ZTOP+ZUMO

Passatempo do dia: Jogando Zork no Windows 7

Sem nada o que fazer neste feriado prolongado? Que tal voltar para os anos 1980 e explorar o mundo de Zork, considerado o pai de todos os adventure games para PCs?

Quem é fã da série Big Bang Theory deve se lembrar de um episódio na quarta temporada (The Irish Pub Formulation) onde o personagem Sheldon Cooper está entretido com um adventure de texto que, segundo ele, roda no chip gráfico mais poderoso do mundo: nossa imaginação!

Zork_Sheldon_cooper

Os adventures de texto eram bastante populares nos anos 1980 e funcionavam mais ou menos como um chat-online ou seja, o jogador sugere uma ação como “(Vá para o) Norte” ou “Pegue lâmpada” e, se o mesmo fizer sentido para o contexto do jogo, o computador responde positivamente, informando que o movimento foi realizado ou o objeto foi recolhido. Caso contrário, ele responde com negações, evasivas e até algumas ironias. E nesse ritmo de anda e para, avançamos numa grande jornada que pode levar dias, semanas, meses ou mesmo nunca acabar (em especial quando o jogador se cansa das gozações do programa e o joga o disquete pela janela).

Talvez o mais famoso deles seja Zork, um título — ou na verdade, uma trilogia — inspirada num jogo de mainframe chamado Colossal Cave e que foi escrito para o computador DEC PDP-10 por três programadores do MIT — Tim Anderson, Marc Blank, Bruce Daniels e Dave Lebling. Em 1979 eles fundaram a Infocom, empresa que portou Zork para os microcomputadores mais populares da época como o Apple II, Commodore 64, CP/M e IBM PC estabelecendo-se naquela época como um big player no segmento de jogos de computador, ao lado de outros pioneiros como Brotherbund, Sierra On-Line, Avalon Hill, Epix, Muse, Sir Tech, Origin Systems, Activion, etc.

Zork_screenshot

Essa história é descrita em detalhes no documentário Get Lamp dirigido por Jason Scott em 2010. Uma apresentação especial foi feita num evento do Google que pode ser vista na íntegra no YouTube.

O título original Zork I: The Great Underground Empire foi laçado pela Infocom em 1980 e foi seguido por Zork II: The Wizard of Frobozz de 1981 e Zork III: The Dungeon Master de 1982:

Zork_trilogy

Segundo os expertos do Wikipedia o grande atrativo desses títulos da Infocom é que seu interpretador de comandos (o chamado Z-Machine) é capaz de reconhecer comandos bastante sofisticados, formados por preposições e conjunções — por exemplo “hit the troll with the Elvish sword” — ao contrário da concorrência, cujos comandos eram formados basicamente por verbo + substantivo como “hit troll”. Fora isso, eles eram bastante ricos em conteúdo e qualidade narrativa, sendo que alguns até descrevem os text adventures games como um estilo literário interativo:

Zork_Intro2a

Zumo in a Box:

Curiosamente, também houve no Brasil o desenvolvimento de Adventures nacionais. Talvez os mais conhecidos foram aqueles bolados na década de 1980 por Renato DeGiovani para a revista Micro-Sistemas, como Aventuras da Selva (embaixo) que deu origem para a versão comercial Amazônia e, para mim a mais divertida — Aventuras em Serra Pelada — cujo enredo não era linear, permitindo assim que o jogador decida como vai ficar rico, seja garimpando, aprontando alguma ou investigando o desaparecimento de uma enorme pepita de ouro chamada carinhosamente de “Dívida Externa”.

Aventuras_na_Selvaa

Para saber mais sobre a história dos pioneiros dos jogos de PC no Brasil, sugerimos baixar e ler um trabalho acadêmico intitulado Aventuras na Selva: Renato Degiovani, Divino Leitão e o pioneirismo no design de videogames no Brasil escrito por Alan Richard Da Luz.

Mas voltando ao que interessa…

A maneira mais simples de jogar Zork num PC atual é por meio dos emuladores on-line como neste site de Matthew Russotto, que utiliza um applet em Java para rodar este e outros títulos.

Zork_online

O problema neste caso é que ele não permite gravar/recuperar o progresso do jogo. Assim, outra alternativa é rodar o jogo de fato por meio de um emulador DOS. Para isso sugerimos os seguintes passos:

1. Viste o site de downloads da Infocom (sim, ela ainda existe) e baixe a versão original para PC ou Mac.

2. Baixe o emulador DOS Box para Windows. Observe que ele também funciona na versão de 64 bits.

3. Ao invés de detalhar como instalar e configurar o DOS Box para rodar o Zork, sugerimos visitar o site Glenn’s Guides : Download & Play Classic Games onde existe uma receita de bolo de que explica esse procedimento passo a passo.

E se tudo ocorrer de acordo com o esperado, você estará diante dessa grande obra aventura de ficção interativa, estilo retrô:

Zork_tela_inicial

Bom fim de semana e bom divertimento! 🙂

Ainda em tempo #1:

Antes de se perder no mundo de Zork — ou pior, perder a cabeça e jogar o PC pela janela (já que ninguém mais usa disquete) — lembramos que existem vários walkthru’s (como este) que ajudam a zerar o jogo.

Ainda em tempo #2:

Em um outro episódio da segunda temporada de Big Bang Theory (“The Hofstadter Isotope”), Sheldon explica para Penny e Stuart que ele e o resto da turma vão passar a noite de sexta jogando uma versão beta “bugada” do Zork.

Fato é que entre os diversos bugs conhecidosrealmente existe um que quando explorado, permite obter a pontuação máxima (350 pontos) em apenas 223 movimentos e ganhar o jogo com mais 5.

 (Esse post foi originalmente escrito e publicado por este Editor de Testes durante seu exílio no ZUMO.)

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.