ZTOP+ZUMO

Hands-on: Nokia Lumia 820

Modelo mais básico da nova linha com Windows Phone, o Nokia Lumia 820 compartilha algumas especificações técnicas com seu irmão maior Lumia 920 em um corpo menor e mais compacto. 

O Lumia 820 vemm com tela menor de 4,3 polegadas (800 x 480), processador Qualcomm S4 dual-core de 1,5 GHz, câmera de 8 megapixels (sem tecnologia Pureview), apenas 8 GB de armazenamento interno (expansível com cartões microSD) e bateria de menor capacidade (1650 mAh) também compatível com recarga sem fios. Seu design é mais angular, com menos curvas que o Lumia 920 – com capinhas removíveis na parte traseira. Roda o mesmo novo Windows Phone 8, claro.

Na parte traseira, a câmera e o flash LED…

Abaixo, o conector microUSB e alto-falante, e na lateral o disparador de câmera, liga/desliga e controle de volume.

Acima, o solitário conector para fones de ouvido padrão 3,5 mm.

É curioso falar que o 820 é “menor” que o 920. Fato é que o 920 é um aparelho grande, com tela grande de 4,5″ contra… uma de 4,3″ do Lumia 820 (que tem resolução bem menor, por sinal).

Como disse no hands-on do Lumia 920, o que vai tornar diferente os Windows Phone da Nokia dos demais é o software: exemplo muito legal é o aplicativo City Lens. Visto na vertical, não difere muito de uma lista de locais de um Foursquare da vida:

Ao girar o aparelho, ele ativa a câmera e mostra a imagem do local com diversos pontos de interesse por perto…

… e mova o telefone e os pontos de interesse também se modificam. Clique em um deles e obtenha direções para chegar ao local.

Outra novidade do sistema operacional é o Kid’s Corner, ou Espaço da Criança: uma área para deixar aplicativos, games, músicas e vídeos que podem ser vistos pelos seus filhos. Basta configurar o app com o conteúdo desejado…

E uma nova tela de bloqueio surge no aparelho (para voltar à tela “normal”, basta arrastar para a esquerda) com itens limitados pelo dono. Não que as criancinhas não aprendam logo a alternar pro modo normal, claro.

O Nokia Lumia 820 sai no começo de 2013 no Brasil, sem preço definido ainda.

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin