ZTOP+ZUMO

Notas da Zumo-caverna (EXCLUSIVO): Testamos o USB 3.0!

ASUS_USB30_intro

Estava aqui na Zumo-caverna pensando em maldades quando o pessoal da ASUS Brasil me enviou um PC para testes (que já ia direto pro fim da fila) se não fosse por um curioso acessório que acompanhou o produto e que me saltou aos olhos: uma placa PCI-E  com porta USB 3.0. Claro que testamos com exclusividade e em primeira mão.

(Dang, lá vai meu planejamento pro saco…)

Batizada de ASUS U3S6, essa placa PCI-E x4 vem equipada com duas portas USB 3.0 e duas portas SATA 600 (uia!).  Trata-se um dos primeiros produtos comerciais com essas tecnologias embarcadas e que aos poucos devem se espalhar pelo mercado. Lá nos EUA, o preço sugerido dessa placa é na faixa dos US$ 30.

ASUS_USB30_overview_small

Ela é formada por três componentes principais: o chip controlador USB 3.0 D720200F1 da NEC…

ASUS_USB30_NEC_small

… o chip controladior SATA 600 88SE9123 da Marvell…

ASUS_SATA600_Marvell_small

E um chip PLX PEX8613 que faz o meio de campo entre as interfaces e a placa-mãe.

ASUS_PLX_chip_small

A empresa enfatiza que, ao contrário da concorrencia, essa placa vem equipada com uma interface PCI-E x4. Isso pode minimizar prováveis gargalos que poderiam interferir no desempenho de uma placa equipada com interfaces tecnicamente tão velozes:

ASUS_SATA600_gargalo_small

Informações mais detalhadas sobre a placa U3S6 e a relação de equipamentos compatíveis com esse produto podem ser conferidas aqui.

Como já vimos anteriormente, os conectores USB 3.o utilizam um engenhoso esquema para manterem-se retrocompatíveis com os seus antecessores: além dos tradicionais contatos de quatro pinos, ele possui uma segunda carreira de cinco contatos (na parte da frente) que são usados pelo USB 3.0.

ASUS_USB30_conector_femea_small

E por causa disso, também é necessário o uso de um cabo de dados específico para USB 3.0 que pode facilmente ser reconhecido pelas letras “SS” gravadas nos concetores.

ASUS_SATA600_cabo_small

Sob Testes:

Uma das grandes dificuldades para testar uma tecnologia desse tipo é a quase nula disponibilidade de dispositivos USB 3.0. Para facilitar a nossa vida o pessoal da ASUS Brasil também nos cedeu um disco rígido externo já equipado com a nova interface:

ASUS_SATA600_HD_EXT_small

Como era de se esperar, o processo de instalação foi bastante simples. Bastou instalar os drivers que acompanham o produto e plugar o disco no computador.

ASUS_SATA600_software

Para esse teste, eu montei o seguinte experimento: fiz um teste sintético para analisar o desempenho do disco com porta USB 3.0 e um teste de transferência com uma massa de dados de 6,2 GB formado por 1.451 arquivos de tudo quanto é tipo e tamanho organizado em 49 pastas – cujo objetivo é fazer com que o disco perca algum tempo organizando seus diretórios de dados.

Para eliminar essa variável eu empacotei essa massa de dados num único arquivo .Zip sem compactação permitindo assim transferir a mesma massa de dados numa arrancada só. Para efeito de comparação eu conectei o disco numa porta USB 2.0 do computador e realizei os mesmos testes.

Para os testes sintéticos utilizei o HD Tach HD Tune 2.55 com o disco ligado na porta USB 3.0:

ASUS_U3S6_HDTune_30_small

O mesmo disco ligado na porta USB 2.0:

ASUS_U3S6_HDTune_20_small

E como as especificações do disco rígido do PC são parecidas com a do disco externo — só para matar a curiosidade — fiz uma medição do disco interno do PC com a tradicional porta SATA 300:

ASUS_U3S6_HDTune_SATA_small

Os números falam por si: o ganho de desempenho do USB 3.0 foi — na média — 182% mais veloz que seu antecessor, chegando a picos de 261%, chegando mesmo a passar a perna do SATA 300. Impressionante.

Os resultados dos testes de cópia de arquivos do PC para o disco externo e vice-versa podem ser visto abaixo:

ASUS_U3S6_tempo_copia_small

Como fizemos o bom e vellho cut and paste e mesmo sem saber por que o Windows Vista (e agora o 7) perde tanto tempo calculando o tempo restante de cópia, os resultados ainda são bem interessantes.

Por enquanto é só pessoal, mas ainda temos algumas surpresinhas aqui na bancada da Zumo-caverna. Fiquem ligados.

