Macro: smartphone Moto Z

M

Moto Z é o nome da nova linha de smartphones modulares da Lenovo/Motorola, anunciados hoje em San Francisco.

São dois aparelhos (razoavelmente iguais) com a curiosa capacidade de ter acessórios – bateria extra, projetor, alto-falantes – acoplados à sua traseira, com design e engenharia executados de forma mais inteligente em comparação ao que já existe hoje no mercado.

Moto Z

Visto de frente, o Moto Z parece muito com o novo Moto G, por conta da sua tela de 5,5″ e leitor de impressões digitais na base da tela.

Porém, o Moto Z é o novo topo de linha da Moto (ex-Motorola): processador Qualcomm Snapdragon 820, 4 GB de RAM, tela Quad-HD (1440 x 2560), 64 GB internos (expansíveis com cartão microSD de até 2 TB), câmera de 13 megapixels, bateria de 2.600 mAh, rodando Android 6.0 Marshmallow e com recarga rápida de bateria (a melhor invenção para os smartphones nos últimos 2 anos, com certeza).

Esse é o modelo que chega ao Brasil no segundo semestre – sem preço definido ainda-, provavelmente alinhado com o lançamento mundial em setembro, e é estupidamente fino (5,2 mm de espessura).

O Moto Z tem um irmãozinho um pouco maior, o Moto Z Force, com o mesmo hardware, porém com alguns upgrades: proteção ShatterShield (a mesma do Moto X Force) contra quedas, tombos e acidentes em geral, mais bateria (3.500 mAH) e uma câmera de 21 megapixels com estabilizador óptico de imagem, um pouquinho mais espesso (7 mm). Esse modelo, porém, não tem previsão de ser lançado no mercado brasileiro.

E eu já falei que o Moto Z é muito fino?

moto z - 1

O aparelho será vendido em duas cores: preto com acabamento em cinza escuro…moto z - 2

E branco com acabamento dourado:moto z - 3

Outro detalhe interessante – e polêmico – do Moto Z é a adoção do conector padrão USB-C como única porta disponível no smartphone: não existe um conector P2 para fones de ouvido no aparelho (!). Diz a Moto que um adaptador USB-C para P2 virá na caixa do produto final, para que o consumidor use seu fone favorito.

moto z - 4

A lateral com botões está mais refinada em comparação a modelos anteriores da Moto (eu achei, pelo menos). Vale notar que a traseira do Moto Z é feita em alumínio, com a frente em vidro (ambos ímãs de marcas de dedos, como dá para ver logo adiante).

moto z - 6

De frente, o Moto Z é seu smartphone tradicional, com sensores, alto-falantes, câmera frontal…moto z - 5
Mas atrás do Moto Z a coisa é um pouco diferente: ainda é um smartphone convencional, com uma câmera-calombo traseira bem grande (tem seu motivo)…
moto z - 8 moto z - 9

E na base traseira, dezesseis pontinhos que servem para se conectar a alguma coisa: os módulos do Moto Z, que no Brasil serão chamados de Moto Snaps (Moto Mods no resto do mundo). 
moto z - 11

Aqui, o Moto Z Force (mais gordinho) em comparação com o Moto Z:moto z - 12 moto z - 13 moto z - 14

Os módulos Moto Snaps se encaixam na traseira, sem ter que envolver o manuseio de partes móveis (como no LG G5, que tem uma parte inferior que sai do aparelho). Os 16 conectores dourados e quatro ímãs (escondidos nos quatro cantos direito/esquerdo/inferior/superior) fazem o “clique” com a peça adicional (ou… “snap” em marquetês da Moto).

E por que a câmera traseira é saliente? Para ajudar no encaixe do módulo externo. Para remover um módulo, basta puxar na parte inferior do aparelho e pronto, pode ser trocado.

Os módulos iniciais do Moto Z incluem capas traseiras coloridas (que poderão ser personalizadas via ferramenta Moto Maker)…

moto z - 17

moto z force - 1

…baterias adicionais (incluindo parcerias com marcas como Incipio, Tumi e Kate Spade)…. 
moto z - 16

…um projetor (480p de resolução, argh!) de até 70″ (com bateria adicional), chamado de Moto Insta-Share Projector…moto z - 18 moto z - 19

E o JBL SoundBoost, alto-falantes bem barulhentos, por sinal. moto z - 20 moto z - 21

Além dos “snaps” adicionais, a Moto está incentivando desenvolvedores de hardware a criar novas possibilidades para módulos do Moto Z (prêmio: US$ 1 milhão) e mostrou suas próprias iniciativas de futurismo-modular, incluindo uma bateria extra sem fios que recarrega 85% do Moto Z em 15 minutos/100% em 30 minutos.
moto z force - 2

Um hub com portas USB/HDMI/Carregador externo + Android para transformar o Moto Z em um computador que se liga a qualquer monitor (lembram do Motorola Atrix com lapdock? É a versão muito melhorada disso).moto z force - 3

E outra com projetor de superfície – que teoricamente pode mostrar um teclado sobre a mesa e reconhecer digitação….moto z force - 4 moto z force - 5

Particularmente, acredito que smartphones modulares ainda estão na sua infância. Não são um smartphone construído-do-seu-jeito (como o Project Ara, do Google), mas já dão seus primeiros passos. No MWC 2016, a LG mostrou o G5, que tem módulos “amigos” que se encaixam no smartphone por baixo. A solução encontrada pela Moto é mais elegante e envolve menos peças móveis ou que podem se quebrar – mas mantém o risco de perder um extra do seu smartphone pelo caminho.

Mexendo em alguns módulos no Moto Z, tive a sensação de que a peça está firme, mas não 100% presa ao aparelho: tem um micro-mínimo-movimento ali, bem suave, mas que não solta o módulo na sua mão. Diz a Moto que isso é esperado e é um recurso de segurança – os conectores têm molas (e partes em ouro!) que ajudam nessa estabilidade. E, se cair no chão, os ímãs soltam as partes, como ocorria nos telefones jurássicos que soltavam a bateria ao cair no chão.

Outra questão importante – e que a Moto afirmou que não será um problema – é a garantia de futuro dos acessórios com as próximas gerações de Moto Z. Não adianta nada eu comprar hoje um Z com capas, baterias, alto-falantes (e o que mais vier: note que não falaram em câmeras adicionais) e isso não funcionar numa próxima geração ano que vem.

Em tempo: linhas Moto E e Moto X continuam a existir. Moto Z é uma nova alternativa topo de linha.

Disclaimer: ZTOP viajou a convite da Moto/Lenovo. Fotos e opiniões são nossas.

 

Sobre o autor

Henrique Martin

Henrique Martin já escreveu na PC World, PC Mag, Folha de S. Paulo e criou o Zumo em 2007. Em 2011, o Zumo se transformou no ZTOP, referência em conteúdo original sobre tecnologia em um mundo pós-PC. Siga-o no Twitter: @henriquemartin

RSS Podcast SEM FILTRO




+novos