ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Nimbuzz: o faz-tudo dos mensageiros?

A lista é grande: Skype, Google Talk, AIM, Windows Live Messenger, Yahoo! Instant Messenger, Jabber, MySpace e Facebook, mais quem tiver API aberta e compatível (como o Orkut, por exemplo). O Nimbuzz, novo software/serviço para a web e para celulares (Java e Symbian), pretende reunir toda essa turma aí num lugar só.

E, curiosamente, o serviço chega ao Brasil, com escritório e representação local. Diz já ter 30 mil usuários por aqui, com a previsão de chegar a 500 mil até o final deste ano, com uma esperança de atingir os 10 milhões de usuários até dezembro em todo o mundo.

O Nimbuzz, criado em 2006 na Holanda, é um híbrido de aplicações. Pode ser usado no desktop, unindo todos os mensageiros e redes sociais. Pode ser usado na web, como um widget dentro do seu site. E pode ser usado no celular, como um modo de estar online o tempo todo (e dá-lhe plano de dados!) via 3G/EDGE ou até mesmo Wi-Fi. E por ele as pessoas se comunicam.

Eu, particularmente, procuro por algo no celular mais simples e rápido. O Fring já tem algumas das funções do Nimbuzz de forma mais simplificada (o que me interessa é o Skype e o quase-morto -por-problemas-no-servidor Twitter).

O Nimbuzz pode ser uma boa para uma nova geração online, com celulares Java ou Symbian (essa é mais completa, por sinal), que quer falar com todo mundo ao mesmo tempo, quando e como for possível. É uma alternativa pra clientes de outras operadoras que não têm os Live Services do MSN no celular Vivo, por exemplo. E como ele faz ligações VOIP usando números locais, pode ser uma alternativa econômica para viagens.

Eu, por enquanto, preciso usar mais o programa para me convencer. Um fato curioso é que um dos investidores do Nimbuzz é o grupo sul-africano Naspers, que controla um pedaço do Grupo Abril.

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin