ZTOP+ZUMO

Números enormes: os servidores simplificados da HP

Baseado no projeto Voyager, o novo HP Proliant Gen8 procura simplificar ao máximo a tarefa de manter e gerenciar um servidor, independente do seu porte.

Durante a abertura do HP Global Partner Conference aqui em Las Vegas, Dave Donatelli, vice-pesidente executivo de Servidores Corporativos, Storage, Networking e Serviços de Tecnologia da HP anunciou a oitava geração de Servidores ProLiant de Oitava Geração, ou simplesmente Gen8.

Segundo o executivo, ele faz parte de uma estratégia mais ampla iniciada no final do ano passado com o Project Moonshot que prevê uma nova geração de servidores de baixíssimo consumo baseado em processadores ARM ou Atom, o Project Odyssey que irá orientar todas as suas linhas de servidores x86 e Linux de missão crítica numa estratégia unifica e concisa de produtos e serviços e, finalmente, com o Project Voyager, a HP se volta para o segmento de servidores mainstream com a proposta de oferecer para o mercado um produto com a promessa de ser mais simples de instalar, operar e administrar.

Segundo a fabricante, a linha de servidores HP ProLiant Gen8 é o resultado de dois anos de pesquisa (tanto tecnológica quanto de ouvir o mercado) com investimentos na casa dos US$ 300 milhões e que resultaram até agora em mais de 900 patentes e uma nova arquitetura de sistemas batizada de HP ProActive Insight architecture, que irá se espalhar para outras linhas de produtos, incluindo o Moonshot e Odyssey.

Segundo a HP, a medida que aumenta a demanda mundial por infraestruturas de servidores e datacentes (Cloud Computing Anyone?) as empresas enfrentam um aumento considerável nos seus custos de operação e manutenção desses sistemas.

Por exemplo, a HP diz que uma empresa em média gasta num período de três anos algo na faixa de US$ 24 milhões somente em trabalhos manuais relacionados com a operação e manutenção de servidores, com um administrador passando em média cinco horas de seu tempo para atualizar o sistema de um rack de servidores, enquanto que com os recursos de automatização do Voyager o mesmo serviço pode ser feito em menos de 10 minutos.

Fora isso, a HP fez uma extensa pesquisa de campo para identificar os principais problemas relacionados ao dia a dia do uso de servidores o que resultou em mais de 150 novas soluções de design como o SmartSocket, um novo sistema mecânico que facilita a troca de processadores minimizando assim o risco de danos nos pinos de contato e o Smart Drive, que nada mais é que uma luz indicadora na graveta do disco que informa que a peça não pode ser removida naquele momento, evitando assim a perda de dados causada por erro humano.

Outro recurso muito curioso é a implementação de um sistema de geolocalização dentro do servidor permitindo, assim localizá-lo mais facilmente dentro de um rack ou mesmo de um imenso datacenter sem depender de anotações ou cadastros que podem desatualizar com o tempo. Também chama a atenção que esses novos servidores usam fontes de altíssima eficiência com certificação 94% Platinum Plus.

A HP informou que a nova linha Gen8 está disponível desde ontem (13/02) mais informações aqui.

Disclaimer: Mario Nagano viajou convite da HP Brasil. Todas as opiniões aqui são nossas.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Ismael 14/02/2012, 14:24

    Nagano, aproveitando a deixa…

    Que tal uma matéria sobre o mercado nacional de servidores? Existem fabricantes nacionais menores, que não sejam plantas locais das grandonas HP e dell.

    O país está crescenedo as vezes para se conseguir máquinas e peças leva-se meses, literalmente. Impressiona porque é o caso de empresa com dinheiro na mão procurando quem entregue logo.

    Obrigado.

  • Luis Felipe Ramos 14/02/2012, 16:28

    Olá,

    Esse é, ao meu ver, um dos grandes impeditivos para uma maior penetração de máquinas de grife. A disponibilidade de peças!

    Prefiro na maioria das vezes máquinas montadas do que comprar um Dell, HP ou outro.

    Quando ocorre um problema no computador eu abro a máquina, troco a peça e tudo volta ao normal.

    Quanto tempo eu teria de esperar até que o suporte de uma destas empresas me atendesse?

    Já respondi várias pesquisas destas empresas oferecendo serviços e produtos. Mas em uma situação de emergência é complicado.

    Trabalho para empresas pequenas, que ainda não podem se dar ao luxo de ter 3-4 máquinas de reserva para situações de emergência.

    Agrada esta qualidade, este show todo, mas na prática fica um pouco diferente.

    T+

    • Mateus 15/02/2012, 09:32

      Luis, existem SLAs (service level aggrement) e CTRs (call to repair) para atender a demandas criticas que os fabricantes prestam de maneira eficiente. Se você considerar que, a compra de uma peça para substituir uma com defeito demora cerca de 3 dias (em um caso de extrema urgencia com uma grande agilidade do setor de compras, aprovações, etc), o fabricante tem condições de atender em apenas 6 horas após a abertura do chamado!

      Vamos comprar de fabricantes? Então vamos subir o nível da conversa. E outra, maquinas de fabricantes não dão defeito igual a maquinas montadas.

      • Ismael 15/02/2012, 15:45

        Mateus… sei não O que tenho visto é uma demora danada para atender. Inclusive reposição de peças. Não creio ser má vontade e sim desorganização nos executivos superiores. Talvez ainda tenham visão do país do café, pelé e Carmem Miranda e não priorizem no estoque para cá.

        "E outra, maquinas de fabricantes não dão defeito igual a maquinas montadas. "

        Xi, eu tenho uma teoria conspiratória que pelo menos os HDs de máquinas prontas de fabricantes estragam bem mais . E sim, estou levando em conta que tem demanda grande, mas estou comparando com servidores sem vergonha que recebem mesma carga. Ligados 24/7 .

        Já penso que talvez valha mais montar umas 4 máquinas menores e deixar de 2 de standby a comprar uma maquina grande que depois na prática se espera quase um mês para o fabricante trocar um HD.

  • Gustavo Cardoso 24/04/2012, 19:42

    meo deos…