ZTOP+ZUMO

Panasonic Toughpad A1: tablet Android pronto pra batalha

A Panasonic anunciou ontem à noite o Toughpad, seu primeiro tablet robustecido que roda Android e que, como seus irmãos maiores, está preparado para o que der e vier:

Segundo a fabricante, a idéia desse produto surgiu para atender a uma demanda de seus clientes que queriam um “iPad robustecido”, e a opção foi criar um com o sistema operacional Android 3.2.

>>>AMD Vision Challenge + ZTOP: vote e ajude a Cruz Vermelha

Medindo 26,2 x 21,3 x 1.78 cm (LxAxP) e 950 gramas de peso, o Toughpad FZ-A1 (sua designação oficial) vem equipado com um processador Marvell dual-core de 1,2 GHz, 1GB de SDRAM (LP-DDR2) + 16 GB de memória flash com capacidade de adicionar até mais 32 GB via cartão micro SDHC.

Interessante notar que esse processador da Marvell (baseado em ARM) é um novo chip desenvolvido em parceria com a Panasonic e que será anunciado oficialmente somente no início de 2012. Quando perguntado por que não usar um chip mais “na moda” como um Tegra 2  a resposta da Panasonic é que o da Marvell incorpora diversos recursos de segurança a nível de hardware o que acelera procedimentos como para encriptação e proteção de senhas e dados (compatível com o padrão FIPS 140-2 e HIPPA), trusted boot, root protection, suporte para VPN e token tipo RSA e slot para cabo antifurto padrão Kensington.

Sua tela LCD capacitiva de 10,1 polegadas tem resolução nativa de 1.024 x 768 pixels e 500 nits de brilho o que permite uma melhor leitura mesmo sob a luz direta do sol.  Fora isso ele vem equipado com sensor de luz ambiente, acelerômetro, GPS e bússola digital.

 

Como o Toughbook CF-U1, seu gabinete é uma combinação de liga de magnésio sobre uma camada de plástico ABS e elastômero. Ele possui duas câmeras – uma frontal de 2 MP (para videoconferência) e outra traseira de 5 MP – e conexão para docking station.

Interessante notar que como seu concorrente mais próximo – o ThinkPad Tablet – o Toughpad pode ser usado com um dispositivo apontador do tipo stylus (já incluso) mas, ao contrário deste, sua bateria de íons de lítio de 7,4 v/4.590 mAh pode ser removida por meio de uma tampa traseira o que facilita a sua manutenção e permite que seu ciclo de vida vá além da sua bateria original.

Segundo a Panasonic, a autonomia da sua bateria é de aproximadamente 10 horas.

 

Num compartimento lateral temos acesso à sua saída de vídeo micro-HDMI, som estéreo, slot para cartão micro SDHC e micro USB. Ele já vem com interface Wi-Fi 802.11n (com suporte para tethering para até cinco clientes compartilharem o mesmo acesso a internet) e Bluetooth. Opcionalmente ele pode vir equipado com interface 3G ou 4G (LTE/Wi-Max).

Entre os programas que já virão pré-instalados no Toughpad estão o AuthenTec QuickSec, o RedBend OMA-DM Client para Android, McAfee Mobile Security (trial version), Adobe Reader, navegador Web, Google Voice Search, Google Phone-top Search, Gmail, Google Calendar, Google Talk, YouTube, Google Maps for Mobile, Google Maps com with Street View, Contact Sync, Network Location Provider e diversos utilitários da própria Panasonic.

Para incentivar o desenvolvimento de aplicações especialmente voltadas o Toughpad, a Panasonic irá criar um site dedicado, assim como sua própria loja de apps.

Curiosamente, durante a apresentação do FZ-A1 a empresa revelou que já trabalha numa versão menor batizada de Toughbook JT-B1, equipada com tela de 7 polegadas. A idéia nesse caso é de esperar o feedback dos usuários do A1 para avaliar o seu formato final.

E para promover esse lançamento, o pessoal da Panasonic dos EUA realizou esse anúncio no estádio do Texas Cowboys aqui em Dallas…

…com direito a festinha no gramado com comida e bebida de dia de jogo de futebol (americano).

Para aninar as coisas o pessoal da Panasonic colocou um Toughpad ligado numa bola especial e promoveu uma sessão de pênaltis que contou com estrelas da seleção americana de futebol masculino e feminino…

… com direito a transmissão das execuções de penais pelo telão do estádio. Depois dos chutes oficiais, os participantes e convidados do evento foram convidados para bater um pênalti contra o goleiro americano com direito a uma camisa e bola autografada para quem marcasse um gol.

A previsão é que o FZ-A1 de 10,1″ chegue ao mercado no primeiro semestre de 2012 pelo preço base de US$ 1.299. Já com relação ao o JT-b1 de 7″ a previsão é sua versão final seja apresentada no semestre seguinte.

Disclaimer: Mario Nagano viajou para Dallas a convite da Panasonic e chutou sua bola para fora do gol. Todas as opiniões aqui são nossas. 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • sidney 08/11/2011, 11:34

    era o tipo de produto que ue queria, embora a linha tenha um custo superior as minhas possibilidades.. creio qe será um sucesso de vendas dentro do seu nicho de mercado, afinal sempre ouço reclamações quanto a fragilidade dos tablets…

  • mauro carneiro 08/11/2011, 12:40

    eu já acho q tablet tem q ser menor. Nesse tamanho, já fico com um netbook. A grande vantagem é a inicialização rápida em relação ao net. Mas depois q liga, as diferenças são gritantes. Pretendo adquirir o samsung g70 de 5". Cabe no bolso e tem todos os recursos. Boa visualização de páginas e textos. Bem adequado.

  • dflopes 08/11/2011, 12:58

    depois que passei a usar um smartphone (Moto Q11 com WM6.1) para fazer manutenção em um equipamento de campo, nunca mais quis levar notebook+fonte+gerador (que é portátil só no nome)

    E essa seria uma boa possiblidade caso tivesse windows, ou pelos uma portinha USB padrão – pois a micro usb ainda pede um adaptador!

    • sidney 09/11/2011, 07:04

      opiniões como a sua, a respeito da portablidade é que dão força a versão de sete polegadas… aposto que o motoQ garante mais horas de bateria que a maioria do notes e netbooks…ainda temos que ter uma revolução nas baterias como tivemos em memórias e capacidade de processamento.

      • dflopes 10/11/2011, 09:32

        Sidney,

        nas mesmas CNTP, eu consigo até 6h com o MotoQ (e ainda tenho bateria extra)

        Ele precisa manter o Bluetooth ligado, então deixo GSM off e brilho no mínimo.

        No notebook, eu não passo de 3h com um Dell Latitude E5500 usando um dongle bluetooth.

        Tb deixando brilho mínimo e wi-fi off – mas são 14″ de tela para gastar bateria.

        E bateria extra é bem mais cara do que a bateria de um smart!

        Ou seja, sistemas portáteis de manutenção/instalação de equipamentos de campo são muito bons. Pena que o iOs não facilita nas conexões para permitir tal coisa.