ZTOP+ZUMO

Review: Netbook Sony VAIO VPCM120AB

 

Já faz algum tempo que estávamos curiosos em saber o que os processadores Intel Atom “Pine Trail” de 1,83 GHz eram capazes de fazer e tivemos essa oportunidade ao testar o netbook Sony VAIO VPCM120AB equipado com um Atom N470.

Se comparado com o processador Intel Atom N450 a única diferença do N470 estaria no seu clock que passa de 1,66 GHz para 1,83 GHz às custas de 1 watt a mais no seu TDP que é de 6,5 watts (contra 5,5 watts do N450).

 

Como muitos já sabem os chips  Intel Atom “Pine Trail” foram os primeiros a vir com a aceleradora gráfica totalmente integrada ao núcleo do processador — façanha igualada apenas um ano depois pelo Core i3/i5/i7 Sandy Bridge — no nosso caso é uma Intel GMA 3150:

Medindo aproximadamente 26,8 x 3,2 x 18,2 cm (LxAxP fechado) e 1,3 kg de peso (ou 1,5 kg junto com sua fonte) o VPCM120 lembra muito o MSI U130 com seu gabinete de cantos curvos com acabamento fosco (yay!). O tom predominante do modelo analisado é o Azul escuro (quase preto) mas a Sony também oferece no Brasil esse mesmo modelo nas cores Branco e Rosa e o mais legal: Sem cobrar a mais por isso.

Aberto, podemos ver o tom predominante do seu interior é o cinza fosco (yay! yay!) o que não interfere o uso da sua tela LCD-LED VAIO de 10,1″ e resolução nativa de 1.025 x 600 pixels.

No topo da tela fica sua webcam Sony “Motion Eye” com microfone integrado.

 

Seu teclado por sua vez é na cor prata com caracteres em preto. Para mim é uma solução interessante já que ela oferece melhor contraste que as teclas pretas e não suja tanto quanto as brancas. O espaçamento entre as teclas é de 1,7 cm (liegeiramente menor que o padrão de 1,9 cm) o que faz com que as pessoas com mãos grandes possam estranhar um pouco o teclado até se acostumarem. No canto superior direito ficam as três luzes de estado para Num Lock, Caps Lock e Scroll Lock. As luzes de liga/desliga e de acesso ao disco rígido ficam na frente do portátil (ao lado do botão de liga) o que facilita visualizar o estado do mesmo com o notebook fechado, apesar de achar que a luz do HD poderia ficar numa posicão mais a vista do usuário quando este estiver usando o portátil.

Mas ao contrário do U130 da MSI o touchpad da Sony é bem maior (6,7 x 3,6 cm) com duas teclas independentes na sua base. Simples, confortável e sem muita frescura.

As portas de som também ficam na frente à esquerda do touchpad. Note a presença de um ponto em relevo acima da entrada de microfone para ajudar diferenciá-lo da saída de áudio usando apenas as pontas dos dedos. A idéia em si é muito legal mas acho que seria mais útil se esse ponto estivesse sobre a saída do fone de ouvido por acreditar que essa conexão é bem mais usada que o microfone.

Como é comum nos equipamentos desse tipo, o netbook da Sony vem equipado com três portas USB — todas no lado direito — junto com o slot para trava de segurança padrão Kensington,

Do lado oposto ficam a entrada da fonte de alimentação, a saída de ar do cooler, as portas de vídeo SVGA, rede Fast Ethernet (10/100 mbps) e o slot para o leitor de cartão de memória Flash SD e Memory Stick Pro Duo. Além da porta de rede via cabo, o netbook também conta internamente com uma interface Wi-Fi 802.11/bgn.

Interessante notar que como nos portáteis da Lenovo a entrada de força de 19,5 volts do VPCM120AB aparentemente é padronizada podendo aceitar carregadores de outros modelos. Eu particularmente gosto desses conectores em “L” por aplicarem menos estresse sobre o conector.

Interessante notar que a fonte do portátil informa que ele tem um nível de efficiência Classe V (mais sobre isso aqui) o que seria algo parecido com a iniciativa 80 Plus para fontes de PCs que valorizam produtos com melhor eficiência energética.

A base do VPCM120AB é notadamente limpa. Com nenhum meio de acesso aos pentes de memória ou mesmo ao disco rígido. Isso pode parecer algo negativo, mas como ele já vem com 320 GB de disco e 2 GB de SDRAM DDR2 667, não há muito o que desejar em termos de upgrade.

Nos camou a atenção o fato desse portátil — ou pelo menos esse modelo que veio para testes —  ter sido produzido na China o que faz com que esse equipamento não possa gozar de certas isenções de impostos o que pode impactar (para cima) o seu preço final para o consumidor.

O que realmente me chamou a atenção nesse produto é uma etiqueta de alerta que recomenda que o usuário não utilize o portátil por muito tempo em contato com o corpo (entendo que no colo) o que pode provocar o aumento da temperatura interna do equipamento e causar desconforto e até queimaduras (uia!)

Pala minha experiência, todos os netnbooks esquentam — uns mais e outros menos — mas fiquei intrigado com esse alerta. Como eu estava com o portátil aqui do meu lado sobre a bancada ligado — porém sem fazer nada — eu levantei sua base e notei que ela estava realmente quente. Ai eu peguei meu termômetro de infravermelho e dei uma varrida sobre a base e notei que havia regiões — ou mais exatamente sob o aviso (onde deve ficar o processador) — onde a temperatura chegava a uns 43 graus celsius…

Enquanto em que outras partes a média ficava em torno de 34~36 graus.

Só por curiosidade, eu botei para rodar o Prime95 (um utilitário muito usado para estressar o processador) e deixei o sistema esquentar por alguns minutos e repeti a leitura — 50 graus! — Oh dear.

Observe porém que como os netbooks não foram feitos para trabalhar com processamento intensivo, de modo que não acredito que algum usuário em condições normais de trabalho chegue à essa temperatura. De qualquer modo é louvável a Sony pelo menos ter a preocupação de alertar o usuário desse incômodo ao invés de simplesmente fazer de conta que o problema não é com ela.

Finalmente a parte de trás do portátil é dominado pelo compartimento da bateria de seis células…

… modelo VGP-BPS21B de de 10,8 volts x 3.500 mAh e autonomia estimada de 4,5 horas segundo o fabricante.

Sob Testes:

.

Como é padrão aqui na Zumo-caverna, nós limpamos a máquina — que veio com Windows 7 Starter Edition —  e instalamos o Windows 7 Ultimate.

No índice de experiência do Windows o VPCM120AB  bateu 2,5 pontos, um pouco mais que os 2,3 obtidos com o MSI U130 c0m Atom N450, um ganho de 8,6%.

Segundo a métrica da Microsoft pontuou algo em torno de 1 ou 2 pontos, ele seria mais indicado para tarefas simples como elaborar documentos com o processador de textos ou navegar na Internet o que fica dentro do modelo de uso de um netbook. O fato dele não ter batido os três pontos pode justificar o fato da Sony ter optado pela uso do Windows 7 Starter.

Nos testes com o HDxPRT da Intel que mede a experiência de uso em alta definição, o net da Sony batou 28 pontos para a criacão de conteúdo HD e 2 estrelas para reprodução de conteúdo HD.

Com relação aos outros resultados, o U130 bateu 41 pontos no Sysmark 2007 Preview 1.05 e 1.391 pontos no PCMark Vantage. No AutoGK 2.45 a placa da Intel levou aproximadamente 4h26m8s para transformar um filme em DVD para um arquivo AVI de 700 MB. O processo oposto (criar uma imagem de DVD a partir de três arquivos de vídeo) feito com o DVDFlick 1.3.0.6 foi de 12h01m22s utilizando um thread e 10h37m38s com quatro threads.

Ah sim, o Super Pi do David Lopes:

Nos testes de autonomia de bateria realizadas com o Battery Eater 2.7 — graças à sua bateria de 6 células — o sistema funcionou por aproximadamente 2h58m032s, uma autonomia muito boa perto do que já vimos em equipamentos de seu porte.

Se comparado com o MSI U130 os resultados mostraram que realmente o Atom N470 de 1,83 GHz é tecnicamente mais veloz que o N450 mas os ganhos de desempenho mostraram que essa vantagem realmente existe mas não é nada que nos faça arregalar os olhos ou nos convencer a trocar de netbook. O que percebi durante o tempo em que convivemos com esse equipamento é que as vantagens do clock mais alto é mais sentido na melhor resposta do sistema aos comandos do usuário — principalmente em atividades multitarefa — o que significa no final das contas numa melhor uma experiência de uso mas não necessariamente num ganho significativo de produtividade.

Isso vai de encontro da estratégia da Sony se sempre oferecer “algo a mais” que seus concorrentes na forma de um equipamento — que apesar de seu visual  simples e funcional — oferece um bom padrão de construção e acabamento — além da empresa oferecer dois anos de garantia para o produto, o que é uma tranquilidade a mais para o usuário.

O grande problema é que todos esses “algo a mais” — e o fato dele ser importado — custa dinheiro, o que coloca o Sony VPCM120AB um patamar de preço um pouco acima da concorrência. Sob esse ponto de vista fica a critério do usuário avaliar se investir num netbook da Sony vale a pena. O que podemos afirmar é que o produto é bem construído, funciona bem e “la garantia no soy yo” e sim uma empresa com quase 40 anos de presença no Brasil e que com certeza não vai sumir antes dos dois anos da garantia do produto.

Resumo: Sony VPCM120AB Azul
O que é isso? Netbook de uso geral baseado no processador Intel Atom N470 de 1,8 GHz.
O que é legal? Plataforma moderna e bem servida de recursos. Bom acabamento e boa autonomia da bateria.
O que é imoral? Dif’ícil acesso às memórias e ao disco. Seu desenho não é tão moderno quantos seus irmãos maiores.
O que mais? Desenho simples e utilitário. O fabricante ofefece 2 anos de garantia. A empresa não cobra a mais pelos modelos com cores diferenciadas como branco e rosa.
Avaliação: 7,5 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.599
Onde encontrar: www.sonysyle.com.br

 

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Bruno Ricardo Marques Araujo 11/01/2011, 22:06

    Esse Atom “Pine Trail”, um dual core de 1.83Ghz não alcançou os três pontos no índice do wiwdows 7? Eu tenho um Lenovo Thinkpad x100e e ele alcança 3,1. E olha que ele é um single core. Prefiro o meu Lenovo com Athlon Neo de 1,6Ghz single core a qualquer netbook com esse Atom… Agora, imagine como não será o desempenho do novo modelo da Lenovo com o Fusion da AMD… Estou ansioso para ver o review do Zumo…

    • Mário Nagano 12/01/2011, 06:04

      Acho q vc está confundindo o N470 (single core com HT) com o D525 (dual core com HT). Na teoria, o Athlon Neo estaria na mesma classe dos chips de ultra-baixa voltagem como os Celeron ULV e Pentium SU.

      O Neo MV-40 é um processador bom, mas devido à ausência do HT, tem hora que ele empaca processando alguma coisa principalmente quando ele está inicializando o sistema.

  • rubens 13/01/2011, 09:04

    Nagano, nos reviews das máquinas você desinstala/desativa os cacarecos que vêm junto ou roda os testes como vem de fábrica?
    Seria demais pedir pra tirar um printscreen da tela depois do primeiro boot? Pra ter uma noção das tranqueiras que alguns fabricantes instalam.

    O preço é complicado de pesar ao se considerar comprar esse modelo. pelo valor, dá pra comprar um outro netbook (700~800 reais) agora e sem investir nem nada comprar um outro assim que precisar (se durar mais que um ano, pegar uma máquina com Brazos por um preço bacana).
    Ainda que a qualidade de construção, acabamento e durabilidade sejam bons, justificar a compra desse note não é muito diferente da compra de um daqueles processadores "extreme".

    Ah é, o touchpad é Synaptics? Tem multitouch?

  • claudia 16/01/2011, 09:32

    Tenho um HP Tx2 1275 que queimou a placa de wireless, de tanto esquentar, em um período relativamente curto . Vi em alguns sites que este HP geralmente acaba queimando a placa-mãe. Então uma das principais preocuprações minhas é que eu notei que o SONY VAIO VPCM120AB também esquenta muito, vocês acham que isto pode comprometer a máquina?

  • Leandro 18/01/2011, 03:15

    Nao acredito q existem pessoas q comprem um notebook que nao seja ASUS!!

    ASUS faz todas as marcas parecer piada, ganha toda hora premium de tudo quanto é revista de informática, sempre o melhor netbook, não dá nenhuma chance pros outros em nenhum quesito, simplesmente detona.

  • Cristiano 28/12/2011, 20:01

    Tenho um destes. Não sou técnico, mas um mero consumidor. Na 3ª semana de uso, deu pau no HD e tive que levar para a autorizada, onde ficou 10 dias aguardando a chegada de novo HD (pois teve de ser substituído). Com isto, foram restauradas as configurações de fábrica, e o netbook está MUITO, MUITO lento, deixando a desejar e irritando a ponto de ligar e deixar carregando, para depois sentar novamente em frente à máquina! Que pena: sempre sonhei com um Sony Vaio, mas estou pensando seriamente em voltar para o meu CCE (pasmem!!!)

  • César 03/08/2012, 21:39

    Como que desmonta este bicho ai?Outr com o HD queimado =/

  • katia lopes 22/11/2012, 15:38

    preciso saber onde encontro teclado para esse tipo de net, pois estou com o meu sem poder usar devido está com algumas teclas sem funcionar. Por favor me ajudem