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • WiolneyAlves 10/11/2009, 07:56

    Realmente muito bacana o review!! Parabéns!!

  • Rui Fernando 10/11/2009, 08:23

    Muito bom este review! A performance do USB 3.0 é incrível. Quero uma dessas!!

  • Diogo 10/11/2009, 08:25

    Muito bom o review, recomendado!

  • Levy 10/11/2009, 08:58

    Fiquei triste por terem feito apenas duas cópias, queria saber a velocidade tambem da criação de um grande arquivo direto no disco, como quando usado o dd do Linux.

    Mesmo assim fica evidente que o USB 3.0 é muito rápido!

  • Diego 10/11/2009, 12:35

    Bacana!

    Mas você usou o HD Tune, não o HD Tach xD

  • Anderson 10/11/2009, 16:37

    Senti falta do IOmeter.

  • Walter Mercado 10/11/2009, 17:23

    Fiquei mais intrigado com o dispositivo externo…
    Não é SSD e tá bem rápido mesmo na velocidade mínima.
    A Vantec tem previsão de venda da gaveta?

    Será que o USB3 vai ter vez? Parece que a Intel deixou o USB3 em segundo plano perto do Light Peak…

  • Mário Nagano 11/11/2009, 04:25

    Oi Walter,

    Pelo que eu vi de Light Peak no último IDF, trata-se de uma interface óptica de alta velocidade muuuuito interessante e muuuito veloz. Pero, a grande força do USB é sua presença em quase tudo que é cacareco eletrônico e sua retro-compatibilidade o que permite que dispositivos USB 1.0, 1.1, 2.0 e 3.0 consigam se falar de um modo ou de outro.

    Eu me lembro que na época em que se começou a falar de USB 3.0, as primeiras imagens dos novos conectores USB 3.0 previam a existência de um conector híbrido com conexões elétricas para manter a retro-compatibilidade e ópticas para proporcionar altíssimo desempenho.

    O que pode ter acontecido é que o pessoal da iniciativa retirou a conexão óptica do USB 3.0 para que o Light Peak pudesse ser desenvolido como um produto à parte — bem mais performático e lucrativo (SCSI anyone?) — ou pode ser que ambas as tecnologias se combinem num futuro padrão USB 4.0.

    [ ]s

    M.

    PS.: Ah sim o recheio do disco externo é um Seagate Barracuda 7200.12 ST3500418AS que se não for um disco modificado me parece ser um SATA 300 convencional.

  • dflopes 11/11/2009, 10:16

    Mr. Nagano,

    parabéns pelo review.

    O zumo está com moral. Primeiro foi o drive para o teclado da Dell, agora o kit USB 3.0

    E uma pergunta. Significa que o USB 3.0 é mais rápido do que a SATa300? Lendo, foram 100 x 80 MBs

  • Walter Mercado 11/11/2009, 22:01

    @dflopes:

    Serial ATA:
    1,5Gbps -> (1,2Gbps = 150MBps)
    3,0Gbps -> (2,4Gbps = 300MBps) “SATAII”
    6,0Gbps -> (4,8Gbps = 600MBps) “SATA 3.0”
    (entre parênteses a taxa que considera a codificação 8b10b)

    USB:
    1,5Mbps (1.0)
    12Mbps (1.1)
    480Mbps (2.0)
    4,8Gbps (3.0)

    Logo, teoricamente, o USB3.0 é tão rápido quanto o SATA 3.0.

  • Walter Mercado 12/11/2009, 10:49

    O ST3500320AS é um Barracuda 7200.11 (geração anterior) com o dobro de cache do ST3500418AS (7200.12).

    Os .11 tinham um desempenho relativamente baixo (quando comparado com os Samsungs e Western da mesma época e mesma densidade nos pratos). Problemas que o .12 mais ou menos resolveu.

    Explica um pouco os resultados melhores no drive externo. Aliás, a HD provavelmente é um gargalo no teste, se tivessem fornecido com um drive mais rápido, os resultados impressionariam mais.

    Com relação ao Light Peak, talvez eu esteja dando muita importância para sinais pequenos, com os rumores de máquinas Apple com Light Peak em menos de um ano e USB 3.0 nos chipsets Intel só em 2011.
    Isso com o USB ratificado e implementado em controladores. Enquanto o Light Peak mal foi demonstrado.

    Os slides na IDF claramente mostravam que o objetivo do LP é o mainstream, com a possibilidade de implementar diversos protocolos em uma só conexão (DisplayPort, USB ou FireWire talvez?), o que parece ótimo para um MacBookAir…

  • João Silva 24/02/2011, 14:28

    Muito bom mesmo review, recomendo !!