Por que a Positivo tem um escritório em Taiwan?

P

Hoje (30) a Positivo Tecnologia participou de um evento de lançamento da Computex 2019 em São Paulo e contou um pouco sobre o seu escritório do outro lado do mundo, em Taipei (Taiwan).

No evento organizado pela Taitra (órgão de comércio exterior de Taiwan), representantes da entidade falaram sobre a Computex 2019 – que ocorre de 28 de maio a 01 de junho em Taipei – e convidaram algumas empresas parceiras de lá e daqui.

Do lado de Taiwan, falaram a Adata, que até tem fábrica de memórias no Brasil, e a Askey, fornecedora de modems para empresas como a Vivo. O caso brasileiro de sucesso foi a Positivo Tecnologia, que contou um pouco sobre suas operações lá em Taipei.

A apresentação foi feita por Daniela Colin, diretora de produtos e procurement da empresa de Curitiba. Ela falou sobre as sedes/fábricas da Positivo pelo mundo e que, bem, emprega 11 pessoas lá em Taipei.

A presença da Positivo em Taipei faz muito sentido: Taiwan é ainda o principal pólo de fabricação de notebooks e partes para PCs do mundo e todos os fornecedores estão lá, seja com fábrica local na ilha ou do outro lado do mar da China.

Segundo Colin, o escritório de Taiwan da Positivo foi aberto em 2007, no epicentro da mudança iniciada em 2004 quando a Positivo passou de uma empresa de educação que fazia computadores para seus alunos para uma grande fornecedora do governo brasileiro e do mercado corporativo.

Hoje, dos 11 funcionários do escritório de Taipei, dois são brasileiros e o resto é de taiwaneses.

De acordo com a diretora, é um trabalho em paralelo com a engenharia e desenvolvimento de produtos no Brasil – o pessoal lá compra peças, certifica e homologa componentes e, bem, estar na Ásia e falar a língua local/entender os costumes é um diferencial enorme na hora de negociar com os fornecedores.

Algumas partes dos computadores da Positivo, como memórias, por exemplo, são produzidas no Brasil (por conta das leis de incentivo) e seguem para Taiwan para teste/homologação com os componentes de lá. Quando o processo se encerra, a Positivo importa as peças que precisa e monta (com as suas) na sua fábrica de Manaus.

Legal né?

Em tempo: a Positivo não faz projetos de smartphone em Taiwan – “isso é direto na China mesmo”, disse a executiva. E, curiosamente, os notebooks da linha Vaio (marca japonesa licenciada pela Positivo no Brasil) também são projetados… em Taiwan.

Nagano comenta: Para mim não é surpresa essa afirmação de que os notebooks VAIO são projetados em Taiwan.

Isso porque já ouvi de alguns executivos da ASUS que eles aprenderam a fazer bons notebooks com os japoneses da Sony que, na época contrataram a ASUS para fabricar VAIOs made in Taiwan, o que faz muito sentido no que se refere aos custos de produção, restando a produção local apenas os modelos mais topo de linha (se é que eles ainda fabricam alguma coisa por lá, diga-se de passagem).

Para mim o mais bizarro é que a chinesa Lenovo fabrica ThinkPads no Japão na planta de Yonezawa que antes produzia os computadores da NEC.

Só que até onde entendi, essa linha de produção atende exclusivamente o mercado nipônico, que por sinal sempre se vangloriou de que a engenharia do Thinkpad sempre foi e ainda é feita no seu País, agora conta com um modelito Made in Japan só pra chamar de seu.

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

Por Henrique Martin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos