ZTOP+ZUMO 10 anos!

Robô industrial da Epson trabalha com ferramentas comuns

O  Autonomous Dual-arm Robot possui dois braços, visão estereoscópica, capacidade de manipular objetos delicados e até imagina como fazer uma tarefa.

Quando pensamos em robôs industriais ,a idéia que vem à mente são mecanismos articulados, capazes de realizar tarefas repetitivas com habilidade e precisão, o que de um certo modo, não os difere muito de uma prensa, furadora ou embaladeira, já que eles fazem parte de um processo de produção, ou seja, ficam literalmente parafusado no seu lugar ligados a fios e computadores, fazendo aquilo que sua programação manda o dia inteiro e sem reclamar.

Epson_production_robot

Porém a idéia de um robô independente, capaz de realmente substituir uma pessoa habilidosa na linha de montagem está deixando de ser um sonho de cientista (ou pesadelo de sindicalista), para se tornar um produto de fato. Um passo nessa direção já foi dado pela Epson no Japão ao apresentar para o mercado durante a ultima edição da IREX 2013 o “Autonomous Dual-arm Robot“, um robô inteligente capaz de reconhecer objetos, tomar decisões e aplicar a quantidade de força exata nos seus dedos automaticamente.

Epson_dual_arm_robot

O que chama a atenção desse robô é que em vez de ser um equipamento fixo que decora as sequencias de comandos necessários para realizar o trabalho,  ele aprende sobre os objetos e as tarefas envolvidas na realização do trabalho e decide por si como realizá-los. Isso facilita em muito o seu uso, em especial por aqueles que conhecem bem o trabalho mas não a programação de robôs. Fora isso ele pode ser deslocado facilmente para qualquer posto de trabalho — o que permite que ele realize diferentes tarefas durante o dia — e utilize as mesmas ferramentas usadas pelos humanos na linha de produção, o que reduz bastante os custos da sua implantação no ambiente de trabalho:

O vídeo abaixo demonstra alguma das habilidades desse robô:

Assim, se no passado a função do robô industrial era de substituir o trabalho pesado e repetitivo, a tendência dos novos modelos é de combinar novos elementos como percepção, sensibilidade, manipulação delicada e o um processo mais simples de aprender novas tarefas.

A previsão é que a Epson coloque esse produto no mercado durante o ano fiscal de 2015 (que se encerra em março de 2016) e esperamos que até lá eles bolem um nome legal para ele. Já o preço ainda não foi divulgado, mas se for competitivo pode ser a salvação de muitas indústrias que defendem a produção local.

Mais informações aqui.

Ainda em tempo:

Para quem não sabe, a Epson do Brasil também vende robôs por aqui, mas esse novo modelo ainda não consta do seu catálogo.  🙁

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.