ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

O real concorrente do iPod touch

De um lado do ringue, iPod touch: (possí­vel variante do Mac OS X), software de músicas, Wi-Fi, possí­vel integração com aplicativos do iPhone, browser Safari, YouTube, 8 GB ou 16 GB, tela de 3,5 polegadas com resolução de 480 x 320 pixels, reproduz ví­deos H.264 e MPEG-4, tela multi-toque, recém-lançado. Vem para o Brasil mês que vem. Mas quem é seu real concorrente no mercado de dispositivos multimí­dia?

Do outro lado, Nokia N800 Internet Tablet. Linux embarcado, software multimí­dia feito no Brasil, Wi-Fi, Skype, browser Opera 8, ligações pela internet com câmera, e-mail, mensagens instantâneas, RSS, Bluetooth, leitor de PDFs, telaN800 sensí­vel ao toque de 4,1 polegadas com resolução de 800 x 480, memória expansí­vel de até 8 GB em cartões de memória padrão SD/SDHC, reproduz DivX, lançado em janeiro deste ano. Sem previsão de lançamento no mercado brasileiro.

É uma disputa árdua. São dois dispositivos pessoais de mí­dia, com possibilidade de virar um PDA de luxo. A Apple nunca vai admitir isso, mas fala a verdade, o iPod touch – quando tiver software do iPhone – vai ser um Newton 3.0, ressuscitado das cinzas. Eu já mexi no N800 e, com o software certo, é um aparelho sensacional. No pior dos cenários, pode ser um porta-retratos digital, devido ao tamanho da tela. E pode, em breve, ganhar upgrades sem muito esforço – como um chip WiMax, por exemplo.

iPod TouchJá o touch ganha pontos por ter mais armazenamento, a interface multitoque incrí­vel e o glamour Apple em seu redor – e cabe no bolso! Em recursos, o N800 ganha a briga fácil, na minha opinião. Pena que, para o consumidor brasileiro, o touch seja a única opção por enquanto (a outra opção é trazer da Europa!).

***

Toda discussão será fichinha, claro, se o Google Phone for do jeito que tão falando aqui.

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin