ZTOP+ZUMO

Por dentro do Snapdragon 855: 5G, IA, Computervision e Realidade Estendida são destaques

Nova plataforma móvel da Qualcomm incorpora novos recursos que poderão dominar a computação móvel da próxima década.

O segundo dia do Qualcomm Tech Summit 2018 foi dedicado à plataforma móvel Snapdragon 855, descrita pela empresa como parte de uma revolução transicional que Keith Kressin, VP sênior de gerenciamento de produto da Qualcomm, chamou brincando de “Lei de Amon“.

Esse termo na verdade é uma referência a Lei de Moore, que não é exatamente uma lei física e sim uma observação sobre um comportamento do mercado de semicondutores que, por muitos anos serviu como uma espécie de norte que direcionou muitas empresas de semicondutores.

No caso da Qualcomm, Kressin diz que essa lei não é medida pelo número de transístores numa pastilha de silício e sim no comportamento do mercado de telefonia móvel que é dominado pela sua tecnologia de rede que muda radicalmente a cada dez anos.

Sob esse ponto de vista, se vivemos atualmente na era do 4G que foi marcada pela computação móvel de alta velocidade e o surgimento de killer apps como WhatsApp, Instagram, Uber e Fortnite…

… fica claro que a próxima década será dominada pelo 5G, que será marcado pelo aumento dramático da velocidade da rede, comunicação de máquina para máquina, computação na nuvem e a possibilidade real de priorizar o tráfego de uma aplicação mais importante do que outra, abrindo assim oportunidades para a chegada de novos produtos e serviços que podem até nem terem sido inventados ainda.

E o primeiro chip que irá abrir caminho para essa nova década de inovações é exatamente o Snapdragon 855 conhecido antes pelo codinome SM8150, o que levou alguns expertos até a chamá-lo de Snapdragon 8150 apesar de que 855 faz bem mais sentido já que seus antecessores se chamavam 845 e 835.

Mas voltando ao que interessa, quais são as novidades do 855? Além do suporte ao 5G (e também 4G e 3G) com conectividade “Multi-Gigabit”…

… ele também é o primeiro chip da casa a contar com uma unidade de processamento neural (NPU) integrado ao seu SoC, ou mais exatamente no seu DSP Hexagon 690

… que incorpora o chamado Hexagon Tensor Accelerator (HTA) que como o próprio nome sugere, acelera o processamento das rotinas de IA.

Interessante observar que como no PC o processamento de IA também ocorre em outras partes do SoC como na sua CPU Kryo e GPU Adreno formando assim um conjunto bastante otimizado e flexível de recursos dedicados e programáveis:

Com tudo isso, a empresa afirma que seu sistema de IA é capaz de processar mais de 7 trilhões de operações por segundo (7 TOPs) o que representa um ganho de desempenho de até 3x se comparado com seu antecessor.

Mas falando em desempenho, a Qualcomm afirma que se comparado com seu antecessor, sua CPU Kryo 485 é 45% mais veloz assim como sua GPU Adreno 640 é também 20% mais rápida, sendo que muito desse ganho de desempenho foi obtido graças a melhorias da sua microarquitetura.

Fora isso, o sua experiência em jogos deverá receber um novo nível de realismo graças ao suporte das tecnologias Vulkan 1.1, HDR (high dynamic range) e renderização baseado em física (physically based rendering ou PBR).

Como é de praxe, essa nova nova plataforma Snapdragon conta com um novo sistema de câmera baseado no seu novo ISP Spectra 380 que tira (muito) proveito dos novos recursos de IA disponíveis no 855 na forma de um novo recurso que a empresa batizou de ComputerVision-ISP ou simplesmente CV-ISP:

E o que é o CV-ISP? A idéia neste caso é que além da imagem capturada pelo Spectra 380 (= Color Pipeline) o sistema utiliza seus recursos de IA para criar um segundo canal batizado de Computer Vision Pipeline que pode ser usado para identificar cenários e objetos (para um ajuste da câmera mais adequado) além de informações espaciais como profundidade de campo:

Com isso a é possível aplicar efeitos muito apreciado nos dias de hoje…

… como o efeito de desfoque de fundo (embaixo) ou a aplicação de outros efeitos e até a troca do fundo da imagem o que pode ser feito em tempo real até em vídeos em 4K a 60 qps:

Fora isso o Spectra 380 também oferece suporte para realidade aumentada e HDR10+ que é capaz de capturar mais de 1 bilhão de tons de cores além de armazenar arquivos no novo formato HEIF que, além de reduzir o tamanho da imagem em até 50%, também pode armazenar diversos tipos de metadados que podem ser usados em diversos tipos de aplicações abrindo assim novas possibilidades na geração de conteúdo.

Outro destaque dessa plataforma é o seu suporte para a Realidade Extendida (XR) Imersiva o que engloba uma série de tecnologias voltadas para consumo de conteúdo digital e entretenimento como o chamado Snapdragon Elite Gaming Experience, que oferece gráficos em 3D com qualidade cinemática com True HDR, suporte para Vulkan 1.1 e algoritmos criados especialmente para reduzir o número de frop frames em mais de 90%.

Finalmente, o Snapdragon 855 é a primeira plataforma móvel da casa a oferecer o Qualcomm 3D Sonic Sensor, que é um sistema de identificação biométrica que utiliza um sensor ultrassônico montado abaixo da tela do smartphone, permitindo assim capturar impressões digitais mesmo com o dedo “sujo” além de ser imune a tentativas de acesso usando impressões falsas.

O Snapdragon 855 já está sendo fornecido aos fabricantes de smartphones de modo que a previsão é que os primeiros produtos baseados nessa nova tecnologia cheguem ao mercado a partir do primeiro semestre de 2019 junto com as primeiras redes 5G.

Disclaimer: Mario Nagano viajou para o Havaí a convite da Qualcomm, mas todas as fotos bacanas, observações brilhantes e piadinhas infames são dele mesmo.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.