem que programação é menos difícil do que parece.

Além disso, metade dos educadores que usaram o micro.bit dizem que se sentem mais confiantes como professores, em particular aqueles que dizem que não se sentiam tão seguros ao ensinar computação.

Diante desse sucesso, foi criada a Micro:bit Educational Foundation e a plataforma começou a ser implementada em outros países. Hoje, há projetos em andamento em 40 países, como Finlândia, Irlanda, Noruega e Holanda e a Positivo Tecnologia foi o parceiro escolhido pela Micro:bit Foundation para o Brasil e a América Latina.

Esse acordo de cooperação tecnológica e pedagógica tem o apoio da Secretaria de Políticas de Informática (Sepin) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Ele prevê a introdução da plataforma micro:bit no Brasil e a participação da Positivo em seu desenvolvimento, aperfeiçoando-a e adaptando-a para uso no país e, sucessivamente, em outros países da América Latina.

A área de inovação educacional da Positivo já está trabalhando em projetos-piloto que serão implementados em três escolas, que ainda estão sendo definidas, para alunos da mesma faixa etária do projeto do Reino Unido – crianças a partir de 11 anos.

O investimento inicial é de cerca de R$ 1 milhão e faz parte dos recursos destinados à pesquisa & desenvolvimento (P&D). A Positivo Tecnologia vai localizar programas desenvolvidos pela BBC, desenvolver novos programas e também criar kits de acessórios e módulos periféricos para expandir ainda mais as funções e ligações do micro:bit com o currículo escolar.

O anúncio oficial da parceria aconteceu nesta terça-feira, 24 de outubro, no estande do MCTIC na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), com a presença de Maximiliano Martinhão, presidente da Telebras, Otávio Caixeta, Diretor na Secretaria de Informática do MCTIC (representando o Secretário de Informática do MCTIC, Thiago Camargo Lopes), Kavita Kapoor, COO da Micro:bit Foundation, José Scodiero, head da Micro: Bit para América Latina, e Alvaro Cruz, Vice-presidente de Inovação Educacional da Positivo Tecnologia.

O micro:bit e suas aplicações podem ser conhecidos durante toda a SNCT 2017, que acontece de 23 a 29 de outubro, no Pavilhão de Exposições no Parque da Cidade de Brasília.

Para mais informações visite o blog do site VC.Maker editado pelo nosso colega, chapa e ex-Ztop Rafael “WireHead” Rigues!

Sobre o autor

Mário Nagano

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World.
Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos