ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Review: Motorola RAZR HD

O Motorola RAZR HD é o primeiro smartphone 4G à venda no Brasil. O que isso significa para você, mero mortal? Nada, por enquanto. É um excelente aparelho, mas que não vale a pena justificar uma aquisição por conta apenas do 4G – ainda mais porque, quando as redes LTE estiverem prontas, outros telefones mais legais estarão à venda. 

O smartphone é o topo de linha da Motorola hoje: processador Qualcomm Snapdragon S4 de 1,5 GHz, 1 GB de RAM, 16 GB de armazenamento interno, câmera de 8 megapixels e uma bela tela Super AMOLED de 4,65″ com resolução HD (1280 x 720). A versão do Android utilizada é a 4.0 “Ice Cream Sandwich” com upgrade previsto para Android 4.1.

Seu design segue a linha RAZR e lembra muito o RAZR i com esteróides (mais sobre isso adiante) e o RAZR MAXX (o da bateria monstro). A tela quase não tem bordas nas laterais e o acabamento em kevlar protege a parte traseira do aparelho (e protege mesmo, já que deixei cair e ele resistiu bravamente). E apesar da dimensão avantajada (131,9 x 67,9 x 8,4 mm, 146 gramas), cabe bem na mão. A ausência de botões físicos na parte frontal se tornou padrão, e isso é bom.

Na parte traseira superior, vemos a câmera com flash LED, alto-falante e o conector para fone/headset padrão 3,5 mm…

Na lateral direita, estão o botão de controle de volume e o liga/desliga (que tem uma textura chanfrada, parece uma pequena lixa…). Note a estrutura metálica na borda do aparelho.

E do outro lado, um conector mini-HDMI (cabo incluso), microUSB (troca de dados/recarga da bateria) e uma gavetinha curiosa…

Que só pode ser aberta com um clipe especial que vem na caixa, estilo iPhone (pontas de lapiseira 0,5 mm também funciona, por sinal).

E ao ser removida, a gaveta permite inserir o microSIM card da operadora…

… além de deixar espaço à esquerda para um slot de cartões de memória padrão microSD. Vale andar com a ferramenta na carteira, em caso de emergência.

Outro detalhe interessante do design é a tela protegida por Gorilla Glass e tem as bordas levemente curvadas.

No uso diário, vale repetir algumas coisas comuns com o RAZR i:  A interface segue o padrão da Motorola em seus últimos lançamentos com Android 4: pouca interferência, nada de camadas adicionais e um ou outro truque novo na manga, como uma tela de favoritos no menu de aplicativos, acesso rápido à tela de configurações ao rolar para a esquerda…

…e as Smart Actions, que ajudam a melhorar o desempenho do telefone e seu uso diário. O widget de círculos, com previsão do tempo, notificações de chamadas/SMS e duração da bateria está lá também.

A tela do RAZR HD é bastante interessante. Tem cores nítidas e bom contraste, sem puxar para o laranja comum visto em telas Super AMOLED da Samsung, por exemplo. O aparelho reproduz arquivos DivX sem problemas, por sinal, e sem precisar baixar algum aplicativo adicional.

E, com uma foto tirada com o próprio RAZR HD, dá para ver bem os detalhes do gato – Ticolino estava com saudades de aparecer por aqui 😉

Falando em câmera, eu achei a do RAZR i, um aparelho intermediário, melhor e mais rápida. Dá para obter bons resultados à luz do dia…

E brincar de HDR – sem e com o efeito na sequência. Bom, mas nada empolgante.

Mais amostras de fotos no nosso Facebook.

Amostras de vídeo, também boas, mas sem empolgar demais.

Uma comparação rápida de tamanho entre os dois irmãos RAZR HD e RAZR i:

Desempenho

No dia-a-dia, o uso do RAZR HD é rápido e sem atrasos na troca de telas. A câmera, pela ausência de um botão dedicado a ela como ocorre no RAZR i, demora um pouco mais.

Por conta da tela grande, a bateria do RAZR HD é um pouco menos poderosa do que a do RAZR i, mas aguenta um dia de trabalho fora da tomada. Com 2.500 mAh de carga, ela demorou 11 horas para atingir o nível de 20% – o RAZR i aguentou 12h e tinha 25% restantes ainda.

Nos benchmarks, o desempenho é maior que o do RAZR i e inferior na maioria dos testes à nossa referência em Android 4.0 topo de linha, o Samsung Galaxy S III.

Ah sim, é um telefone também, para quem ainda usa telefone para falar, com boa qualidade de som. O detalhe do logotipo da Motorola sobre o alto-falante principal pode ficar com fiapos de bolso presos ali, por sinal.

O Motorola RAZR HD é um bom aparelho, sem dúvida. Rápido, tela estonteante, boa duração da bateria. Mas não compre esse aparelho pensando em 4G (que nem dá para testar hoje em São Paulo, por sinal) – em meados de 2013 e, principalmente, em 2014, novos e melhores aparelhos 4G da própria Motorola e de outros fabricantes estarão à venda.

Hoje, é apenas comprar para dizer que tem, sem poder usar a rede super rápida, já que as redes comerciais não estão disponíveis ainda. Dá para pensar que é um investimento futuro: use em 3G hoje, espere o 4G daqui a algum tempo. Mas, como disse, daqui a algum tempo telefones melhores virão.

RESUMO: MOTOROLA RAZR HD

O que é isso? Smartphone topo de linha com sistema operacional Android 4.0
O que é legal? Tela grande e com boa resolução, design elegante, bom desempenho, boa bateria.
O que é imoral? câmera lenta, 4G é apenas estratégia de marketing hoje.
O que mais? Recurso Smart Actions amplia os recursos do smartphone. Tem NFC também.
Avaliação: 7,0 (de 10). Entenda nosso novo sistema de avaliação.
Preço sugerido: R$ 1.999 (operadoras podem ter preços melhores com planos de dados associados)
Onde encontrar: Motorola

 

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin