Números enormes: 3 milhões de novos iPads vendidos em um final de semana

N

Três milhões de novos iPads foram vendidos no primeiro final de semana. Três milhões de tablets, ou um milhão a menos que o iPhone 4S após sua estreia nos EUA, em outubro do ano passado.

O número enorme foi divulgado agora pela Apple e se refere às vendas desde a última sexta-feira (16), quando o tablet começou a ser vendido nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, França, Alemanha, Hong Kong, Japão, Porto Rico, Singapura, Suíça, Reino Unido e Ilhas Virgens. No comunicado oficial, Phil Schiller, vice-presidente mundial de marketing da companhia, diz que “o novo iPad é um blockbuster com três milhões de unidades vendidas – o lançamento de iPad mais forte até agora. Os consumidores amam os incríveis novos recursos do iPad“.

Nas especificações técnicas, o grande destaque do iPad é a sua tela de 9,7 polegadas com tecnologia Retina Display e resolução monstro de 2048 x 1536.Pra que tudo isso? filmes e jogos em alta definição, editar fotos e vídeos (agora tem iPhoto para iPad, por sinal) e dar uma impressão visual muito mais precisa e nítida para quem vê – como se fosse ainda mais real.

O iPad usa um novo chip A5X dual-core, com GPU quad-core e vem com câmera de 5 megapixels capaz de gravar vídeo Full HD (1080p) com estabilização de imagem. A bateria mantém o padrão dos iPads anteriores, com média de 10 horas de uso, e o preço sugerido é o mesmo do lançamento das versões antigas: o modelo só com Wi-Fi sai por US$ 499 (16 GB) / US$ 599 (32 GB) / US$ 699 (64 GB) e a versão 3G/4G sai por US$ 629 (16 GB) / US$ 729 (32 GB) / US$ 829 (64 GB). Vale lembrar que a versão 4G não vai funcionar com as frequências a serem adotadas pelas operadoras no Brasil.

O iPad 2 continua a existir apenas em versão de 16 GB, mais barata – nos EUA, US$ 399 (Wi-Fi) e US$ 529 (Wi-Fi + 3G), no Brasil, a partir de R$ 1.399 (16 GB, Wi-Fi).

Não há previsão da Apple Brasil para lançamento do novo iPad por aqui ainda. O tablet chega às lojas de mais 24 países na próxima sexta (23).

 

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos