ZTOP+ZUMO (tech, opinião, inteligência)

Gadget do dia: MAX Word Writer BL-80/BL-120

Empresa reinventa o conceito de máquina de escrever com uma máquina que realmente escreve com uma caneta!

Com o uso cada vez mais intensivo dos computadores nas mais diversas atividades do dia a dia, muitas pessoas parecem ter esquecido algumas habilidades que aprendemos na infância — como a arte da caligrafia — o que pode ser um problema (ou mesmo um tormento) na hora de escrever uma nota para um terceiro ou preencher algum documento oficial que precise ser escrito a mão de maneira clara e legível.

Pensando nisso, a empresa japonesa MAX desenvolveu o Word Writer que é tecnicamente, uma “maquininha de escrever” capaz de escrever caracteres ocidentais e/ou japoneses sobre superfícies planas. 

BL-120_overall1

Disponível em dois modelos — o BL-80 (86.000 ienes ~ R$ 1.986) e o BL-120 (145.000 ienes ~ R$ 3.348) essa engenhoca lembra muito uma rotuladora eletrônica super vitaminada, mas ao invés de imprimir etiquetas adesivas, ela possui um braço mecânico que escreve diretamente sobre a mídia a ser escrita, como naqueles antigos plotters a caneta da linha HP Draft Pro.

Como podemos ver, não se trata de um equipamento voltado para redigir monografias e sim textos menores porém não menos importantes — como colocar um endereço num envelope ou preencher uma etiqueta e/ou formulário de papel — tarefas por sinal, que podem ser bem desafiadoras, já que elas podem exigir uma boa noção de espaçamento para preencher corretamente os campos disponíveis. Para isso, basta entrar com o texto desejado, determinar a área disponível para escrita que o Word Writer se encarrega de ajustar o tamanho do texto ideal em incrementos de 1 mm.

Outra grande sacada do uso da caneta esferográfica é que ela permite o preenchimento de formulários multi-vias (de até oito cópias).

Além do preço, a diferença entre o Word Writer BL-80 e BL-120 está na área útil de escrita (12 x 2 cm e 12 x 3 cm respectivamente), na quantidade de memória interna e no tamanho máximo dos caracteres (até 1,5 e 2,0 cm). O sistema utiliza uma caneta esferográfica especial fabricada pela empresa…

BL-120_caneta_refill… ou canetas hidrográficas Staedler Lumo Color 319-S por meio de um adaptador opcional:

BL-120_staedler_adapter

Mais informações no site da empresa.

Ainda em tempo:

A  Max Co. foi fundada em 1942 como Yamada Aviation produzindo (surpresa! surpresa!) peças de avião para os militares mas que, com o fim do conflito, mudou de ramo lançando seu primeiro grampeador de papel em 1946 que foi o início de uma ampla e bem sucedida linha de equipamentos desse tipo para aplicações leves e pesadas.

Esse know-how na área de manufatura em metal também fez com que a empresa desenvolvesse outros produtos bem curiosos, como o Kukuru-S (Cool’cle-S) um triciclo “de quatro rodas” especialmente projetado para pessoas idosas, que incorpora algumas idéias bem interessantes como um porta-bengalas, amplo bagageiro para carregar compras e um eixo traseiro com diferencial, o que permite fazer curvas de até 180° em relação a uma das rodas do eixo traseiro.

coolcle_s_b1

Não se trata de um veículo voltado para agilidade/desempenho e sim um meio de locomoção mais cômodo, seguro e menos cansativo do que andar. De fato, ele até conta com um sistema que limita a velocidade do mesmo à mesma de uma pessoa caminhando, o que pode ser útil numa descida.

Wai-wai!

Desde o século passado Mario Nagano analisa produtos e já escreveu sobre hardware e tecnologia para veículos como PC Magazine, IDGNow!, Veja e PC World. Em 2007 ele fundou o Zumo junto com o Henrique assumindo o cargo de Segundo em Comando, Editor de Testes e Consigliere.

  • Vagner_Ligeiro

    Curti a rotuladora esferográfica, e mais ainda o triciclo. 🙂

  • Alexandre Gorges

    Só vendo escrever em japonês, fiquei de queixo caído.

  • Ricardo De Castro Campos

    Achei o triciclo genial!

  • Ubiratã Muniz Silva

    Pronto, máquinas substituindo os calígrafos pra fazer convites de casamento. rsrsrsrs.

  • Prezado Nagano,

    desculpe o “off-topic”, mas não achei onde mandar um email para vocÊs (não tenho facebook).

    Vocês tem acompanhado a implementação do “conselho de usuários” dos serviços de telecomunicações?
    Surgiu em nosso fórum, um usuário perguntando sobre o “conselho de usuários” da Claro, pois ele recebeu uma mensagem e ele mesmo verificou que se baseia na Res. nº 623/2013 da Anatel.

    No entanto, o site http://www.conselhodeusuariosamx.com.br/ sequer permite a inscrição do usuário.

    Isso é de suma importância pois sempre reclamamos que as empresas não nos escutam e só fazem investimentos para não levar multa da Anatel sem nunca atendem as demandas dos usuários.

    No entanto, quando temos possibilidade de integrar um conselho consultivo, inventamos que não temos tempo, não vai dar em nada, é só política e etc…

    Em nossa discussão no fórum (http://pdabr.com/tema-livre/sms-curioso-enviado-pela-claro-t1010768.html), surgiu a frase interessante: “Enfim, Brasil. Onde todos querem ser servidos, mas servir? Jamais! ”

    Se todos reclamamos da “corrupção” dos políticos e das mazelas nacionais, pq não separar um tempo para melhorar os serviços que usamos?

    Desculpem o off-topic.
    Mas pela seriedade do site de vocês, achei que vocês poderiam se interessar pela discussão.